A filosofia do pós-modernismo

A filosofia do pós-modernismo

Brian Duignam

O pós-modernismo,  ou pósmodernismo, na filosofia ocidental, é um movimento do final do século XX, caracterizado por amplo ceticismo, subjetivismo ou relativismo; uma suspeita geral da razão; e uma sensibilidade aguda ao papel da ideologia na afirmação e manutenção do poder político e econômico.

Pós-modernismo e filosofia moderna

O pós-modernismo é em grande parte uma reação contra as suposições e os valores intelectuais do período moderno na história da filosofia ocidental (aproximadamente, do século XVII ao século XIX). De fato, muitas das doutrinas caracteristicamente associadas ao pós-modernismo podem ser descritas de maneira justa como a negação direta de pontos de vista filosóficos gerais que foram tomados como garantidos durante o Iluminismo do século 18, embora não fossem exclusivos desse período. Os mais importantes desses pontos de vista são os seguintes.

  1. Existe uma realidade natural objetiva, uma realidade cuja existência e propriedades são logicamente independentes dos seres humanos – de suas mentes, sociedades, práticas sociais ou técnicas de investigação. Os pós-modernistas descartam essa ideia como uma espécie de realismo ingênuo. A realidade que existe, segundo os pós-modernistas, é uma construção conceitual, um artefato da prática e da linguagem científicas. Este ponto também se aplica à investigação de eventos passados por historiadores e à descrição de instituições, estruturas ou práticas sociais por cientistas sociais.
  2. As declarações descritivas e explicativas de cientistas e historiadores podem, em princípio, ser objetivamente verdadeiras ou falsas. A negação pós-moderna desse ponto de vista – que decorre da rejeição de uma realidade natural objetiva – é às vezes expressa ao dizer que não existe a verdade.
  3. Através do uso da razão e da lógica, e com as ferramentas mais especializadas fornecidas pela ciência e tecnologia, é provável que os seres humanos mudem a si mesmos e a suas sociedades para melhor. É razoável esperar que as sociedades futuras sejam mais humanas, mais justas, mais esclarecidas e mais prósperas do que são agora. Os pós-modernistas negam essa fé iluminista na ciência e na tecnologia como instrumentos do progresso humano. De fato, muitos pós-modernistas sustentam que a busca equivocada (ou não) do conhecimento científico e tecnológico levou ao desenvolvimento de tecnologias para matar em grande escala na Segunda Guerra Mundial. Alguns chegam ao ponto de dizer que ciência e tecnologia – e até a razão e a lógica – são inerentemente destrutivas e opressivas, porque foram usadas por pessoas más, especialmente durante o século 20, para destruir e oprimir outras.
  4. Razão e lógica são universalmente válidas – ou seja, suas leis são as mesmas para, ou se aplicam igualmente a qualquer pensador e qualquer domínio do conhecimento. Para os pós-modernistas, razão e lógica também são meramente construções conceituais e, portanto, são válidas apenas dentro das tradições intelectuais estabelecidas em que são usadas.
  5. Existe uma natureza humana; consiste em faculdades, aptidões ou disposições que, em certo sentido, estão presentes nos seres humanos ao nascer, em vez de serem aprendidas ou instiladas por forças sociais. Os pós-modernistas insistem que todos ou quase todos os aspectos da psicologia humana são completamente determinados socialmente.
  6. A linguagem se refere e representa uma realidade fora de si. Segundo os pós-modernistas, a linguagem não é um “espelho da natureza”, como o filósofo pragmatista americano Richard Rorty caracterizou a visão iluminista. Inspirados no trabalho do linguista suíço Ferdinand de Saussure, os pós-modernistas afirmam que a linguagem é semanticamente autônoma ou autorreferencial: o significado de uma palavra não é uma coisa estática no mundo ou mesmo uma ideia na mente, mas sim uma gama de contrastes e diferenças com o significado de outras palavras. Como os significados são, nesse sentido, funções de outros significados – que são funções de outros significados, etc. – eles nunca estão totalmente “presentes” ao falante ou ouvinte, mas são infinitamente “adiados”. A autorreferência caracteriza não apenas as línguas naturais mas também os “discursos” mais especializados de comunidades ou tradições particulares; esses discursos estão embutidos nas práticas sociais e refletem os esquemas conceituais e os valores morais e intelectuais da comunidade ou tradição em que são usados. A visão pós-moderna da linguagem e do discurso se deve em grande parte ao filósofo e teórico literário francês Jacques Derrida (1930–2004), o criador e principal praticante da desconstrução.
  7. Os seres humanos podem adquirir conhecimento sobre a realidade natural, e esse conhecimento pode ser justificado, em última análise, com base em evidências ou princípios que são, ou podem ser, conhecidos imediatamente, intuitivamente ou de outra maneira com certeza. Os pós-modernistas rejeitam o ‘fundacionalismo’ filosófico – a tentativa, talvez melhor exemplificada pelo dictum cogito, ergo sum do filósofo francês do século XVII (“eu penso, logo existo”), de identificar um fundamento de certeza sobre o qual construir o edifício do conhecimento empírico (incluindo o científico).
  8. É possível, pelo menos em princípio, construir teorias gerais que expliquem muitos aspectos do mundo natural ou social dentro de um determinado domínio do conhecimento – por exemplo, uma teoria geral da história humana, como o materialismo dialético. Além disso, deve ser um objetivo da pesquisa científica e histórica construir tais teorias, mesmo que nunca sejam perfeitamente atingíveis na prática. Os pós-modernistas descartam essa noção como um sonho superficial e, na verdade, como sintomático de uma tendência doentia nos discursos do Iluminismo de adotar sistemas de pensamento “totalizadores” (como o filósofo francês Emmanuel Lévinas os chamava) ou grandes “metanarrativas” de aspectos biológicos humanos, históricos e do desenvolvimento social (como alegou o filósofo francês Jean-François Lyotard). Essas teorias são perniciosas não apenas por serem falsas, mas porque efetivamente impõem conformidade a outras perspectivas ou discursos, oprimindo, marginalizando ou silenciando-as. O próprio Derrida equiparou a tendência teórica à totalidade ao totalitarismo.

Pós-modernismo e relativismo

Conforme indicado na seção anterior, muitas das doutrinas características do pós-modernismo constituem ou implicam alguma forma de relativismo metafísico, epistemológico ou ético. (Note-se, no entanto, que alguns pós-modernistas rejeitam veementemente o rótulo relativista.) Os pós-modernistas negam que há aspectos da realidade que são objetivos; que há afirmações sobre a realidade objetivamente verdadeiras ou falsas; que é possível ter conhecimento de tais afirmações (conhecimento objetivo); que é possível que os seres humanos saibam algumas coisas com certeza; e que existem valores morais objetivos ou absolutos. Realidade, conhecimento e valor são construídos por discursos; portanto, eles podem variar com eles. Isso significa que o discurso da ciência moderna, quando considerado à parte dos padrões evidenciais internos a ela, não tem maior importância na verdade do que perspectivas alternativas, incluindo (por exemplo) astrologia e bruxaria. Às vezes, os pós-modernistas caracterizam os padrões evidenciais da ciência, incluindo o uso da razão e da lógica, como “racionalidade da iluminação”.

O amplo relativismo aparentemente tão característico do pós-modernismo convida a uma certa linha de pensamento a respeito da natureza e função dos discursos de diferentes tipos. Se os pós-modernistas estão corretos quanto à realidade, conhecimento e valor serem relativos ao discurso, então os discursos estabelecidos do Iluminismo não são mais necessários ou justificados que os discursos alternativos. Mas isso levanta a questão de como eles vieram a ser estabelecidos em primeiro lugar. Se nunca é possível avaliar um discurso de acordo com o que leva à Verdade objetiva, como os discursos estabelecidos se tornaram parte da visão de mundo predominante da era moderna? Por que esses discursos foram adotados ou desenvolvidos, enquanto outros não?

Parte da resposta pós-moderna é que os discursos predominantes em qualquer sociedade refletem os interesses e valores, em termos gerais, de grupos dominantes ou de elite. Os pós-modernistas discordam sobre a natureza dessa conexão; enquanto alguns aparentemente apoiam o ditado do filósofo e economista alemão Karl Marx de que “as ideias dominantes de cada época sempre foram as ideias de sua classe dominante”, outras são mais cautelosas. Inspirados pela pesquisa histórica do filósofo francês Michel Foucault, alguns pós-modernistas defendem a visão comparativamente matizada de que o que conta como conhecimento em uma dada era é sempre influenciado, de maneiras complexas e sutis, por considerações de poder. Há outros, no entanto, dispostos a ir além de Marx. O filósofo e teórico literário francês Luce Irigaray, por exemplo, argumentou que a ciência da mecânica dos sólidos é mais desenvolvida do que a ciência da mecânica dos fluidos porque a instituição de física dominada por homens associa solidez e fluidez aos órgãos sexuais masculino e feminino, respectivamente .

Como os discursos estabelecidos do Iluminismo são mais ou menos arbitrários e injustificados, eles podem ser mudados; e porque refletem mais ou menos os interesses e valores dos poderosos, devem ser mudados. Assim, os pós-modernistas consideram sua posição teórica como exclusivamente inclusiva e democrática, porque lhes permite reconhecer a hegemonia injusta dos discursos do Iluminismo sobre as perspectivas igualmente válidas dos grupos não elites. Nas décadas de 1980 e 1990, os defensores acadêmicos em nome de vários grupos étnicos, culturais, raciais e religiosos adotaram críticas pós-modernas da sociedade ocidental contemporânea, e o pós-modernismo se tornou a filosofia não oficial do novo movimento da “política de identidade”.

                                                                                                                                   

Brian Duignan é editor sênior em filosofia na Encyclopaedia Britannica. Tradução: J Pires-O’Brien (UK). Revisão: D. Finamore (Br). Ensaio publicado na Encyclopaedia Britannica on line, e sua última atualização é de 20 de Sep de 2019. Fonte: https://www.britannica.com/topic/postmodernism-philosophy