Quem eram os iberos?

Quem eram os iberos?

Francisco Gijon

Entre os séculos VI e V a.C. o panorama que os povos do Leste e do Sul da Península Ibérica oferecem é o seguinte: o reino dos tartessos1 já não existe. Os fenícios finalmente conseguiram controlar o comércio de minérios, após terem suprimido a competência grega na área do Estreito. Para impedir que no futuro uma nova monarquia unitária repetisse o desafio que os tartessos lhes haviam lançado no passado, os fenícios fomentaram, sim, o desmembramento do reino em pequenos principados, cuja colaboração buscariam em separado e estimulariam fazendo-os rivalizarem-se entre si.

Os cartagineses, irmãos de raça dos fenícios, bloquearam aos gregos as rotas mediterrâneas do ocidente mediante a criação de um império marítimo que se apoiaria em alguns locais do litoral meridional hispânico e norte-africano, nas ilhas de Ibiza, Cerdanha e Sicília e, naturalmente, em Cartago. Os gregos de Massalia (Marselha), que eram focenses, centrariam os seus interesses na região levantina, a única à qual tinham acesso por terra e por mar. O seu influxo se fez sentir pronto na população do levante espanhol. Pouco a pouco, os régulos do vale do Guadalquivir se sentiriam atraídos pelas vantagens que lhes oferecia o comércio com os gregos. E assim, e não de outro modo, começaria a cristalizar o denominado círculo cultural ibérico.

Os autores gregos chamaram de ‘iberos’ os povos do sul e do levante da nossa Península, para distingui-los dos povos do interior, cuja cultura era diferente em todos os aspectos. Entretanto, o âmbito ocupado pelos verdadeiros iberos era muito mais reduzido. Como ponto de referência, apesar do anacronismo, deveríamos situar a ‘via Hercúlea’, um antigo caminho terrestre que, desde a Itália, passava por Marselha, bordeava o golfo de Leão e a costa levantina, e penetrava no vale do Guadalquivir. As lendas, sempre gregas, atribuíam a Hércules a sua construção, mas isso é farinha de outro saco.

Aquilo que um dia seria o baixo Languedoc e Rossilhão era habitado por tribos ibéricas miscigenadas, isto é, de mestiços, pois ao que parece, eram formados por uma mistura da população local, celtoligúrica, e povos propriamente ibéricos vindos do sul, como um refluxo suscitado por uma anterior penetração dos celtas em seus territórios. O certo é que a presença ibérica no sul da França foi confirmada quando do descobrimento das estações arqueológicas de Montlaurés e Ensérume.

Nas encostas mediterrâneas dos Pireneus está documentada a existência dos ceretanos, que deram o seu nome ao município da Cerdanha. No lado de cá, assentaram-se outras tribos que deixaram o rastro de seus nomes nos topônimos da região. Assim, os castelhanos, os andosinos (dos vales de Andorra), os airenosinos (do vale do Aram), e os jacetanos (de Jaca). No resto da Catalunha habitavam outras tribos, algumas delas propriamente ibéricas, como os indígetes, os layetanos e os cesetanos, estes últimos na área de Tarragona. Mas também havia outras populações não ibéricas, como os ausetanos (zona de ‘Vichi’ ou Barcelona) e os bergistanos (Berga e Barcelona). Na comarca de Tortosa, junto à desembocadura do Íberus (o Ébrio), viviam os ilercões, aparentados, aparentemente, a outras tribos do interior como os ilergetes (de Lérida, então chamada Ilerda) donos das terras aragonesas da margem esquerda do rio Ébrio e das planície de Urgel.

Na planície castelonense e em Valência, estavam os edetanos (Edeta corresponderia à atual Liria). Mais ao sul, os contestanos ocupariam o território compreendido entre os rios Júcar e Segura, arrebatados, ao que parece, aos mais antigos colonizadores gimnetanos.

No outro lado do rio Segura, começava o território que antigamente girava em torno dos tartessos. Seus ocupantes posteriores foram os mastienos, entre os rios Segura e Almeria, os bastetanos, e os bástulos, subgrupos de um tronco comum radicado em Almeria e Granada e com sede em Basti (Baza), e os oretanos, montanheses que habitavam a atual província de Jaén.
Os curetes parecem haver ocupado a região de Despenhaperros e a região de Auringis (Jaem Novo), e nos confins com os bastetanos, habitavam os maesesses. Na bacia do Guadalquivir viviam os etmeanos e os ileates na zona entre Córdoba e Sevilha, deslocados ao norte pelos cempesos, de maioria céltica, que se estenderiam até o rio Guadiana. Quanto aos turdetanos, supõe-se que eram assentados nas terras de Sevilha e Cádiz, a antiga morada dos tartessos. Os seus afins, os túrdulos, viviam na zona periférica montanhosa da área turdetana. Para o ocidente, muitos outros povos ocupavam as zonas do Algarve.
_________________________________________
Francisco Guijon é autor de diversos livros de história, incluindo Historia antigua de las Españas, de onde este artigo foi extraído.
© Francisco Guijon
http://ordorenascendi.blogspot.co.uk/2011/07/la

Notas
1.Tartessos (Τάρτησσος) era o nome pelo qual os gregos conheciam a primeira civilização do Ocidente. Herdeiros da cultura megalítica andaluza, que se desenvolveu no triângulo formado pelas atuais cidades de Huelva, Sevilha e Cádiz, os tartessos desenvolveram uma língua e escrita distintas das dos povos vizinhos e tiveram influências culturais de egípcios e fenícios. Estão perfeitamente documentados povoados ao longo do vale do Guadalquivir. A sua provável capital talvez fosse Turpa, no lugar que hoje ocupa o porto de Santa Maria, na desembocadura do Guadalete. Provavelmente, a cidade e a civilização já existiam antes de 1000 a.C., dedicadas ao comércio, à metalurgia e à pesca. A posterior chegada dos fenícios, talvez tenha estimulado o seu imperialismo sobre as terras e cidades ao seu redor, a intensificação da exportação das minas de cobre e prata. Os tartessos converteram-se nos principais provedores de bronze e prata do Mediterrâneo. A sua forma de governo era a monarquia, e possuiam leis escritas em tábuas de bronze. No século VI a.C., o reino dos tartessos desaparece abruptamente da História, seguramente varrido por Cartago.

Fonte: http://saber.sapo.pt/wiki/Povos_ib%C3%A9ricos_pr%C3%A9-romanos

Tradução de: Joaquina Pires-O’Brien

Como citar este artigo:
Gijon, F. (2014). Quem eram os iberos? PortVitoria, UK, v. 9, Jul-Dec, 2014. ISSN 2044-8236, http://www.portvitoria.com/archive.html