Não lhe deem o Nobel – Ele é de Direita!

Não lhe deem o Nobel – Ele é de Direita!

Johan Norberg

Os esquerdistas suecos estão ultrajados pelo fato de Mário Vargas Llosa ter ganhado o Prêmio Nobel de literatura, porque ele não é ‘um dos nossos’.

‘Eu estou meio chateada’, afirmou a crítica literária sueca Ulrika Milles durante o anúncio do vencedor do Prêmio Nobel de literatura de 2010 pela televisão sueca. A elite cultural do país levou apenas alguns segundos para perceber que houve um engano no processo de votação da Academia Sueca: ora vejam, Mário Vargas Llosa, o vencedor, não é mais um socialista. ‘Eu perdi a fé nele quando ele se tornou um neoliberal’, queixou-se Milles. Muitos outros ecoaram com ela. Gente que nunca tinha expressado qualquer preocupação com a linha política de outros vencedores do Prêmio Nobel – como Wisława Szymborska, que escreveu enaltecimentos poéticos sobre Lênin e Stalin; Günter Grass, que elogiou a ditadura de Cuba; Harold Pinter, que apoiou Slobodan Milošević; José Saramago, que expulsou anti-stalinistas do jornal revolucionário que editava – acharam que a Academia Sueca tinha finalmente pisado na bola. Aparentemente, as convicções políticas de Mário Vargas Llosa deveriam desqualificá-lo de qualquer nominação de prêmio. Afinal de contas, ele é um liberal clássico da tradição de John Locke e Adam Smith.

Jornalistas e escritores do estatismo sueco de esquerda explicaram que Vargas Llosa havia se tornado um ‘traidor’ durante a década de 1980, quando ele se declarou abertamente contra o socialismo e até concorreu à presidência do Peru numa plataforma liberal. Eles sugeriram que provavelmente o seu estilo de vida privilegiado, na qualidade de escritor de sucesso, havia solapado a sua compaixão e solidariedade para com os pobres e os oprimidos.

No Aftonbladet, o maior jornal da Suécia, três escritores o massacraram no dia seguinte ao anúncio do Prêmio Nobel. Um escreveu que o prêmio havia sido uma vitória para a direita sueca; outro que foi uma vitória da direita autoritária latino-americana; e o terceiro acusou o mesmo de ser não só ‘neoliberal’ mas também ‘machista’ (o que Vargas Llosa não sabia é que hoje em dia só é aceitável para autores femininos escreverem sobre sexo; quando os homens fazem isso, aparentemente é considerado chauvinista e de mau-gosto).

Martin Ezpeleta, do Aftonbladet, chegou a afirmar que o prêmio havia sido uma vitória para dos racistas, devido ao fato de Vargas Llosa ter escrito um ensaio atacando a ideologia do multiculturalismo. O fato de que o mesmo ensaio também defendeu uma política de imigração mais aberta não significou nada para Ezpeleta – até que outras pessoas apontaram o seu logro e ele discretamente retirou a acusação de ‘racismo’ do seu artigo e fez de conta que a mesma nunca esteve lá.

Ficou para um jornal da extrema-esquerda, o Flamman, mandar que os seus colegas de viagem recuassem. Está certo, Vargas Llosa é um libertário, mas ele é também um escritor fantástico e uma ‘excelente escolha’ para o Prêmio Nobel. E é mesmo. Mesmo que você odeie o livre-mercado, o livre-comércio e outras coisas que Vargas Llosa apóia, é difícil negar que ele não seja um dos melhores contadores de história da nossa época.

Vargas Llosa escreveu alguns contos simples e outros que são até bobos, mas os romances como A Festa do Bode e A Guerra do Fim do Mundo pertencem à categoria daquelas ambiciosas histórias que já não são mais narradas, numa época em que a maioria dos escritores já não têm paciência para compartilhar nada a não ser os seus bares favoritos e as suas trágicas vidas amorosas. No seu melhor lado, Vargas Llosa é a resposta do mundo literário aos cientistas da teoria das cordas cósmicas: ele lida com mais dimensões que o restante de nós consegue experimentar com os nossos sentidos. Como Victor Hugo, ele consegue capturar toda uma era ou a tragédia de um país em apenas alguns capítulos, mas como os melhores escritores de thrillers ele também nos mantêm em suspense com os seus dramáticos enredos. E encima disso tudo, ele consegue manejar uma enorme quantidade de personagens, como fizeram os grandes escritores russos – personagens cujos relacionamentos, conversações e crescimentos interiores constituem o verdadeiro cenário da narrativa.

Vargas Llosa salta para a frente e para trás entre essas dimensões e muda a narração e o tempo a fim de contar a mesma história por ângulos diferentes e para torná-la mais completa e mais complexa. É tecnicamente complexo mas acessível e fácil de ler, e até unputdownnable (impossível de largar). Ele consegue fazer com que temas simples pareçam profundos e importantes e escrever sobre tragédia e miséria com humor e ironia.

Mas antes de se deixar levar e concluir que Vargas Llosa merece o prêmio: será que eu esqueci de informar que ele não é um socialista? Bem, ele era. Ele foi um comunista convicto que apoiou a revolução cubana. Ele mudou, mas isso não foi porque perdeu a capacidade de sentir compaixão para com os pobres e os oprimidos, mas porque ele ainda tinha tal capacidade, enquanto que os outros começaram a se identificar mais com os revolucionários do que com as pessoas em cujo nome eles fizeram a revolução. Ele percebeu que Castro perseguia homossexuais e prendia dissidentes. Enquanto que os outros socialistas se calaram, pensando que o sonho justificava os meios, Vargas Llosa começou a se perguntar perguntas difíceis do tipo por que é que na prática os seus ideais pareciam mais com campos de concentração do que com a utopia socialista.

Foi aí que o autor começou a deduzir que a centralização do poder e da riqueza no governo levava ao autoritarismo, e que as barreiras ao comércio, as regulamentações e a ausência de direitos proprietários protegiam os poderosos e tornava impossível para que os pobres começassem negócios e construíssem uma vida independente. Ele se tornou um liberal clássico, constantemente lutando contra os corruptos e os autoritários, independente da maneira como eles se disfarçavam – se como juntas militares, direitistas mercantilistas ou ditadores socialistas – e ele também comprou a briga pelo estado de direito e por direitos proprietários para os pobres e os oprimidos.

As tentativas de retratar Vargas Llosa como um defensor da direita autoritária e conservadora da América Latina são simplesmente vergonhosas. O único fiapo de evidência citado no Aftonbladet foi que ele havia apoiado Sebastián Piñera na última eleição presidencial no Chile – o que nem faz sentido já que Piñera é um político democrático e moderado, que combateu a tradição autoritária da direita no Chile e votou contra Pinochet no plebiscito de 1988 sobre a continuidade do seu governo.

São os esforços de Vargas Llosa para aplicar os mesmos pesos e medidas para todos os governantes que tornam tão reveladora a acusação de que ele traiu a esquerda. Muitos intelectuais condenaram as ditaduras direitistas do Peru e do Chile, e muitos intelectuais condenaram as ditaduras esquerdistas de Cuba e da Nicarágua, mas poucos, como fez Vargas Llosa, condenaram ambas.

e isso é um ataque à esquerda, é apenas porque a esquerda cravou as suas esperanças em gerações sucessivas de caudilhos como Castro e Chávez. Qualquer um que insistir que as mesmas regras democráticas devem ser aplicadas aos seus heróis torna-se um traidor, um desistente e um direitista. Ele é o escravo nas carruagens dos mesmos, a murmurar que toda glória é efêmera e que és mortal. E esse não é um papel popular. Como Vargas Llosa escreveu uma vez: ‘Por motivos que agora me escapam, qualquer um na América Latina que defende a liberdade de expressão, eleições livres e pluralismo político é conhecido nos meios intelectuais como direitista.’

As tentativas de politizar um prêmio de literatura e as demandas de que os autores devem ser esquerdistas de carteirinha, não são nada atraentes. Mas talvez os críticos tenham razão afinal de contas. Talvez não possamos separar os romances e a política de Vargas Llosa, a sua literatura da sua crença na liberdade. Num ensaio sobre a escrita ele explicou que ‘toda literatura boa é radical; levanta questões radicais sobre o mundo em que vivemos’, e que a literatura é ‘o alimento para o espírito rebelde, o promovedor de inconformismos’.

Pode-se até dizer que a Academia Sueca concorda, uma vez que deu a Vargas Llosa o prêmio ‘pela sua cartografia das estruturas do poder e pelas suas penetrantes imagens da resistência, revolta e derrota do indivíduo’. A diferença entre ele e os seus velhos amigos que viraram seus oponentes é que ele leva a sério tal poder e tal resistência. Os mesmos não existem apenas na ficção.
___________________________________________________________________
Johan Norberg é jornalista, historiador e escritor sueco, e autor do livro Financial Fiasco: How America’s Infatuation with Home Ownership and Easy Money Created the Economic Crisis (O Fiasco Econômico: Como a Enfatuação com a Casa Própria na América e o Dinheiro Fácil Criaram a Crise, inédito em português).

Título Original: ‘Don’t give him the Nobel – He’s Right-Wing!’
© Dr. Johan Norberg
Cortesia de: JN e revista Spiked-online (http://www.spiked-online.com)
Data da Publicação em PortVitoria: 01 julho 2011
Tradutora: Joaquina Pires-O’Brien (Beccles, UK)

Como citar este artigo:
Norberg, J. Não lhe deem o Nobel – Ele é de Direita! PortVitoria, UK, v. 3, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, http://www.portvitoria.com