Norman Berdichevsky

Portugal as the “Little Brother”
What accounts for the individuality of Portugal and its success at maintaining an independent state? Many historians and geographers have sought explanations in the rugged terrain and scarce population density along the frontier but that begs the question. Were these the causes of this success? Portugal’s more westerly maritime exposure to the Atlantic and the prevalence of Celtic and Germanic influences from the period following the fall of the Roman Empire are often cited as conducive to the country’s long policy of friendship and protection in alliances with Great Britain as a counterweight to Madrid’s expansionist policies.

Birot and Martins
Two scholars who have dealt with this question at length find both cultural and geographic factors at work. Pierre Birot put it this way: “Thus, the typical characteristics that so gracefully distinguish the Portuguese soul from its peninsular neighbors, were able to ripen in the shelter of frontiers which are the oldest in Europe On one side, a proud and exalted people, the Spaniards, ready for all kinds of sacrifice and fort all the violent acts that inspire them to be concerned with their dignity; on the other hand, amore melancholy and indecisive people (the Portuguese), more sensitive to the charm of women and children, possessing a real humanity in which one can recognize one of the most precious treasures of the patrimony of our old Europe.”1

Perhaps Birot was listening to a stirring performance of Flamenco music followed by a sad Fado while writing this! Oliveira Martins, long considered the ‘Dean of Portuguese historians’ wrote in a similar vein…”There is in the Portuguese genius something of the vague and fugitive that contrasts with the Castilian categorical affirmative; there is in the Lusitanian heroism, a nobility that differs from the fury of our neighbors; there is in our writing and out thought a profound or sentimental ironic or meek note….Always tragic and ardent, Spanish history differs from the Portuguese which is more authentically epic and the differences of history are translated into differences in character.”2

There is a shared common heritage embracing all the peoples of the Iberian peninsula, but it was the Portuguese who first achieved independence and national unity and then established a far flung colonial empire only to lose out later, in large part to Spain, resulting in a prolonged feeling towards its neighbor as an upstart and arrogant Big Brother. It was the great successes of Portugal’s explorers, seamen, and mapmakers that made such heroic achievements in the Age of Discovery possible and cemented the essential feelings of national distinctiveness that made separation from Spain a matter of national pride. Portuguese is hardly more different from Spanish than the regional languages of Andalucía, Leon, Murcia, Asturias, and even Galicia (region to the North of Portugal where the vernacular known as Gallego more closely resembles Portuguese) yet these regions remained firmly within the national orbit of the central government’s control from Madrid. For almost six centuries, the regimes in power in Portugal and Spain have nervously eyed each other with a combination of suspicion, envy and a kind of sibling rivalry.

Some Portuguese love to reassert their great imperial past which outlasted Spain’s even though the final remnants eventually disappeared after World War II (Mozambique, Angola, and the Cape Verde islands in Africa; Goa in India; Macao in China; and East Timor in the Pacific) and with the final disappearance of the 40 year old authoritarian regime of Antonio Salazar. They take pride that Portuguese, like Spanish is a world language spoken on four continents with more than 220,000,000 native speakers (compared to 400,000,000 for Spanish) that long ago surpassed French.

The dispute over “who discovered America”
Any visitor to Lisbon will undoubtedly visit the great monuments to the early Portuguese explorers, seaman, and cartographers, but may not have read the monument on the Avenida da Liberdade stating that João Vaz Corte is the real “Discoverer of America.” Portuguese resentment of Spanish claims to Columbus’ greatness has even encouraged considerable speculation by serious Portuguese scholars that Columbus was a Portuguese spy3 who purposely misled the Spanish throne before his journey, well-aware that the route westward would not lead to a “short-cut” to the Indies but would rather drain Spanish resources.

Portugal had already established itself as the sole European commercial maritime power in the Orient and could only benefit from this tactic. None of Columbus’ written work and notes are in Italian (strange if he were born in Genoa), and his Castilian Spanish is full of the type of mistakes a Portuguese speaker would make; also his wife was a Portuguese noblewoman.
Whenever either side feels aggrieved, they both refer to the diplomatic maneuvering which allowed the Portuguese to alter the original line of division granting them possessions in the “New World” from 100 leagues west of the Cape Verde islands (1493) to 270 leagues (1494 Treaty of Tordesillas negotiated with the Pope), thereby enabling them to take control of Brazil while ceding the Canary Islands to Spain. Spain maintains that this was due to deception, while Portugal claims it was due to its more advanced cartographic skills (largely because of Jewish astronomers and cartographers4). This famous division of “undiscovered lands” beyond Christian Europe between the two Iberian nations gave them an unprecedented prestigious status and contributed to the sense of rivalry between them.

According to Barreto, Columbus was a Portuguese nobleman of partly Jewish origin whose real name was Salvador Fernandes Zarco and whose mission was to convince the Spanish “Catholic monarchs” to sign the Treaty of Tordesillas, thereby leading the Spaniards on a wild goose chase.

Columbus – both Portuguese and Jewish ! ?
There is an extensive literature, much of it quite controversial, on the origin of Columbus, but the theory advanced by Mascarenhas Barreto makes the most sense from the standpoint of the Spanish-Portuguese rivalry. The Portuguese kings of the early fourteenth century had the strongest relations with the Jewish community, who enjoyed the most far-reaching royal privileges in Europe. Columbus established friendly relations with the nobility, wealthy men, and high church and court officials immediately upon taking up permanent residence in Spain, which was unthinkable for an immigrant Genoese sailor. Strong Portuguese-Jewish links are hinted at by Columbus setting sail with conversos such as the interpreter Luis de Torres (with a knowledge of both Hebrew and Arabic) and the doctors on the Santa Maria, and several Portuguese seamen, including the pilot of the Niña, Sancho Roiz da Gama, who was related to the Portuguese Admiral Vasco da Gama.
Even more telling is the fact that upon returning from his first voyage to America, Columbus docked at Lisbon rather than Palos or any other Spanish port. It also explains why Columbus, in spite of his belief that he had reached the “Indies” and was very near Japan, did not make a serious effort to sail further westward until after the Portuguese had reached India (1497) and Brazil (1500).

Columbus’ knowledge of astronomy and cartography were obtained from the tables (in Hebrew) developed by Portuguese Jewish astronomers and cartographers and his famous mystical signature can best be understood in terms of the Kabbalah. Much of his nautical knowledge and familiarity with the sea-lanes to Madeira, the Azores, and Cape Verde were obtained from converted Jews.

Of the many contradictory theories regarding the foreign Columbus, the most difficult and antagonistic for Spaniards to swallow is that he was both Portuguese and of Jewish origin! It may seem strange that “Columbus” (Zarco) could remain so loyal to the Portuguese given their equally disgraceful behavior toward the Jews. The explanation lies partly in Zarco’s family connections to the Portuguese royal house, including the fear of his great-uncle “Prince Henry the Navigator,” that his sons would be deprived of their inheritance in Spain, and his mystical devotion to the “end of days” vision of a new “Promised Land” where the Jews might find refuge and “salvation.”

Barreto’s book is controversial. It makes a very strong case for the Jewish and Portuguese identity of Columbus.5 However, even if it is never substantiated by any “final proof,” it helps to understand the intense rivalry between Spain and Portugal as a result of his discoveries, the willingness of the Portuguese to offer a refuge and then a moratorium from the Inquisition and the revision of the Treaty of Tordesillas in Portugal’s favor, extending and guaranteeing Portuguese control over Brazil in exchange for Portuguese recognition of the Canary Islands as Spanish territory.

The political and economic background of the expulsion
The background to the expulsion and the end of the Spanish Jewish community owes much to the determined policy of Ferdinand and Isabella to achieve Spanish unification and eventually absorb Portugal, dynastic rivalries, and the perceived threat of an established, wealthy, and competitive Jewish middle class that presented an obstacle to the power of the throne. A number of Spanish historians admit that from an objective point of view, the expulsion of the Jews was an erroneous decision that wounded Spain economically.

The absolutist plans of the new monarchy in a unified Spain linking Castile, Aragon, and Navarra envisioned a new hierarchy of patronage dispensed by court and church, with the nobility subject to absolute rule. The Jewish assets seized as a result of the expulsion in 1492 – including homes, lands, goods, and money – placed a major new instrument in the hands of the state to carry out its policies. The monarchs had previously been restricted by a powerful noble class that enjoyed traditional rights and privileges (fueros). The Jews had often been useful pawns serving either the monarch or the nobility in administration, tax collection, commerce, translations, medical treatment, and other services. Their removal and the use of the Church as an ally of the throne to weed out “heretics” and “Judaizers” tipped the balance on the side of the monarchy. The nobility dared not oppose the expulsion for fear of being labeled as allies of the Jews, a tactic encouraged by the Church to appeal to the masses and weaken the power of both monarchy and nobility.

Spanish historians such as Américo Castro and Juan Eslava Galan have concluded that in the long run, the expulsion had disastrous consequences.6 Had the Jewish financiers, merchants, artisans, and bureaucrats remained in Spain during the following centuries, the gold and silver arriving from America would have been wisely invested – creating new wealth – and directed towards industry. Instead, the new wealth was disastrously wasted on extravagance, attempts to maintain Spain as the ruling power in the Holy Roman Empire and dominate the Netherlands and parts of Italy, as well as launch the “Invincible Armada” to invade and regain England for the Catholic Church.

When Portugal’s King Manuel I offered the Jews refuge in Portugal, it aroused enormous resentment in Spain. The “Catholic monarchs” feared that Portugal would make use of a valuable asset provided by Spain herself. The division of Spanish society between “old Christians” and “new Christians” (the conversos – converted Jews) had already been exploited in two civil wars in which dynastic rivals accused both sides of Jewish support. The transfer of this divisive element to Spain’s traditional enemy, Portugal, was unthinkable. The Jewish presence in the Iberian peninsula was the largest in Europe. More than one-third of the entire European Jewish population of the late fifteenth century lived in Spain and Portugal. Estimates place the 1492 Jewish population at 160,000 in Castile, 75,000 in Aragon, and 15,000 in Navarre. In Portugal, approximately 80,000 Jews comprised at least 5 to 8 percent of the population, and there were much more if conversos are included.7
The intended marriage of Isabel, the daughter of Ferdinand and Isabella, to King Manuel I of Portugal was meant to safeguard Spain from the possibility of a hostile neighbor, and it was forced upon Portugal at the price of compelling her rulers to copy the expulsion order, a policy to which Portugal reluctantly agreed. By this time, however, the Portuguese had reached India (1497) and opened the route to the Far East. Three years later (1500), they discovered Brazil. Many Jews posing as conversos took advantage of the opportunity to leave Portugal and help establish colonies in the new territories, notably in Goa, the Cape Verde islands, and Brazil.

The new Portuguese king, Manuel, who came to the throne in 1494, was an opportunist like his father, King John II, and like the Pharaoh was reluctant to let the Jews leave the country. Portugal, with its scarce population of just one million, even prevented many Jews, especially children, from leaving, and instead used them as forced colonists in the Cape Verde Islands. Spanish suspicions lingered that this converso population was still being used to further Portuguese separatism and even extend Portuguese power in spite of the dynastic alliance and marriage that the Spanish Catholic monarchs had hoped would cement Portugal into becoming its permanent vassal state. Portugal had to take heed of the now more powerful, united, much larger Spain that had just conquered Granada.
Portuguese records show that the approximately 120,000 Jews legally crossing the frontier in 1492 before the expiration of the official eight months deadline had to pay a fee of eight cruzeiros each. King Manuel I changed the planned edict of expulsion to one of forced conversion in May 1497, and granted legal residence to 630 of the wealthiest and most talented Spanish-Jewish families. The exploitation of this wealthy elite was clearly an opportunistic move by the Portuguese king to take maximum advantage of the expulsion.
He also proclaimed a twenty-year moratorium on the activities of the Inquisition, thus facilitating the integration of conversos into Portuguese society. This confirmed the suspicion of many Spaniards that the Portuguese were taking unfair advantage and utilizing this valuable human resource for its own good. For the Portuguese conversos, it mean a respite of twenty years when their loyalty was not questioned. Unfortunately, this did not prevent further hostility and mob attacks against the “New Christians,” most notably in Lisbon in 1506 following an epidemic. The mobs were convinced that the former Jews still had great wealth and influence and were being sheltered by the crown. The Portuguese king was angry and ordered the public execution of forty-five culprits who had incited the mob, which indeed lends suspicion that close ties had existed between the Portuguese crown and the Jewish community, and lends credence to the motivations of Columbus-Zarco acting as a double agent.

The Spanish captivity
Intense pressure forced the Portuguese to follow the Spanish example of expelling the Jews in 1497, a step that the Portuguese king reluctantly took depriving his country of some of its best merchants, diplomats, mathematicians, and mapmakers. Feelings of resentment were aggravated by the Spanish attempts to absorb Portugal that temporarily succeeded between 1580-1640, a period known as “the Spanish Captivity.” It was a political mistake that only encouraged a strong and proud reaction that cemented the identity of the independent Portuguese nation as a separate state and culture. Imagine what problems Spain would have today if – on top of contentious separatist sentiment in the Basque country, Catalonia (including a movement to secede and declare independence), and Galicia – Portugal were added to the list!

There is also great resentment that Portugal was drained of resources and forced to provide the “Invincible Armada” with a substantial part of the ships, its nautical expertise, and thousands of trained seamen. Many of the ships and men ended up at the bottom of the sea as a result of the vain and foolhardy attempt in 1588 to invade England and restore it to Catholicism. The Portuguese often reflect sadly that the loss of their empire was the result of attempts to seize control of much of Morocco and North Africa from its base in Ceuta and that it faced a numerically superior enemy armed with equivalent weaponry, while the Spaniards obtained their great empire in Mexico, Peru, and the rest of South and Central America by fighting people who possessed a stone-age technology.

World War I and Spain’s sudden ironic pro-Zionist policy
Relations between the two countries have been marked by mutual suspicion, fear, scheming and a border dispute over the town of Olivença and its surroundings (subject of a future article) ever since Portugal reestablished its independence in 1640. For almost three centuries, the two countries coexisted in an uneasy atmosphere especially since Great Britain became Portugal’s strongest ally and Spain schemed to recover its loss of Gibraltar. The successful Portuguese revolution in October 1910 deposed the corrupt monarchy and established a republic, setting an example that remained a nightmare for the Spanish monarchy. The Portuguese broke with the past overnight, introducing a new flag and a national anthem, separating church and state, and adopting a new constitution as well as ending the monarchy – all anathema to the ruling circles in Spain that looked upon the chaos and unstable republican government in Portugal with contempt.

These fears made Spanish King Alfonso XIII play with the idea of intervening to overthrow the Portuguese republic. He considered Spanish aid to the Allies in World War I and even eventual entry into the war in return for British recognition of a Spanish “re-integration” (conquest) of Portugal into one realm again. This scheme encouraged Portugal to outbid Spain and enter the war. Spain remained neutral and devoted itself to playing the role of a neutral and a meeting ground for peace advocates. The Spanish king even succeeded in using his personal prestige to back several humanitarian projects in order to counteract Portugal’s attempts to enter the war on the Allied side.

Foremost among these humanitarian projects was Spanish pressure on Germany to call upon its ally, Turkey, to rescind the order of expulsion against the Jews of Jaffa in Palestine. What could be more ironic?! Germany was determined to keep Spain neutral, fearing that it might follow Portugal in joining with the Allies and entering the war. These measures only increased Portuguese suspicions that Spain was capitalizing on its neutrality to gain increased recognition and prestige on the international stage. Although these diplomatic ploys have not received major attention by most historians (except in Portugal and Spain; see for example the two works in Portuguese by the Spanish historian Hipólito de la Tórre Gómez8, the end result was the rescue of the largest Zionist settlement and new economic center of the “Yishuv” in Palestine, Tel Aviv. Had the Turkish expulsion order remained in force, it most likely would have made it much more difficult to obtain approval of the Balfour declaration.

Fear of losing their independence and their African colonies in the event of a German victory drove the Portuguese to enter the war on the Allied side in 1916. The British could simply promise the Portuguese that they could keep what they already had of their colonial empire in Africa, whereas they were hardly ready to bargain away their important naval base in Gibraltar in order to buy Spain’s promise to join the Allied side.

The popular reaction to Portugal’s disastrous losses in the trenches of France provoked a renewed debate over the country’s individuality. For many, it was the outrageous and exaggerated sense of the “Spanish danger” that had impelled the leaders of the various factions that made up the Republican movement to actually “force Britain to accept Portugal as an ally.” The Portuguese leaders were aware of schemes and secret treaties prior to 1914 that had been made by Germany and Britain to eventually dispose of Portugal’s great African empire in the event of serious disorders affecting mainland Portugal or its African colonies. A British “Anti-Slavery Society” was also extremely critical of Portuguese colonial policies and an important public pressure group.

Portugal’s lament at the Versailles Peace Conference and fear of the “perigo Espanhol”
Portugal had to face the ultimate humiliation that despite its decision to actively participate in the war and suffer grievous casualties on the Western Front in the trenches, neutral Spain won a seat on the Council of the League of Nations at the suggestion of President Wilson and the approval of Great Britain. The Spaniards had indeed played their cards well as a benevolent neutral, and Alfonso XIII had become a respected figure on the world stage. The Portuguese could only lodge an official protest that the “traditional, reactionary, Germanophile Spain” had “usurped” its rightful position at the League of Nations and that Portuguese blood had been shed in vain for the Allied cause.

The considerable political unrest in Portugal was exploited by conservative circles close to the Spanish throne that urged intervention on the side of a monarchist counter-revolution in the North of Portugal. The Spanish newspaper, El Sol, openly called for intervention by the League of Nations “to restore law and order in Portugal” following the assassination of Sidonio Pais, the Portuguese Prime Minister and the Portuguese press railed against the ‘Spanish Danger’ (O Perigo Espanhol). Pais was a conservative who had been Portugal’s Ambassador to Germany (1912-1916), had opposed Portuguese participation in the war and attempted to combat the radical and anti-clerical tendencies of the new republic; he was regarded highly in Spain. His murder in December 1918 provoked a brief civil war but a pro-monarchist insurrection in Lisbon was quickly defeated and anti-Spanish sentiments prevailed in Portugal for much of the remainder of the 1920s.

The Spanish-Portuguese antagonism continued as late as the Spanish Civil War (1936-39), in spite of Portugal’s aid to Franco and the ostensibly “friendly alliance” between the Fascist dictator and Portugal’s authoritarian leader, Antonio de Oliveira Salazar. Part of the Portuguese high command under the leadership of Colonel Rodrigo Pereira Botelho plotted to seize Olivença, the disputed border town, and restore it to Portuguese sovereignty. However, the Fascist uprising quickly took control of the town and its leaders were careful to expel any local sympathizer who might have joined in a Portuguese attempt to assault the town.

Spain’s military found it difficult to abandon the image of Portugal as an “eternal ally” of Great Britain and a possible invasion route by the British navy to attack Spain (as had occurred during the Napoleonic period of the Peninsular War). It comes as quite a surprise to those only familiar with English language sources that Portugal’s leader Salazar, in spite of the “Iberian Pact of Non-Aggression” signed with General Franco (1940) and Portugal’s open sympathy and aid to Spain during the Spanish Civil War, was still concerned with possible treachery by Franco and an Axis invasion of Portugal in connection with a possible attack on Gibraltar.10

The rivalry continues and benefits Jewish refugees!
An important consideration of the different behavior of the two countries in World War II was the strategic importance of Portugal’s Atlantic island possessions in the Azores. These “stepping-stones” on the way to North America were envisioned by the German high command as critical for the threat to strike the United States. New York City lies only 2,500 miles from the Azores. German control of the islands would have aided their U-boats and posed a real threat to the United States’ eastern coast.

In 1940 (the 300th anniversary of Portugal’s regaining its independence), a leading Spanish magazine wrote (threatened?) that: “it was God’s will that the two countries be reunited again.” This anecdotal incident reflected much of Spanish anxiety over Portuguese “neutrality” and possible cooperation with the British. Franco maintained a strict neutrality, and even permitted thousands of Spanish volunteers to serve with the German Army in a special “Blue Division” to fight against communist Russia (5,000 were killed and missing in combat on the Eastern Front).

The Portuguese, however, knew where their most vital interests lay and by June 1943 the British formally invoked their ancient alliance with Portugal, requesting the use of airfields on the islands. Portugal agreed. Following the war, Portugal was an honored ally – a founding member of NATO in 1949 – whereas Spain under Franco remained a pariah state for another decade and was not even admitted to the United Nations until 1955.

It is unlikely that Portugal would have been so well regarded by the Allies had it not been for an amazing turn of events that worked to the advantage of Portuguese dictator Antonio Salazar. Along with the noble Swedish ambassador to Hungary, Raoul Wallenberg, another diplomat of much lesser rank, the Portuguese Consul in Bordeaux at the time of the German conquest of France in June 1940, Aristides de Sousa Mendes,10 deserves to be regarded as a truly “Righteous Gentile.” An austere career diplomat, he was struck by the awful human tragedy engulfing so many refugees, among whom were many Jews trapped in France, and he took it wholly upon himself to use his office to help all of them in contradiction to strict orders.

Sousa Mendes provided families with Portuguese documents to legally enter Portugal and transit Spain from France. He did this knowing that he would be severely punished, and doubted that his documents would be honored by Spanish officials. Portugal was obligated by the ancient Treaty of Windsor with Great Britain to provide assistance in wartime, but as in World War I, it was not applicable since neither country had been directly attacked by an aggressor. Moreover, Salazar had signed the much more demanding “Pacto Ibérico” treaty of friendship and non-aggression with Spain’s Generalissimo Franco in March 1939.

The clever Portuguese dictator knew that he was most vulnerable to a German-supported Spanish attack if he were suspected of treachery or if Spain decided to realize its age-old ambition to annex Portugal. He therefore played for time and demonstrated pro-Axis sympathies by shipping supplies of much needed foodstuffs to Spain. He expressly forbade his diplomats to grant transit visas to “Jews expelled from countries of their nationality” and “stateless persons,” as well as all “those who cannot safely return to the countries from whence they came.” He reinforced this with another directive on 17 May 1940, that “Under NO circumstances” was any visa to be issued unless previously authorized from Lisbon on a case-by-case basis. This was a reserve safety clause for the dictator, who knew that he might find it advantageous to let a few prominent individuals escape to America to win goodwill there. However, he never expected a third-rate minor diplomat to open the floodgates, or that the Spanish authorities would accept this wave of refugee traffic.

Sousa Mendes personally intervened at the border when Spanish guards questioned the authenticity of the visas at the border towns of Bayonne, Hendaye, and Irun. Approximately 30,000 refugees, among them 10,000 Jews, directly owed their lives to the Portuguese consul who was recalled and declared insane, the official explanation later reported in the Spanish and Portuguese press. The Portuguese ambassador to Spain, had to intervene and relieve Sousa Mendes of his post.
Salazar demanded an enquiry and that “appropriate punishment” be meted out, but before a decision could be taken, Life magazine featured a headline story on 29 July 1940 calling Salazar “The greatest Portuguese since Henry the Navigator!”9 The naïve Life reporters could not accept the story that a minor Portuguese consular official had acted on his own conscience. They were unaware of the press reports of insanity or the charges to be filed against him so they concluded that this magnificent act of humanity must have been the work of Portugal’s leader, Salazar.

The simple reality of the situation demanded a cover-up from both the Portuguese and Spanish officials, who could not admit to such incompetence and risk losing the good will earned by Portugal. Sousa Mendes was removed from office and declared guilty of “professional incapacity,” but the entire matter was handled with the utmost tact so as not to ruin the good press the country had received in the United States. It was also a kind of insurance for Salazar that Spain could not threaten Portugal in the future and use its “German” card, since Portugal could then retaliate with both American and British support. So, although he never forgave Sousa Mendes, he did not close the Portuguese border for the remainder of the war and Lisbon became the chief embarkation point to the new world for refugees who managed to flee Nazi-occupied Europe.

Franco responds in kind
Franco was an arch-conservative who wished to restore the monarchy but did not personally whip up anti-Semitism or employ anti-Semitic themes in his campaign to seize power and topple the republic. Embarrassed by the favorable American press received by Salazar in June 1940, Franco made it Spanish policy to accept all refugees who legally entered Spain and even gave special attention to Jews of Spanish-Portuguese descent (the “Sephardim”).11 He also realized that it could conceivably be in Spain’s interest to maintain a decent and humanitarian respect for the refugees and he was determined not to play “second fiddle” to Salazar. Although neither had intended to aid Jewish refugees, the inherent sense of rivalry between the two countries inadvertently came into play as a result of a sensationalist story in the American press of humanitarian interest.

Franco and Salazar walk a tightrope
In spite of declarations of congratulations and thousands of tons of wheat and corn sent to Franco as a congratulatory gift by Salazar at the conclusion of the Civil War and the nationalist victory, both dictators nervously viewed each other in a game of cat and mouse or four way chess between Britain, Germany, Spain and Portugal. The two dictators had signed the Iberian Pact of Friendship on May 17, 1939 pledging respect for their common border and promising that neither would aid a country that attacked the other. Both were dismayed at the Non-Aggression Pact that launched World War II and the “firm alliance between Hitler and Stalin, a move that caused extreme confusion, doubt and hedging all bets. Portugal and England had a treaty from 1386 (Treaty of Windsor, the oldest diplomatic alliance still in force) pledging assistance if either were attacked. Salazar knew of Franco’s desire to recover Gibraltar and the possibility that he might be drawn into the war on Germany’s side. In World War I, the Portuguese had joined the allies on the strength of the British pledge to protect the Portuguese Empire and that meant that Portugal had a vested interest in maintaining British sea power.

Although Franco was cautious, his brother-in-law Foreign Minister Ramón Serrano Suñer, was a powerful pro-German figure scheming for Spanish involvement in the war on German’s side and on several occasions had made remarks to his German counterparts that an invasion of Portugal would be necessary once Spain took the plunge to recover Gibraltar by force. Plans were drawn up by the Spanish army commanders for a full scale invasion and even several popular Spanish magazines indicated that 1940 was an historical year that marked the “unfortunate” separation of Portugal from its motherland of Spain in 1640 (when Portugal reasserted its independence).

Franco was more cautious and stalled for time presenting impossible demands to Hitler in order to enter the war. In the meantime, the British reassured Salazar that again they would protect the Portuguese Empire abroad, defend Portugal in case of invasion by Spain and urged Salazar to reinforce military preparedness especially in the Azores, a vital naval base in the Atlantic. Under German control, an airbase in the Azores would allow German bombers to reach New York City! It would also mean a tremendous increase in the supply capacity of German U-boats in the North Atlantic! In April 1941 before Pearl Harbor, President Roosevelt declared that he considered the Azores in the Western hemisphere, therefore falling under the provision of the Monroe Doctrine! In May, Senator Claude Pepper of Florida urged the President to seize the Azores by force.
By June, 1943, Salazar could see the eventuality of an Allied victory and signed an agreement with the British invoking the Treaty of Windsor granting them use of the islands as an airbase in return for which Portugal received $30 million, the promise of modern fighter aircraft and anti-aircraft guns and the promise of British aid in the event of an Axis attack on the Portuguese mainland.12

The rivalry today
The rivalry has almost evaporated completely except for the passions of a major confrontation between the two countries’ football teams in the European Cup and some vestigial antagonisms that arise among some “die-hards,” especially on the Portuguese side. Celebrations of the restoration of Portugal’s independence (December 1st) are still occasionally marked by such anti-Spanish signs as “Better Poor than Spanish,” and letters of protest continue to be featured in some Portuguese dailies expressing resentment at Portuguese national television for bringing Spanish language news reports from Spanish TV without subtitles in Portuguese. To most observers, this only proves that some Portuguese still have an inferiority complex.

There is popular opposition in Portugal to the far-reaching economic and planning proposals for a trans-national Euro-region embracing the Portuguese province of Alentejo and the autonomous region Extremadura of Spain. The two regimes and peoples have never been so close or harmonious as today but like other age old rivalries between close neighbors who have been ‘submerged’ for centuries under coercion or duress (Ireland and Scotland vs. England, Denmark vs. Sweden, Slovakia vs. The Czech Republic), there is some lingering resentment and paranoia.

Notes
1. Pierre Birot, Le Portugal: Étude de Géographie Regionale (Paris: Colin, 1950).
2. J. P. Oliveira Martins, História da Civilização Ibérica (Mem Martins, Portugal: Publicações Europa-América, 1987).
3. Augusto Mascarenhas Barreto, The Portuguese Columbus; Secret Agent of King John II (New York: St. Martin’s Press, 1992).
4. Samuel Kurinsky, “Jews and Navigation,” Fact Report No. 9 (New York: Hebrew History Federation Ltd., 1997).
5. Augusto Mascarenhas Baretto, The Portuguese Columbus, pp. 262-322.
6. Juan Eslava Galán, La Historia de España contada para escépticos (Madrid: Planeta, 1995). See also Jose Luis Lacave, Guía de la España Judía (Cordoba: Ediciones El Almendro, 2000) and Mordecai Arbell, The Jewish Nation of the Caribbean; The Spanish-Portuguese Jewish Settlements in the Caribbean and the Guianas (Jerusalem: Gefen Books, 2002).
7. Compared to the Jews of Spain who comprised less than 3 percent of the total population in a much larger population of approximately eight million. Portugal’s total population was one million. Source: Pastora Barahona, Judíos, Moros y Cristianos; Tres Pueblos, Ritos y Costumbres. Editorial Libsa, Madrid. 2004
8. Hipólito de la Torre Gómez, Na Encruzilhada da Grande Guerra, Portugal-Espanha 1913-1919 (In the Crossfire of the Great War), (Lisboa: Editorial Estampa, 1980); Hipólito de la Torre Gómez, Do “Perigo Espanhol” a Amizade Peninsular; Portugal-Espanha 1919-1930 (From the “Spanish Danger” to Peninsular Friendship), (Lisboa: Editorial Estampa, 1985).
9. Dennis J. Fodor and editors of Time-Life Books, “Chapter 3 – Dictators on a High Wire,” The Neutrals (Alexandria, VA: Time-Life Books, 1982), pp. 76-119.
10. Maria Júlia Cirurgião and Michael D. Hull, “Aristide de Sousa Mendes,” in Lay Witness (October 1998), [publication of the Catholics United for the Faith].
11. Haim Avni, España, Franco y los Judíos (Madrid: Altalena, 1982) and Julio Varaz del Vayo “Franco as a Friend of the Jews,” Congress Weekly, vol. 16, no. 7, 1949.
12. Stanley G. Payne, Franco and Hitler, Spain, Germany and World War II . Yale University Press, New haven and London. 2008. See also Fodor, op. cit.
____________________________________________________________________
Dr Norman Berdichevsky is an author, freelance writer, editor, researcher, translator, lecturer and a university teacher, with large expertise in Iberian history. A native New Yorker who presently lives in Orlando, Florida, he obtained a Ph.D. in human geography from the University of Wisconsin-Madison in 1974.

Citação:
Berdichevsky, N. Six centuries of Iberian rivalry; Portugal in the shadow of Spain. PortVitoria, UK, v. 4, Jan-Jun, 2012. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/

Joel Mokyr

¿La Ilustración fue algo positivo? De primera impresión, la pregunta casi suena a sacrilegio: al fin y al cabo, la Ilustración del siglo XVIII nos enseñó a ser democráticos y a creer en los derechos humanos, la tolerancia, la libertad de expresión y otros muchos valores que aún se veneran en las sociedades modernas, si bien no siempre se ponen en práctica. Por otro lado, los historiadores cuestionan si en realidad la Ilustración condujo hacia la fraternidad y la igualdad – es evidente que no – e incluso si la libertad, su tercer objetivo, se consiguió sólo con carácter parcial y con retraso. Hay quien ha sugerido que sus ideas de “mejora” humana pueden haber tenido consecuencias negativas imprevistas, tales como el totalitarismo del siglo XX, el racismo y el colonialismo.

Sin embargo, este debate ha oscurecido el efecto más robusto e irreversible de la Ilustración: nos ha hecho ricos. A estas alturas es ya un estereotipo el señalar cuánto mejor es la vida de la gente del siglo XX que incluso la de los reyes de hace tres siglos. En miles de cosas grandes y pequeñas, la vida material de hoy en día es incomparablemente mejor que antes. ¿Somos más felices? ¿Quién sabe? ¿Somos más ilustrados? Es posible, pero ¿estamos más sanos y más cómodos? Por supuesto que si. Y sin querer sonar arrogante sobre el progreso de la historia, o demasiado triunfalista sobre la historia occidental como pináculo del desarrollo humano – enfoque que la mayoría de los historiadores consideran liberal en el sentido decimonónico-, me gustaría sugerir que la génesis de esta prosperidad ha sido el crecimiento de ciertas ideas durante el siglo posterior a la Revolución Gloriosa de Gran Bretaña de 1688.

En cierto modo, esta importante conexión ha pasado de largo en las obras de los historiadores que han escrito sobre la creación del mundo moderno, y sobre variaciones de dicho tema. La mayoría de los historiadores de la economía no se han centrado en factores intelectuales sino económicos, dando así protagonismo a los recursos, precios, inversiones, imperio o comercio como los causantes del periodo de crecimiento sostenido en el que nos encontramos. Aunque atribuir el cambio económico solamente a causas económicas, a expensas de la exclusión de las ideas, es parte integrante del materialismo histórico -una teoría que normalmente se asocia al Marxismo-, los economistas del libre mercado han hecho lo mismo con frecuencia, describiendo así los efectos de la ideología como ”sin pies ni cabeza ”. Uno de los pocos que expresó su desacuerdo fue John Maynard Keynes, quien observó, en un famoso comentario: “el poder de los intereses creados está notablemente exagerado, comparado con el de la gradual incorporación de las ideas”. No hay mejor ejemplo, en mi opinión, de las ideas de la Ilustración que han dado origen a la prosperidad de la que disfrutamos hoy en día.

Los escritores y pensadores cuyo trabajo denominamos “Ilustración” eran un grupo variopinto de filósofos, científicos, matemáticos, médicos y otros intelectuales. Sus opiniones diferían en muchos temas, pero la mayoría estaban de acuerdo en que la mejora de la condición humana era algo posible y deseable. Esto puede sonar manido, pero hay que tener en cuenta que en el 1700 era escasa la gente con motivos para creer que sus vidas fuesen a mejorar en algún momento; para la mayoría, la vida no era menos corta, embrutecida y dura de lo que lo había sido mil años antes; las encarnizadas guerras religiosas que Europa había sufrido durante décadas no habían mejorado las cosas, y aunque había habido algún avance – la difusión de los libros por ejemplo, y un goteo de bienes novedosos del extranjero, como el té y el azúcar – su impacto en la calidad general de vida siguió siendo marginal. Un británico medio nacido en el 1700 tenía una esperanza de vida de treinta y cinco años, se pasaba los días realizando un duro trabajo físico y las noches en un lugar frío, lleno de gente e infestado de pestes diversas.

En este contexto tan crudo, los filósofos de la Ilustración desarrollaron una creencia en la capacidad de lo que ellos denominaron “conocimiento útil” para avanzar el estado de la humanidad. El defensor más destacado de esta creencia había sido el filósofo inglés, un poco anterior, Francis Bacon, el cual había insistido en que el conocimiento del entorno físico era la clave del progreso material: “no podemos controlar la naturaleza salvo si la obedecemos”, escribió en 1620 en su Nuevo Organon. Los intereses de lo que hoy llamaríamos “investigación y desarrollo” empezaron a ampliarse desde la figura del investigador – o su deseo de poner de manifiesto la sabiduría del Creador – hasta la inclusión de la esperanza de que un día este conocimiento se pudiese dedicar a buen fin. En 1671, uno de los científicos más importantes de la época, Robert Boyle, escribió que “apenas hay ninguna verdad física considerable que no esté, en realidad, cargada de inventos beneficiosos y que no se pueda convertir, a manos de la destreza humana y de la industria, en la madre fértil de diversas cosas útiles.” La idea se extendió a otros países; así, el gran científico francés René Reaumur, matemático de formación, pasó gran parte de su carrera investigando materias prosaicas como el acero, el papel y los insectos con la esperanza de utilizar tal conocimiento en la industria y la agricultura.

Para dar lugar al progreso que preveían – para resolver problemas prácticos de industria, agricultura, medicina y navegación – los científicos europeos se dieron cuenta de que tenían que acumular una base de conocimientos sólida y que ello requería, sobre todo, comunicaciones fiables. Escribieron enciclopedias, compendios, diccionarios y publicaciones técnicas – los buscadores de la época – en las cuales se organizaba, catalogaba, clasificaba y hacía disponible en la medida de lo posible el conocimiento útil. Uno de estas publicaciones fue la Enciclopedia de Diderot, quizá el documento de la Ilustración por excelencia. La era de la Ilustración también fue la era de la “República de la ciencia”: una comunidad transnacional e informal en la que los científicos europeos se comunicaban a base de una red epistolar, para así leer, criticar, traducir y a veces hasta plagiar las ideas de los otros. Parece que la nacionalidad importaba poco comparada con el objetivo compartido del progreso humano. “Las ciencias,” dijo el gran químico Antoine Lavoisier, “nunca entran en guerra”. Como muchos de los ideales elevados del siglo XVIII, esta noción acabó siendo, hasta cierto punto, una ilusión.

Sin embargo, la idea del progreso material a través de la expansión del conocimiento útil – lo que hoy llaman los historiadores el programa baconiano – echó raíz progresivamente. La Royal Society, fundada en Londres en 1660, estaba basada explícitamente en las ideas de Bacon; consideraba que su función era “mejorar el conocimiento sobre las cosas naturales, y sobre todas las artes, manufacturas, prácticas mecánicas, motores e invenciones fruto de experimentos que sean útiles.” El movimiento sufrió un empujón considerable en el siglo XVIII, cuando se establecieron organizaciones privadas a lo largo de Gran Bretaña para vincular a aquellos que sabían cosas con aquellos que las hacían. Un ejemplo de ello es la llamada Sociedad Lunar de Birmingham, en la cual científicos punteros se reunían con regularidad con empresarios célebres, como el gran ingeniero de la época, James Watt y su compañero Matthew Bolton. Otro ejemplo era la Sociedad Literaria y Filosófica de Manchester, entre cuyos miembros se contaban muchos de los empresarios más importantes de la industria algodonera de Gran Bretaña, que estaba creciendo a gran velocidad.

Cada vez más industriales pedían asesoramiento a científicos y matemáticos para resolver problemas técnicos y así aumentar la productividad. La actuación de dichos asesores era variada: con mucha frecuencia, los asesores le decían a una empresa algo que ya sabía o algo que podrían haber descubierto por medios más económicos. Pero lo interesante es hasta qué punto, hacia 1780, se extendió la creencia de que la ciencia podría ayudar a la industria.

El programa baconiano tuvo un éxito inesperado en Gran Bretaña, que, como consecuencia, se convirtió en líder mundial de la innovación industrial. Había muchos motivos para ello, por ejemplo la unión de Inglaterra y Escocia en 1707. El historiador Arthur Herman ha escrito, quizá exageradamente, que los escoceses inventaron el mundo moderno. Las universidades de Edimburgo y Glasgow eran las versiones de la Ilustración escocesa de Harvard y MIT: rivales hasta cierto punto, pero que cooperaban en generar el conocimiento útil que subyacía a la nueva tecnología. Emplearon algunas de las mejores mentes de la época – sobre todo, Adam Smith. Al filósofo David Hume, amigo de Smith, se le negó dos veces el ejercicio de una cátedra por causa de sus creencias heterodoxas. En épocas anteriores, ello le podría haber ocasionado problemas con la ley, pero en la Escocia ilustrada vivió una existencia pacífica como bibliotecario y funcionario. Otro escocés y también amigo de Smith, Adam Ferguson, acuñó el concepto de sociedad civil. Pero Escocia no sólo produjo filósofos, también exportó a Inglaterra muchos de sus ingenieros y químicos más destacados, sobre todo James Watt.

Es absurdo argumentar, como han hecho ciertos estudiosos, que Inglaterra no tuvo una Ilustración. Es cierto que la Ilustración inglesa fue más práctica que la escocesa, lo cual quizá se debiera a que ello era necesario para la innovación. Por ejemplo Josiah Wedgwood, el gran alfarero de Staffordshire que revolucionó toda una industria: Wedgwood era la típica figura de la Ilustración; estaba en contra de la esclavitud, estrechamente vinculado con los intelectuales más destacados de su época y era un estudioso contumaz de ciencia, asesorándose con científicos para mejorar la tecnología y el marketing de sus productos. La celebrada invención de Wedgwood del jaspe – un tipo de tierra coloreada con una selección de óxidos de metal – se considera la innovación más significativa de la historia de la cerámica desde la invención china de la porcelana, y se produjo tras miles de experimentos en los laboratorios de Wedgwood de Staffordshire. Parece claro que el progreso en esta área ya no estaba reducido los tropiezos aleatorios de artesanos inspirados.

En algunos campos, el conocimiento útil resultó ser de una productividad enorme. La industria algodonera, que estaba creciendo con gran rapidez, necesitaba un agente químico para blanquear tejidos, pero las técnicas tradicionales eran lentas y caras. En 1774 un químico sueco, Carl Wilhelm Scheele, descubrió una sustancia que el francés Claude Berthollet posteriormente concluyó que tenía propiedades blanqueadoras milagrosas. El que esta sustancia, que más tarde se denominaría cloro, podía tener aplicación en el terreno de la industria fue una idea británica. (Sus otras propiedades se descubrirían más tarde: empezó a usarse como desinfectante a mediados del siglo XIX y la cloración del agua se empezó a extender en el siglo XX.)

Otro ejemplo del éxito del programa baconiano se produjo en el campo de la iluminación: las velas eran caras, producían humo y muchas veces causaban fuegos, así que los científicos de toda la Europa ilustrada empezaron a cavilar sobre este problema. Alrededor de 1780, Archibald Cochrane, el excéntrico y brillante conde de Dundobald, encendía gas de carbón mineral sobre sus hornos de alquitrán, fundamentalmente para entretener a sus amigos; no obstante, no estamos seguros de quién se dio cuenta por primera vez de que el gas no sólo quemaba bien sino que además hacía un servicio muy útil. Jean-Pierre Minkeles se atribuyó este éxito, se dice que iluminó su aula de Lovaina con gas en 1784; Johann Georg Pickel también se lo atribuyó, y es cierto que iluminó su laboratorio alemán con gas en 1786. En 1799, el francés Philippe Lebon patentó una “termolámpara”, que era un aparato de cristal que podía quemar una combinación de aire con gas de madera destilada. Después de que Lebon realizarse una serie de demostraciones con mucha publicidad en París en 1801, algunas de las fábricas de algodón de Manchester y todo el Pall Mall de Londres se iluminaron con gas de carbón en celebración del cumpleaños del rey Jorge. En la década siguiente la luz de gas convirtió a la noche en día para muchos europeos.

Seguía abundando el optimismo relativo a las grandes posibilidades que tenía el conocimiento útil para mejorar el mundo. En 1780, una de las grandes figuras de la Ilustración, Benjamín Franklin, escribió en una carta que “el progreso rápido de la verdadera ciencia hace que a veces lamente haber nacido tan pronto. Es imposible imaginar la altura a la que puede llegar, dentro de mil años, el poder del hombre sobre la materia… ojalá la ciencia moral se encontrase en un camino de mejora tan clara.” Se refería a ese sentimiento tan baconiano en una carta a su amigo Joseph Priestley, el científico y filósofo británico que inventó la soda y descubrió el oxígeno.

Por supuesto, la era de la Ilustración también fue la era de Newton, cuyos descubrimientos hicieron posible la comprensión del movimiento de los cuerpos celestiales. Ello se recibió, generalmente, como una muestra de lo que estaba por llegar: si podían entender eso, podían entenderlo todo. Pero la naturaleza resultó ser más caótica de lo esperado. Durante un siglo, muchos campos de investigación se resistieron a los esfuerzos de mejora simplemente porque la física y la química de base, y por supuesto la biología, no habían avanzado lo suficiente. Buen ejemplo de ello es el lento desarrollo de la energía eléctrica. La ciencia del siglo XVIII estaba fascinada con la electricidad y adivinaba sus posibilidades; en 1760 el preámbulo a los Nuevos experimentos y observaciones sobre electricidad de Franklin afirmaba proféticamente que la electricidad era, quizás, el agente más extraordinario e irresistible del universo. No obstante, aún debió pasar otro siglo y el trabajo de muchos científicos hasta que la energía eléctrica pudiese resultar económicamente útil.

Los progresos en medicina también fueron esporádicos. Los médicos ilustrados creían con vehemencia en el progreso. ¿Cómo no hacerlo? veinte de cada cien bebés morían antes de cumplir un año, muchos hombres y mujeres jóvenes y brillantes sufrían una muerte prematura por enfermedad, la vida adulta era con frecuencia una secuencia de enfermedades desfigurativas y debilitantes. “No veo una razón para dudar de que, aprovechándose de los varios y continuados progresos de la ciencia, el mismo poder se podrá ejercer sobre cuerpos animados, tal y como se ejerce en la actualidad sobre cuerpos inanimados”, escribió Thomas Beddoes, un médico inglés ilustrado, en 1793. Así, fue testigo en vida de al menos un gran éxito: el descubrimiento de Edward Jenner de la vacuna de la viruela tres años más tarde. Se podrían mencionar otros progresos más modestos, como el descubrimiento de que los cítricos podían proteger a los marineros del escorbuto. Pero estos descubrimientos eran excepcionales: el conocimiento útil no podía controlar, y mucho menos curar, la mayoría de las enfermedades hasta la década de 1850. Además, aparecieron nuevas enfermedades que dejaron indefensa la profesión médica: el cólera de la década de 1830 fue comparable al HIV de la década de 1980, y se tardó años en determinar su modo de contagio. Beddoes murió decepcionado y desilusionado.

Incluso en la industria, los efectos inmediatos del programa baconiano fueron limitados. Algunos de los inventos más importantes del siglo XVIII, especialmente en textiles, fueron artefactos mecánicos ingeniosos pero que no dependían de avances en la física. La maquina hiladora “Jenny” de Hargreaves y la desmotadora de Whitney, por ejemplo, no incluían ningún elemento que Arquímedes no hubiese podido entender. La novedad del siglo XVIII fue el darse cuenta de cuánto podían aprender la una de la otra la ciencia y la tecnología. Pero la innovación tenía una deuda de menor calibre con la ciencia formal que con la intuición, la ingenuidad y la destreza de genios mecánicos como Watt, el cual fue más allá que los demás para promover la eficiencia en la máquina de vapor, pero que a la vez no entendía en su totalidad los principios físicos de la misma. En 1824, cinco años después de la muerte de Watt, el científico francés Nicolás Sadi Carnot, intrigado por la máquina de vapor, escribió un ensayo que sentaba las bases de la termodinámica moderna.

De todos modos, el empleo del programa baconiano resultó ser un punto de inflexión clave en la historia de la humanidad, sin el cual la innovación podría no haberse producido. Es fácil imaginar una situación histórica muy distinta, en la cual la tecnología hubiese avanzado sólo lo suficiente como para crear un mundo de hiladoras de algodón mecánicas y de barras de hierro más baratas, y luego se hubiese estancado. Otros triunfos tecnológicos anteriores, como la invención de la imprenta en el siglo XV, de los buques transoceánicos y de las armas de fuego habían cristalizado del mismo modo.

El siglo XIX era distinto, gracias a las revoluciones intelectuales del siglo anterior. Después de 1815, el espíritu de innovación recobró fuerza, de modo que el mundo ya nunca iba a ser el mismo. Incluso aunque la Ilustración en el sentido estricto de la palabra ya había pasado, dejó una herencia de avances tecnológicos a lo largo del siglo XIX: el acero barato, la teoría de las enfermedades y los gérmenes, el control de la electricidad, los inventos procedentes de la termodinámica y la química orgánica y muchos otros. En 1787, Emmanuel Kant escribió que había vivido en una era de Ilustración pero no en una ilustrada. El siglo XIX fue justo lo contrario: ya no era la era de la Ilustración, sino una era ilustrada, en el sentido restrictivo de que estaba empeñada en continuar con el programa baconiano.

Las contribuciones de la Ilustración al crecimiento económico a largo plazo no fueron sólo de tipo científico. Así, muchos economistas, siguiendo el liderazgo del Premio Nobel Douglass North, empezaron a considerar las ideas políticas y económicas de la Ilustración como claves para este proceso. La doctrina económica inicial, muchas veces llamada mercantilismo, propugnaba que el comercio era una suma de ceros: si un lado ganaba, el otro perdía. Este pensamiento condujo a las políticas que hoy conocemos como “proteccionismo”, que todos los profesores de económicas de este país se enorgullecen en describir como costosas e ineficientes. La idea de que el comercio normalmente favorece a ambas partes condujo al crecimiento del mercado libre después de 1815 y fue clave para el establecimiento de zonas de libre mercado en Europa y en otros lugares después de 1950. Tal concepción se originó en la Ilustración y en el pensamiento de gigantes intelectuales como Smith y Hume.

Más importante todavía fue la idea de libertad de expresión de la Ilustración. Hoy en día concebimos los cambios tecnológicos como algo natural y obvio, y desde luego consideraríamos su ausencia un motivo de preocupación. Esto no era así en el pasado: los inventores se percibían como seres poco respetuosos que se revelaban contra el orden existente, amenazando así la estabilidad del régimen y la Iglesia y poniendo en riesgo el empleo. En el siglo XVIII esta noción empezó poco a poco a dejar paso a la tolerancia, a la creencia de que debía permitirse a aquellos con ideas extrañas someter las mismas a pruebas de mercado. Muchas ideas nuevas se sometieron a experimentación, especialmente en medicina, de modo que constantemente se proponían y se ponían a prueba nuevos modos de lucha contra la enfermedad (la mayoría de las veces en pacientes desinformados que hacían, sin saberlo, de conejillos de indias). Así, empezaron a desaparecer palabras como “hereje” aplicadas en los innovadores. De hecho, algunas de las figuras más destacadas de la revolución industrial, sobre todo Watt y Jenner, se hicieron mundialmente famosos.

Los críticos de la Ilustración tienen razón al afirmar que no convirtió a los europeos en monaguillos, precisamente. La revolución francesa, inspirada inicialmente en el pensamiento ilustrado, degeneró en un baño de sangre violento y después en una dictadura militar. Las dos naciones más ilustradas, Francia y Gran Bretaña, se enfrentaron en 1793 en una guerra encarnizada que duró más de veinte años y que condujo a políticas interiores de opresión y oscurantismo. La revolución americana, tan heredera de la Ilustración como la francesa, toleró y reguló la esclavitud. En el siglo XIX, los europeos usaron sus nuevas tecnologías para oprimir, explotar y asesinar a los no europeos; a finales del siglo XIX, reemplazaron las los ideales transnacionales de algunos pensadores ilustrados con un nacionalismo de feo cariz que enseñó a las masas que el modo de mostrar amor por su país era odiar a sus vecinos; de este modo, en la primera mitad del siglo XX, se enfrentaron entre ellos con una brutalidad y una destrucción que carecían de precedente en la historia.

Así, la Ilustración, por desgracia, no puso fin a la barbarie y la violencia; sin embargo, acabó con la pobreza en muchos de los países que la adoptaron. Una vez las cosas se calmaron después de la revolución francesa, Europa empezó un siglo de crecimiento económico (conocido como la Pax britannica) aderezado con algunas guerras locales relativamente cortas. Hacia el 1914, los países que habían experimentado algún modo de Ilustración se habían enriquecido e industrializado, mientras los que no, o los que se había resistido (como España y Rusia) se quedaron a la cola. El “club” de los países ricos formó el núcleo del mundo industrializado en la mayor parte del siglo XX. Incluso tras dos guerras de gran magnitud y de una devastación tal que habría acabado con cualquier imperio antiguo, Europa pudo reponerse y hoy en día la calidad de vida en países europeos es la envidia de gran parte de la humanidad.

Aunque parezca improbable, un pequeño grupo de intelectuales en una esquina de la Europa del siglo XVIII cambió la historia del mundo. No sólo se pusieron de acuerdo sobre la importancia del progreso, sino que también escribieron un programa detallado sobre cómo aplicarla y a continuación, sorprendentemente, la pusieron en práctica. Hoy en día, disfrutamos de comodidades materiales, de acceso a la información y al entretenimiento, de mejor salud, casi todos nuestros hijos llegan a una edad adulta (incluso si escogemos tener menos hijos), y tenemos expectativas razonables de vivir muchos años con una jubilación agradable y económicamente estable. Éstos son lujos con los que Smith, Hume, Watt y Wedgood sólo podían soñar, pero que sin la Ilustración no había sucedido.

El progreso tecnológico se ha convertido en parte integrante de nuestras vidas, hemos aprendido que la ciencia y la tecnología avanzan cada año y que vamos a descubrir más y más cosas sobre el mundo físico para así mejorar nuestra existencia material, ya sea en el campo de la medicina, los materiales, la energía o la tecnología de la información. Nuestra preocupación creciente sobre el medio ambiente y sobre la influencia que la tecnología ha ejercido sobre nuestro frágil planeta añade matices y sofisticación a esa creencia. La era de la Ilustración quemaba carbón sin preocuparse, sin saber del impacto del hidrocarburo en la atmósfera. Nuestra época está aprendiendo otra lección: necesitamos más que nunca el progreso tecnológico, pero necesitamos más que nunca utilizarlo con inteligencia. Ben Franklin estaría de acuerdo.


Joel Mokyr es profesor de la Norhwestern University, EEU, donde es titular de la cátedra Robert H. Strotz de Artes y Ciencias. Su libro más reciente si titula The Enlightened Economy: Britain and the Industrial Revolution (La Economía Ilustrada: Gran Bretaña y la Revolución Industrial).

Título Original: Enlightened and enriched. We owe our modern prosperity to Enlightenment ideas
© Dr. Joel Mokyr
Cortesía de: JM y City Journal, Summer 2010, vol. 20, no. 3 (http://www.city-journal.org), una publicación del Manhattan Institute, editado por Brian C. Anderson

Traducción de: Elena Fresco Barreira (UK)

Referencia:

Mokyr, J. (2011). Ilustrados y enriquecidos. Debemos nuestra prosperidad moderna a las ideas de la Ilustración. PortVitoria, UK, v. 3, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com

Joaquina Pires-O’Brien

Enquanto que na primeira parte desse artigo procurou-se fazer um apanhado sucinto do processo de independência das províncias hispânicas da América e do papel dos seus principais líderes, o objetivo desta segunda parte é fazer uma reflexão sobre o atual conflito ideológico que tantas incertezas tem gerado sobre o futuro do continente.

Apesar dos tremendos avanços que a América Latina obteve nas últimas duas décadas do século vinte, ainda existem graves problemas sociais como os bolsões de pobreza, o subemprego e o alto índice de criminalidade. A esquerda latina atribui tais problemas à importação de modelos econômicos de outros países pelas novas repúblicas. A extrema-esquerda latina chega a defender a solução da tábula rasa: destruir o sistema existente e começar tudo de novo. Tal solução é reveladora de um relativismo cultural que é insensato, inviável e irresponsável. É insensato pela suposição ingênua de que cada cultura tem seus próprios valores que somente são válidos dentro da mesma. Na verdade os valores culturais constituem uma rede difusa na qual as mesmas crenças e valores reaparecem em diferentes culturas. É inviável pelo desperdício de recursos que acarretaria; tal solução equivale a jogar fora o bebê junto com a água do banho. É irresponsável pela sedição embutida na alta probabilidade de desencadear reações automáticas de violência nos indivíduos menos esclarecidos.

A extrema-esquerda também aponta o capitalismo implantado nas novas repúblicas ainda no início do século dezenove como o principal bode expiatório dos problemas do continente. Mas a esquerda se engana ao pressupor que as novas repúblicas latinas tiveram um liberalismo político capaz de dar suporte ao capitalismo. Conforme argumentou o escritor peruano Mario Vargas Llosa, as suposições da extrema-esquerda acerca do suposto liberal capitalismo das repúblicas latinas são puro sofismas, uma vez que o verdadeiro liberalismo nunca existiu na América Latina. O chamado ‘liberalismo’ das novas repúblicas não era genuíno já que os direitos que ofereciam não eram universais – tanto por admitir a escravidão quanto pelas restrições do direito de participação política. Conforme mostrou Vargas Llosa e muitos outros, o sistema econômico das novas repúblicas não era o capitalismo, mas sim o mercantilismo, sistema que precedeu ao capitalismo e caracterizado pelo clientelismo do estado e pela busca do enriquecimento do cofre público através do monopólio do comércio externo e do maquinário burocrático.  Na realidade, o mercantilismo das jovens repúblicas latinas entrou para o século vinte e foi altamente explorado pelos regimes militares. Apenas em meados da década de oitenta, com o restabelecimento das democracias constitucionais na maioria dos países é que o mercantilismo foi colocado de lado, abrindo espaço ao capitalismo.

As extrapolações da extrema-esquerda ao invés de resolver problemas do continente acabam criando outros piores, como a incitação do entusiasmo militante da população menos esclarecida e, portanto, menos capaz de controlá-lo através da razão. A maior consequência dessas é o aumento desenfreado da violência contra a pessoa e contra a propriedade. Tais extrapolações erradas também impedem a visão mais ampla da situação, a qual é necessária para se encontrar as soluções mais viáveis. Começar tudo de novo requer destruir tudo o que já existe e que foi conseguido a duras penas, e isso sem nenhuma garantia contra efeitos colaterais.

As duas visões de democracia
A divisão ideológica da América Latina não se deve à introdução de modelos políticos alienígenas pelos libertadores, mas sim às ambivalências contidas nas duas visões de democracia. Elas estão no centro dos conflitos esquerda-direita, que se estendem por todo o continente. Tais ambivalências, vêm do pensamento dos dois filósofos influenciadores das revoluções da França e dos Estados Unidos: Jean Jacques Rousseau (1712-1778) e John Locke, cada qual apresentando visões diferentes do contrato social.

Locke adotou o contrato social introduzido por Thomas Hobbes (1588-1679), o qual tomou por base a tradição liberal; ele defendia o tipo de sociedade que respeita os direitos naturais de todos os indivíduos incluindo os das minorias. .Já o contrato social de Rousseau, o mesmo era baseado na ideia da soberania absoluta do povo. O contrato social de Hobbes e Locke requer uma disposição para ceder aos anseios da maioria; o contrato social de Rousseau demanda categoricamente que os indivíduos alienem os seus direitos naturais à sociedade.

Há diversas outras diferenças significativas entre as filosofias de Locke e de Rousseau. Rousseau via a democracia como um fim. Para Locke a democracia era um meio para um objetivo maior que é a liberdade. Locke se preocupou com os direitos das minorias, procurando mecanismos de salvaguardá-los. Rousseau, ao contrário, ignorou-os, tendo falhado em deixar de perceber a ameaça representada pela democracia direta, na verdade uma pseudodemocracia. Outra diferença entre Rousseau e Locke tem a ver com a promoção da cidadania. Rousseau supervalorizou o papel do líder carismático para inculcar a cidadania na população, enquanto que Locke via a cidadania como uma decorrência espontânea do processo democrático e suas instituições controladoras.

A ambivalência das visões de democracia de Rousseau e Locke tem ainda a ver com a ordem de prioridade dos dois grandes objetivos da democracia: a liberdade e a igualdade. A impossibilidade de dar à liberdade e à igualdade a mesma prioridade é o grande paradoxo da democracia. Apenas Locke percebeu isso quando priorizou a liberdade. Ao examinar a democracia americana Alexis de Tocqeville constatou o elevado grau de igualdade na sociedade americana e concluiu que a igualdade era um subproduto espontâneo da liberdade. Entretanto, a recíproca não é verdadeira. Colocar a igualdade em primeiro lugar, por exemplo, através de políticas de discriminação positiva, não gera a liberdade como subproduto. Pelo contrário, apenas serve para tolhê-la.

Em termos de modelos de democracias, Rousseau foi o maior inspirador dos revolucionários franceses, principalmente os Jacobinos mais radicais, enquanto que Locke foi o grande inspirador dos fundadores da república dos Estados Unidos da América. Os dois modelos ambivalentes de democracia foram introduzidos na América Latina pelos libertadores. Na América Latina, a profunda divisão ideológica entre a esquerda e a direita tem suas raízes nessa ambivalência.

Apesar de que o centro intelectual da época dos libertadores era a França e não a Inglaterra, a biografia deles sugere que eles teriam conhecimento de Rousseau assim como de Locke. Miranda, indubitavelmente o mais culto de todos os libertadores, certamente tinha. Afinal de contas ele viveu na Inglaterra e conheceu a intelectualidade de Londres e diversos líderes da Revolução Americana. Entretanto, é improvável que os libertadores tenham percebido a incompatibilidade entre Rousseau e Locke. Miranda chegou a participar da Revolução Francesa, embora escapasse por pouco da guilhotina depois que os Jacobinos radicais ganharam o poder. Entretanto, a sociedade por ele estabelecida em Londres, a Grand Reunión Americana, sugere que ele era um seguidor do Iluminismo verdadeiro e, portanto, teria uma preferência por Locke.

Enquanto Miranda viveu na França durante o Reino de Terror, Bolívar viveu lá durante a ascensão de Napoleão Bonaparte, que se tornou o seu grande ídolo. O estilo apaixonado de Bolívar, revelado nas suas campanhas militares e nos seus diversos escritos em muito lembrava o estilo de Napoleão. Como este último, Bolívar foi um líder militar de tremendo carisma e determinação, qualidades que soube usar para persuadir soldados cansados, maltrapilhos e famintos a segui-lo através das matas e da cordilheira gelada. A biografia de Bolívar também sugere que ele nem sempre esteve sintonizado com Miranda, seu comandante no início da campanha. Exemplo disso foi a crítica de Bolívar a Miranda após a primeira derrota na luta contra os espanhóis.

Os libertadores falharam em perceber a ambivalência dos modelos de democracia da França e dos Estados Unidos, inspiradas em Rousseau e Locke, respectivamente. Entretanto, poucos intelectuais dos séculos dezenove e vinte enxergaram tal ambivalência. É que Rousseau foi o gato no pombal do Iluminismo. Os outros filósofos consideram-no um precursor do movimento Romântico que já se aproximava, e que trocaria a ciência pelas conjeturas e o racionalismo pela metafísica. Conforme mostraram Bertrand Russell e Isaiah Berlin, Rousseau tinha uma visão distorcida de democracia a qual acabou se tornando a filosofia das ditaduras pseudodemocráticas que promovem o ingurgitamento do Estado e a debilitação das instituições capazes de controlar o Estado e consolidar o processo democrático.

Sobre o neoliberalismo
O neoliberalismo veio do liberalismo clássico, filosofia política que advoga o livre mercado, a participação da sociedade civil e o governo limitado, que dominou na Inglaterra e na Franca do século dezoito até o início do século dezenove. O prefixo ‘neo’ de ‘neoliberalismo’ tem a ver com a necessidade de distingui-lo da outra filosofia política de mesmo nome, caracterizada por advogar o governo grande e mercados altamente controlados.

Embora o neoliberalismo tenha sido assimilado pelas novas democracias do mundo, isso não quer dizer que as mesmas já tenham atingido o grau de maturidade das democracias mais antigas como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. São chamadas democráticas por apresentarem eleições diretas, embora as suas instituições necessárias do estado moderno ainda não estejam consolidadas. Tais instituições necessárias à democracia liberal são o estado de direito e as instituições civis capazes de exigir uma prestação de contas do estado. Até que tais instituições se consolidem, as democracias latinas continuam imaturas e suscetíveis a abusos.

O neoliberalismo da América Latina assim como o dos países da ‘Terceira Onda Democrática’ surgidos a partir da queda do Muro de Berlim, esteve sempre associado à expressão ‘consenso de Washington’ . Tal expressão surgiu em referência ao consenso que havia na década de oitenta entre os técnicos do Banco Mundial e do FMI (Fundo Monetário Internacional), de que certos países da América Latina eram merecedores de confiança para novos empréstimos devido ao fato de estarem se democratizando e modernizando. Logo que o neoliberalismo foi introduzido na América Latina no final da década de oitenta, a esquerda promoveu uma prolongada campanha difamatória contra o mesmo, divulgando a versão sarcástica e pejorativa da expressão ‘consenso de Washington’ que sugere que a abertura das economias emergentes não passou de um complô de Washington para servir aos interesses dos Estados Unidos.

A luz no fim do túnel
Apesar da profunda divisão ideológica que caracteriza a América Latina de hoje, o processo de democratização continua em andamento na maioria das suas repúblicas. Parte dessa evolução é o aparecimento dos primeiros intelectuais capazes de defender abertamente a liberalização econômica, como, Hernando de Soto (1941-) fundador do Instituto Liberdade e Democracia (ILD), com sede em Lima, um dos primeiros centros de formulação de políticas liberais do continente. Apesar de ter sido o principal assessor do ex-presidente Alberto Fujimori até 1992, o mesmo que venceu Vargas Llosa na eleição presidencial de 1988, Soto é um economista de renome mundial e autor diversos livros de economia e ciência política como El Otro Sendero (O Outro Caminho), Homo Economicus Racional e Maximizador (1987), La Arquitectura Oculta do Capital (O Mistério do Capital, 2001, Editora Record), El Electorado del Terror, Nova Vida Para o Capital Morto. Os dois maiores temas de Soto são os desígnios da economia informal da América Latina e o capitalismo de baixo para cima, ou seja, o capitalismo dos pobres.

Diversos outros intelectuais latinos já conseguiram colocar o dedo no problema do conflito ideológico, mostrando que o conflito entre a esquerda e a direita trata-se na verdade de uma briga entre adeptos do estado grande e controlador e adeptos de um estado menor e mais livre. Em outras palavras, trata-se de uma disputa entre o capitalismo de estado e o capitalismo de mercado. Para Soto, o atraso econômico dos países latinos não tem nada a ver com supostas características das suas populações, como o conhecido rótulo de indisposição ao trabalho. As provas que ele aponta são o enorme espírito empreendedor dos latinos e a própria economia informal latina. Para Soto, os países em desenvolvimento não devem se preocupar nem com as chancelarias dos países mais industrializados nem com os direcionamentos das instituições financeiras internacionais como o FMI. O que eles precisam é redescobrir as suas riquezas ocultas, principalmente o seu capital humano. A recente mobilização da esquerda liberal em direção ao centro é um enorme passo para o fim do referido conflito ideológico.
______________________________________________________________________________

Citação:
Pires-O’Brien, J. O bicentenário da independência da América Latina II. Reflexões sobre o conflito ideológico. PortVitoria, UK, v. 2, Jan-Jun, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com

Joaquina Pires-O’Brien

Em 2010 a América Latina deu inicio às comemorações do bicentenário de sua independência, que começou com a América hispânica. Em 1806 Francisco de Miranda liderou uma tentativa malograda de libertar a Venezuela. Entretanto, as próximas tentativas obtiveram um melhor resultado devido à conjuntura na Europa, causada pela ocupação da Península Ibérica pelas tropas francesas sob o comando de Napoleão Bonaparte. Em 19 de abril de 1810 um grupo de insurgentes da província da Nova Granada (atuais Equador, Colômbia e Venezuela) aproveitou a reviravolta política na Espanha para declarar a sua independência. O mesmo ocorreu nas províncias do Rio da Prata (atuais Argentina, Chile e Paraguai). Embora a independência de fato e o reconhecimento internacional ainda levaria alguns anos para se concretizarem, o processo de libertação iniciado em 1810 teve um enorme papel psicológico no sentido de unir as lideranças regionais e desenvolver na população crioula o sentimento nativista.

As províncias da Nova Granada que em 1810 haviam se declarado independentes, em 1811 constituíram as Províncias Unidas da Venezuela que depois virariam a República da Nova Granada e a Gran Colombia. Dentro do grupo inicial que declarou a independência, destacava-se o jovem Simão (Simón) Bolívar (veja mais abaixo sua biografia), de 27 anos de idade, que havia retornado de Paris no ano anterior cheio de entusiasmo pelo ideário republicano. No ano seguinte, Bolívar, juntamente com Luís López Méndez e Andrés Bello partiu para Londres numa missão de angariar o apoio do governo Britânico e comprar armas. Em Londres, os três se encontraram com o patrício Francisco de Miranda y Rodriguez (veja mais abaixo sua biografia), conhecido simplesmente como Miranda, o precursor da independência que serviu como líder intelectual dos futuros libertadores.
Após a derradeira derrota de Napoleão a Espanha restabeleceu a sua monarquia, a qual rejeitou de imediato a declaração de independência de suas províncias na América. Quando isso ocorreu os governos independentes já haviam começado a se enfraquecer, e isso facilitou a retomada de poder por parte dos partidários da realeza. Com promessas de riquezas futuras, os caudilhos espanhóis partidários da realeza, como José Tomás Boves, conseguiram reorganizar exércitos para defender os interesses da metrópole.

A guerra da independência
A independência da América Latina foi conseguida apenas após um longo processo de lutas, permeado por problemas internos e à custa de milhares de vidas. Na América do Sul a guerra da Independência ocorreu em duas grandes frentes, a Frente Norte, formada em torno da Nova Granada, e a Frente Sul, formada pelas províncias do Rio da Prata. Na América Central a guerra da Independência começou no México e só depois envolveu os demais países ao sul.
Na Frente Norte as lutas pela independência começaram logo após o final da Guerra Peninsular, quando o exército espanhol foi reconstituído. O exército da Nova Granada ficou sob o comando do Generalíssimo Miranda, que havia retornado de Londres. Sob as ordens deste Bolívar ficou encarregado de defender Porto Cabello. A situação da Nova Granada passou de mal a pior, quando em 1812 um forte terremoto destruiu boa parte de Caracas e de outras cidades vizinhas e causou a morte de mais de dez mil pessoas.

Devido à atual contingência, Bolívar foi derrotado em Porto Cabello e obrigado a fugir para Cartagena das Índias, na Colômbia. De lá Bolívar escreveu o seu famoso Manifesto de Cartagena, datado de 15 de dezembro de 1812, no qual ele atribuiu a derrota aos seguintes motivos: (i) a incipiência do sistema federal instituído, (ii) a má administração do tesouro, (iii) o terremoto de 1812 que atingiu Caracas, (iv) a impossibilidade de estabelecer um exército permanente, e (v) a campanha contrária da Igreja Católica. Na sua crônica do acontecimento Bolívar escreveu: ‘ainda que a natureza se oponha, lutaremos contra ela e faremos com que nos obedeça’.

De fato os partidários da realeza haviam se aproveitado da ignorância da população para promover a causa real, afirmando que o terremoto havia sido um castigo de Deus. A luta entre patriotas e realistas culminou com a vitória dos realistas enquanto que os patriotas sofreram um grande número de baixas, forçando o Generalíssimo Miranda a aceitar o armistício. Foi o fim da Primeira República.

Em 1813 Bolívar retornou triunfante a Caracas e em 1814 ele ajudou a criar a República da Nova Granada. Entretanto esta última não durou muito, pois no final do mesmo ano Bolívar foi derrotado pelas tropas realistas lideradas por José Tomás Boves. Entre 1813 e 1817 A Venezuela estava caótica e repartida entre facções de diversos caudilhos, o que dificultou ainda mais as lutas pela independência e a unificação do governo.

Em maio de 1815 Bolívar, que na ocasião tinha 32 anos de idade, teve que se refugiar em Kingston, na Jamaica Britânica. Foi de Kingston que ele escreveu a sua famosa Carta da Jamaica, datada de seis de setembro de 1815, da qual ficou apenas o rascunho em inglês, preservado no Arquivo Nacional de Bogotá. Embora na linha de saudação não constasse o nome do destinatário, supõe-se o mesmo era Henry Cullen, um súdito britânico residente em Falmouth, perto da Baía de Montego, na costa norte da Jamaica.

Na sua Carta da Jamaica Bolívar afirmou ter ciência de que o governo Britânico, por ser inimigo da Espanha e o principal denunciador das atrocidades cometidas pelos conquistadores contra os povos indígenas, era favorável ao movimento de libertação da América hispânica. Explicou que apesar das lideranças terem criado juntas populares para estabelecer as regras para a convocação dos congressos representativos, a revolução foi precipitada devido à ameaça de anarquia e a falta de um governo legítimo, justo e liberal, e que isso teria sido a causa dos inúmeros problemas da causa revolucionária. Empregando metáforas fortes, Bolívar queixa-se da ‘omissão da Europa perante a política sanguinária e peçonhenta da Espanha para com as suas colônias ultramarinas, a sua discriminação aos nascidos na América no tocante à ocupação de cargos administrativos e à falta de apoio dos irmãos do Norte (os Estados Unidos). Outra queixa de Bolívar foi a hipocrisia da Europa ao taxar de crime o ato de Bonaparte contra os reis de Espanha enquanto ignoraram as atrocidades que os conquistadores praticaram contra Montezuma e Atahualpa, o primeiro monarca do após e o segundo imperador Inca do Peru.

Segundo a maioria dos historiadores, a guerra de independência das províncias hispânicas do norte começou de fato apenas em 1817. Boves faleceu e seu exército ficou acéfalo. Oito meses após a morte de Boves o exército dos patriotas foi refeito e contou com o apoio de muitos que antes participaram do exército de Boves, sob o comando de Bolívar. Bolívar se dirigiu para a região montanhosa de Ocumade del Tuy para posicionar-se melhor na tentativa de tomada de Caracas. Entretanto, foi derrotado e retirou-se por três meses da luta.

No sul do continente a luta pela independência das Províncias Unidas do Rio da Prata havia reiniciado em 1817, quando o general José de San Martín derrotou os espanhóis na batalha de Chavabuco após ter atravessado os Andes, resultando no estabelecimento da República do Chile.

A declaração de independência do México deu-se primeiramente em 16 de setembro de 1810, no vilarejo de Dolores, quando os conspiradores liderados pelo Padre Miguel Hidalgo, mandaram repicar dos sinos da igreja, num evento que passou a ser conhecido como o ‘Grito de Dolores’. Um exército foi por eles improvisado na jornada para a capital, mas no seu retorno foram capturados e o padre Hidalgo executado. A liderança da revolta foi assumida por outro padre, José María Morelos, mas apesar do mesmo ter experiência militar e de já ter vencido diversas batalhas, Morelos foi capturado e executado em 1815. Os novos líderes do movimento pela independência, Vicente Guerrero e Guadalupe Victoria, já com seus exércitos, lutaram no centro sul e no sul do México. Embora em 1820 a Espanha tivesse conseguido reorganizar os seus exércitos para tentar sufocar as rebeliões, a causa realista foi perdida quando o general Agustín de Iturbide, que estava à frente do exército maior, passou para o lado dos revolucionários. A Espanha reconheceu formalmente a Independência do México em 24 de agosto de 1821.

Não há como ignorar o fato de que a independência da América Latina foi feita por um punhado de homens corajosos e determinados. Seguem abaixo as biografias resumidas desses heróis que hoje chamamos de ‘libertadores’.

Francisco Miranda
Francisco de Miranda y Rodriguez (1750-1816), conhecido simplesmente como Miranda, foi o precursor da independência da América hispânica e mentor intelectual dos libertadores. Miranda é também apontado como o principal disseminador da maçonaria na América Latina, da qual ele se posicionou para unir os líderes revolucionários em torno da causa da independência.

Nascido de uma abastada família de comerciantes provenientes das Canárias, o desejo do jovem Miranda era fazer uma carreira militar. Julgando que teria melhores chances na Espanha mudou-se para lá aos vinte e um anos de idade. Na Espanha ele continuou a sua educação procurando se familiarizar com os grandes escritores da época. Após ter se alistado no exército espanhol em 1771 ele serviu como capitão no Regimento de Infantaria. A sua primeira missão foi a defesa de Melilla, território espanhol ao norte da África, lutando contra o sultão do Marrocos. Entre 1773 e 1775 ele serviu em Madrid, Argel, Granada e Cádiz. Em abril de 1780 ele foi para Havana onde foi nomeado capitão do Exército de Aragão e segundo ajudante de campo do General Juan Manuel de Cajigal y Montserrat. Sob o comando de Cajigal, Miranda participou da tomada de Pensacola, no oeste da Flórida, que havia sido ocupada pelos ingleses. Após a vitória dos espanhóis ele foi promovido por bravura a tenente-coronel. O General Cajigal enviou-o para a colônia britânica da Jamaica, para uma missão de troca de prisioneiros. Em 1782 Miranda participou da expedição de conquista colônia britânica Las Bahamas de onde ele conduziu a negociação de rendição dos ingleses.

Miranda foi acusado pela Inquisição de posse de livros e quadros proibidos. Pouco depois ele foi preso por ter permitido a visita do General Campbell a Cuba, embora conseguisse ser solto com a ajuda do General Cajigal. Em 1783 ele foi obrigado a fugir da pátria pela qual havia lutado durante tantos anos, chegando aos Estados Unidos no dia 10 de julho. Lá ele teria tomado conhecimento do processo da revolução de independência e conheceu importantes personagens como George Washington, Alexander Hamilton, Henry Knox, Thomas Jefferson, Samuel Adams, Gilbert de la Lafayette e Thomas Paine. Nos Estados Unidos ele também conheceu Juan Bolívar, o pai de Simão (Simón) Bolívar, e outros refugiados de Caracas.

Em 1784 Miranda partiu para a Inglaterra e fez de Londres a sua base, de onde se empenhou em aprender latim, grego e outras línguas, antes de iniciar uma viagem de aprendizado pela Europa, Ásia Menor e Egito. Na Inglaterra ele conheceu o Primeiro Ministro William Pitt, e procurou convencê-lo a apoiar a causa da independência das nações hispânicas na América. Durante a sua turnê Miranda fez amizades com vários notáveis. Há relatos não documentados de que ele teria usado o pseudônimo de ‘Meeroff’ durante uma turnê pela Holanda, Bélgica, Alemanha e Suíça. Em setembro de 1788 ele fez duas viagens a Marselha, França, lá retornando em fevereiro de 1789 quando participou da redação do primeiro documento de direitos humanos, juntamente com Thomas Payne e outros.

Em 1791 Miranda participou da Revolução Francesa e travou amizade com indivíduos pertencentes à facção moderada dos Girondinos, que se opunha à facção radical dos Jacobinos. Em 23 de março de 1792, Miranda mudou-se para a França quando esta se encontrava em plena revolução. Lá Miranda estabeleceu relações com o prefeito de Paris Jerome Petion. Embora tivesse até sido nomeado general da República Francesa, em 1793, depois que os jacobinos ganharam o poder e Robespierre implantou o seu Regime do Terror, Miranda foi preso acusado de conspirar contra a república, mas depois foi inocentado pelo Tribunal Revolucionário. Entretanto Miranda foi novamente preso e permaneceu na prisão La Force mesmo depois da queda de Robespierre. Tendo sido solto no ano seguinte Miranda ainda permaneceu na França por algum tempo antes de retornar à Inglaterra em 1798.

Em 1805 ele segue para os Estados Unidos, onde esteve com o Presidente Jefferson e o seu Secretário de Estado James Madison. Contando com a ajuda britânica em 1806 Miranda liderou a primeira tentativa de libertar o seu país do jugo espanhol, mas tendo fracassado ele fugiu e se refugiou no Haiti. Lá ele tentou organizar o movimento de independência, mas frustrado com a indiferença dos caribenhos, em 1807 ele retornou aos Estados Unidos. De lá seguiu de volta para a Inglaterra, onde se ocupou escrevendo artigos para uma revista. Durante sua última fase em Londres Miranda promoveu reuniões com outros líderes revolucionários de toda a América.

Miranda retornou a Caracas em 10 de dezembro de 1810, sendo recebido calorosamente pela população ao desembarcar em La Guaira. Pouco depois ele foi nomeado Tenente Geral dos Exércitos da Venezuela e logo em seguida Promotor da Sociedade Patriótica. Em 1811 participou da Assembleia Constituinte da primeira república. Entretanto, após ter sido derrotado pelas tropas realistas de José Tomás Boves, Miranda foi preso e mandado para a Espanha, onde morreu na prisão de La Carraca em 24 de julho de 1816. Miranda é reconhecido não só como um herói da independência da América Latina mas também como um dos pioneiros da luta por direitos humanos. Seu nome encontra-se gravado junto ao de outros revolucionários no Arco do Triunfo, em Paris, e uma estátua sua foi colocada na Fitzroy Street, em Londres.

Simão (Simón) Bolívar
Simão (Simón) Bolívar, o Libertador, cujo nome de nascimento é Simón Antonio de La Santíssima Trindade Bolívar y Ponte Palácios y Blanco, nasceu em 1783 numa abastada e tradicional família venezuelana. Aos dois anos e meio ele perdeu o pai e sua mãe morreu antes que tivesse completado nove anos. Ele ficou sob a tutela do avô, sendo cuidado pelos tios maternos e pela ama Hipólita. Teve uma educação esperada fornecida pelos melhores tutores de Caracas. Dono de um temperamento sensível, porém rebelde, ele vivia às turras com os seus professores. Desses últimos destacou-se Don Simón Rodriguez, por ter inculcado no jovem as ideias de liberdade e de direitos humanos, difundidas pelo Iluminismo.

Quando tinha apenas dezessete anos de idade, o avô de Bolívar faleceu e Bolívar mudou-se para Madrid para completar seus estudos. Entretanto, o jovem se apaixonou pela jovem espanhola Maria Teresa Rodríguez del Toro y Alaysa, com a qual se casou em 1802, aos dezenove anos de idade. O casal mudou-se para Caracas e poucos meses depois Maria Teresa faleceu após ter contraído febre amarela. Em 1804 o jovem viúvo decidiu retornar à Europa, fixando-se desta vez em Paris, onde após um período inicial de farras ele aceitou os conselhos de um antigo mestre e passou a ler as obras dos autores importantes da época como Montesquieu, Rousseau, Voltaire e os enciclopedistas. Sob a influência desses autores Bolívar passou a nutrir uma grande aversão à Espanha e ao domínio espanhol, enquanto aumentava a sua admiração por Napoleão Bonaparte, recentemente coroado rei da Lombardia. Em 1805, durante uma visita à Itália, Bolívar fez seu famoso “Juramento do Monte Sacro”, em Roma, quando jurou que não descansaria enquanto não cortasse as cadeias do jugo espanhol.

Na Europa Bolívar pôde testemunhar os primeiros anos da república francesa e a ascensão de Napoleão ao poder. Em 1805, em Paris, Bolívar se afiliou à Loja maçônica San Alejandro de Escócia, mas deixou a mesma no ano seguinte. Sobre a ligação de Bolívar com a maçonaria, há também narrativas espúrias de Bolívar teria se afiliado à loja maçônica de Cádiz denominada Sociedad de los Caballeros Racionales de Lauraro, onde se agremiava os partidários da independência.

Um episódio ainda obscuro na biografia de Bolívar é seu envolvimento com o general patriota Manuel Piar e que culminou com a execução deste último a mando de Bolívar. Segundo consta a historiografia, em 1817 quando as forças espanholas se aproximaram das tropas de Bolívar este último requisitou reforços a Piar, que recusou ajudá-lo. Embora Bolívar tivesse sobrevivido, o episódio fez com que este perdesse a confiança em Piar. Sob o pretexto de que Piar viesse a desencadear uma guerra civil, no fim de março Bolívar se dirigiu para o sítio onde Piar se encontrava, próximo da cidade de Angostura, na Província da Guiana, tirou-o do comando e pôs-se à frente do seu exército. Pilar conseguiu fugir de Angostura em 25 de julho, mas em 16 de outubro foi capturado e depois fuzilado por traição e deserção, possivelmente por ordem do próprio Bolívar. O fato de Piar ser mestiço – ele era filho de uma negra e um marinheiro espanhol – levantou a questão de Bolívar teria agido por motivo racista. Entretanto, consta na historiografia que Piar havia se tornado um desafeto de Bolívar quando em 1814, Piar mandou prendê-lo, na ocasião em que se refugiou na ilha de Santa Margarita, controlada por Piar. Embora Piar logo tenha reconhecido o engano, Bolívar não esqueceu a afronta.

Enquanto em Angostura, atualmente chamada Cidade Bolívar, Bolívar escreveu seu mais famoso texto, o Discurso de Angostura, expondo o seu plano político e o seu desejo de criar no continente Americano uma grande e livre nação unida pela mesma língua. Ele também explica os motivos pelos quais não julgava viável nem uma grande república e nem uma monarquia universal, preferindo um meio termo entre tais extremos, que a seu ver só levariam à infelicidade e à desonra. Tendo se pronunciado a favor da democracia e contra a escravidão Bolívar expôs os motivos pelos quais ele não julgava possível um modelo único de governo para todas as nações: cada qual deveria adotar o sistema de governo que julgasse mais adequado. E para a sua própria pátria, que se chamaria Gran Colômbia, ele revelou a sua preferência por uma monarquia constitucional nos moldes daquela da Inglaterra:

‘E quando nos tornarmos fortes sob os auspícios de uma nação liberal capaz de nos dar proteção, verão que somos capazes de cultivar as virtudes e os talentos que conduzem à glória; aí então prosseguiremos na majestosa marcha para as grandes prosperidades a que a América meridional está destinada; aí então as ciências e as artes que nasceram no Oriente e que ornaram a Europa, voarão para a Colômbia livre que as convidarão oferecendo abrigo.’

Após ter dado mostra de poder na execução do General Piar, Bolívar conseguiu a adesão de outras duas milícias, a de Santiago Mariño e a de José Antonio Páez. Em 1819 Bolívar encontrava-se encurralado nos Andes do oeste venezuelano. Ao perceber que estava a menos de 300 milhas de Bogotá, ele partiu para a captura da mesma, liderando seus 2.400 homens através do estreito Páramo de Pisba nos Andes, muitos dos quais pereceram na travessia.

Bolívar conseguiu finalmente libertar as províncias do norte, após ter vencido a batalha de Carabobo em 24 de Junho de 1821. Seu próximo passo foi enviar tropas para o sul, sob o comando do General Antonio José de Sucre, que libertou o Equador. Mais tarde Bolívar partiu para se reunir às tropas de Sucre. Após encontrar-se com José de San Martín, decidiu-se que Bolívar se encarregaria da libertação do Peru, o último território realista do continente. O Peru havia se declarado independente em 1821, mas a verdadeira libertação só veio depois que Bolívar e Sucre venceram a batalha de Junín, em seis de agosto de 1824 e a batalha de Ayacucho em nove de agosto. Um ano depois, em agosto de 1925 Bolívar foi confirmado como presidente do Peru.

Com Bolívar ausente em novas investidas militares, as lideranças regionais tomaram proveito da situação para se fortalecerem, o que fez com que a nova República da Gran Colômbia começasse a desmoronar. Na Venezuela a situação já era delicada com as ameaças de ruptura por parte de José Antonio Páez, mas a profundidade da ruptura entre as províncias já não era reparável.

Para controlar a situação, Bolívar acabou tomando o poder à força e passou a governar como ditador, alegando caráter excepcional e temporário para salvar a república. Na Nova Granada houve muitos protestos públicos contra Bolívar, organizados por uma campanha contraria que Bolívar atribuiu ao Vice-Presidente Santander. Bolívar foi vilificado perante a população, quando um boneco representativo do mesmo foi queimado em praça pública. Em 25 de setembro de 1828 Bolívar sofreu um atentado que ele também atribuiu a Santander, tendo escapado do mesmo pela intervenção da sua amante Manuela Saenz, à qual Bolívar costumava se referir como ‘a libertadora do libertador’.

Em 1829, uma assembleia popular reunida em Valência decidiu pela separação entre a Venezuela e a República da Colômbia. Ignorando a autoridade de Bolívar a assembleia nomeou Paez como chefe supremo do novo país separado. Bolívar renunciou e decidiu afastar-se da vida pública. Uma nova assembleia constituinte foi formada em 36 de maio de 1830.

Após sua renúncia em 1829 Bolívar foi morar na costa. Entretanto, ao receber a notícia do assassinato do seu amigo, o General Sucre, ele ficou muito abalado e até cogitou partir para a Europa. O estado de saúde de Bolívar não era muito bom. Bolívar sofria dores de cabeça, falta de ar, febres e perdas de consciência, e mostrava sinais de que havia ainda contraído tuberculose. A amargura de Bolívar agravou o seu estado de saúde e ele veio a falecer pouco depois, em 17 de dezembro de 1830 em San Pedro Alejandrino, próximo a Santa Martha. Passou-se um bom tempo até que a imagem de Bolívar foi restaurada e ele passou a ser reverenciado como o grande herói da América do Sul.

José de San Martín
José de San Martín (1778-1850), o libertador da Argentina, Chile e Peru, nasceu em Yapeyú, atualmente San Martín, Corrientes, mas aos oito anos de idade ele mudou-se com seus pais para a Espanha. Em 1789, quando tinha apenas treze anos de idade ele entrou para a carreira militar, alistando-se no regimento de Murça. Ele participou da luta contra a ocupação francesa, que havia prendido o rei Fernando VII e colocado no seu lugar José Bonaparte, irmão de Napoleão. Numa outra missão ele lutou sob o comando do general inglês Beresford. Após a vitória na batalha de Baylen, em 19 de julho de 1808, a Andalúcia recuperou Madrid e San Martín foi condecorado com uma medalha de ouro e logo depois foi promovido a tenente-coronel. Embora não seja conhecida nenhuma evidência concreta a esse respeito, há relatos de que através de Bereford, San Martín veio a conhecer o nobre escocês Lorde Macduff, que o introduziu à loja maçônica La Gran Reunion Americana, de Londres, supostamente fundada por Miranda. San Martín teve uma passagem por Londres quando ele encontrou com Miranda e outros futuros libertadores. Quando San Martín retornou a Buenos Aires em janeiro de 1812, na fragata inglesa George Canning, as lutas pela independência já haviam começado nas províncias do sul. San Martín prontamente colocou-se a serviço dos revolucionários.

San Martín, juntamente com Carlos Maria de Avelar, criaram em Buenos Aires a loja maçônica nos moldes da loja de Cádiz, Ordem dos Cavalheiros Racionais de Lautaro. Há também especulações de que a loja de Cádiz e a Gran Reunión Americana, de Londres, supostamente fundada por Miranda, era uma só. Segundo Jasper Ridley, o autor do livro The Freemasons (1999), não existe evidência confiável que a Gran Reunión Americana, de Londres, se tratasse de uma loja maçônica oficial. A loja maçônica de Buenos Aires acabou servindo de modelo para diversas lojas ‘Lautarinas’ que se espalharam pelas Américas do Sul e Central.

Bernardo Riquelme O’Higgins
Bernardo Riquelme O’Higgins (1778-1842) era filho ilegítimo de Ambrose Bernard O’Higgins, um engenheiro irlandês que servia a coroa espanhola e que chegou a galgar o posto de vice-rei do Peru, e Isabel Riquelme, filha de uma proeminente família chilena. Seus pais não se casaram devido à necessidade de aprovação da coroa para casamentos entre servidores da coroa e pessoas nascidas na província. O’Higgins recebeu uma esmerada educação no Chile, no Peru e mais tarde na Inglaterra, onde ele frequentou durante três anos uma escola liberal baseada em Richmond. Em Londres ele conheceu Miranda, em cujo círculo ele absorveu o ideário político e revolucionário.

Depois de passar diversos anos na Inglaterra, O’Higgins mudou-se para a Cádiz, na Espanha, onde conheceu José de San Martín. Há narrativas não comprovadas de que tanto O’Higgins quanto San Martín e outros futuros libertadores teriam pertencido à loja maçônica de Cádiz, denominada Sociedad de los Caballeros Racionalles de Lautaro. O que parece mais certo é que havia sim tal loja maçônica e que a mesma teria servido de modelo para a loja de Buenos Aires, fundada por San Martín e Carlos Maria de Avelar, e denominada Ordem dos Cavalheiros Racionais de Lautaro.

Em 1800 O’Higgins embarcou de volta ao Chile, mas teve que retornar a Cádiz após seu navio ter sido interceptado por navios ingleses, que lutavam contra os franceses e os espanhóis. Em 1802 ele finalmente retornou ao Chile onde se iniciou na vida pública. Quando o governo da Espanha foi tomado por Napoleão Bonaparte, O’Higgins juntou-se aos líderes rebeldes que em 18 de setembro de 1810 haviam declarado a independência do Chile. O’Higgins usou a sua herança para formar duas milícias armadas para enfrentar a crescente oposição dos realistas e assim pode colaborar com o líder Juan Martinez de Rozas. Após ter comandado as suas tropas sob as instruções do Coronel Juan MacKenna, ele foi bem sucedido na batalha Sorpresa del Roble, contra os realistas. Na ocasião ele ficou conhecido pelas suas exortações aos soldados: ‘Ou viver com honra ou morrer com glória!’ e ‘Aquele que for valente que me siga!’ Em 1813, O’Higgins foi nomeado comandante-em-chefe do exército. A sua campanha foi bem sucedida até meados do ano seguinte, quando ele sofreu diversas derrotas e foi substituído no posto de comandante-em-chefe.

O’Higgins retirou-se com seus homens para a Argentina, atravessando os Andes, e lá ele lutou ao lado do General José de San Martín. Em 1817 O’Higgins e San Martín ganharam a independência do Chile após vencerem a batalha final de Chacabouco, após a qual O’Higgins foi designado Diretor Supremo do Chile. Nos anos seguintes O’Higgins continuou a luta para expulsar os espanhóis do Chile. Apesar de considerar-se um liberal, O’Higgins viu-se obrigado a tomar medidas autocráticas e isso acabou gerando descontentamento com o seu governo. Ao perceber que as suas duas opções eram seguir como ditador ou renunciar ele preferiu renunciar e exilar-se no Peru.

No Peru, O’Higgins tornou-se amigo de Simão Bolívar, e, em 1824, foi nomeado General de Exército da Grand Colombia, lutando sob as ordens de Bolívar. Devido à sua prolongada ausência do Chile e também por ter sido acusado de conspiração em 1826, O’Higgins recebeu baixa sem vencimentos do exército do Chile. Na ocasião ele tinha ido morar nas fazendas de Montalvan e Cuya, que havia recebido do governo peruano em pagamento pelos seus serviços. Em seis de outubro de 1842 o Congresso Chileno reverteu a decisão, decidindo que O’Higgins tinha sim o direito de receber sua pensão militar mesmo residindo no estrangeiro. Entretanto, a decisão veio tarde demais para O’Higgins, que faleceu poucos dias depois.

Antonio José de Sucre
Antonio José de Sucre (1795-1830) nasceu em Sierra de Berruecos, atualmente Cumabá, Venezuela, numa tradicional família de militares a serviço da coroa espanhola. Seu pai, o tenente-coronel Vicente Sucre y Urbaneja, apoiou a causa da independência desde o início. Aos quinze anos ele se alistou no exército patriota como alferes de engenheiros, sendo promovido a tenente durante a campanha de 1812, sob o comando do General Miranda. No final de 1815 Sucre participou da defesa de Cartagena das Índias e passou a integrar as tropas que combatiam na Guiana e no baixo Orinoco. Em 1818, já no posto de general de brigada, ele foi para Angostura, onde Simão Bolívar havia instalado o seu quartel-general e de onde organizava a nova República, e ganhou a amizade do Libertador.

Em 1821 Sucre chefiou um exército de apoio a Guayaquil, nas proximidades de onde estavam as tropas do general San Martín. Ele participou da campanha de libertação do Equador, cujo sucesso consolidou a independência da Gran Colômbia, partindo a seguir para juntar-se à campanha pela libertação do Peru. Com a renúncia de San Martín, Sucre comandou o exército que entrou em Lima em 1823, precedendo Bolívar. Ele também participou da batalha de Junín, de nove de dezembro de 1824, cuja vitória significou o fim do domínio espanhol no continente sul-americano. Tendo sido nomeado grande marechal e general chefe dos exércitos, Sucre marchou com os mesmos para o Alto Peru, onde proclamou a independência da Bolívia, assim chamada em homenagem a Bolívar, a quem encarregou de elaborar a Constituição. Apesar de ter sido nomeado presidente vitalício pela assembleia local, em 1828 ele renunciou devido às pressões dos peruanos que se opunham à independência da Bolívia.
Mesmo depois de ter se mudado para o Equador com a sua família, Sucre foi prestar ajuda à Colômbia, que havia sido invadida pelo caudilho peruano José de la Mar, derrotando-o em Portete de Tarqui. Para assinar o Tratado de Piura, ele seguiu para Bogotá, como delegado do Equador no congresso ali reunido, num momento em que a Gran Colômbia já se encontrava no processo de desintegração. Enquanto participava de uma comissão encarregada de negociar com o general Páez, que defendia a independência da Venezuela, o Equador também se declarou independente da Gran Colômbia. Sucre morreu vítima de uma emboscada na serra de Berruecos, ordenada por José Maria Obando, o chefe militar da província de Pasto.

A Influência da Maçonaria
Existe uma enorme historiografia colocando a sociedade da Maçonaria no centro das guerras de independência das Américas. É um fato não contestado de que todas as grandes transformações sociais que aconteceram nos últimos três séculos contaram com a participação de um significante número de maçons. Quase todos os líderes dos movimentos de libertação da América inglesa, hispânica e portuguesa eram maçons. Laurentino Gomes, em seu livro ‘1822’, publicado em 2010, afirmou que 50 dos 56 nomes que assinaram a declaração de independência dos Estados Unidos eram maçons. A maioria dos libertadores da América hispânica e os principais líderes que lutaram pela independência do Brasil também eram maçons.

Francisco de Miranda, o precursor da independência da América hispânica, fundou em Londres uma sociedade denominada Gran Reunión Americana, onde diversos futuros libertadores teriam se encontrado para discutir assuntos relativos à independência da América hispânica. Entretanto, de acordo com o livro de Jasper Ridley, The Freemasons (Os Maçons), publicado em 1999, não há nenhuma evidência concreta de que a Gran Reunión Americana tratava-se de uma loja maçônica vinculada à Grande Loja maçônica da Inglaterra.

Conforme já visto, havia em Cádiz, Espanha, uma loja maçônica denominada Sociedad de los Caballeros Racionalles de Lautaro, assim chamada em homenagem ao cacique que no século dezesseis lutou contra os invasores espanhóis, e da qual participou diversos revolucionários da América hispânica. Entretanto, segundo Ridley, a evidência de que o próprio Bolívar era maçon e afiliado à Sociedad de los Caballeros Racionales de Lautaro, de Cádiz, é circunstancial. Em Cumaná, na Venezuela em 1811 foi criada a loja Perfeita Amizade da qual participaram Bolívar além de diversos patriotas da Colômbia e Venezuela.

No Brasil a maçonaria começou com a Loja Cavaleiros da Luz, fundada em 1797 em Salvador, e a loja União fundada em 1800 no Rio de Janeiro. A coordenação a nível nacional de todas as lojas brasileiras deu-se em 1822, por iniciativa de duas lojas do Rio de Janeiro, a Comércio e Artes e a União e Tranquilidade, junto com a loja Esperança, de Niterói, as quais passaram a ser subordinadas à loja O Grande Oriente do Brasil, cujos primeiros mandatários foram José Bonifácio de Andrada e Silva, Joaquim Gonçalves Ledo, e por um breve período, o próprio Imperador Dom Pedro I.

Segundo Gomes, apesar da grande influência que a maçonaria exerceu na independência do Brasil, havia disputas políticas entre grupos pertencentes à mesma loja maçônica (Comércio e Artes), as quais chegaram a dificultar consolidação da monarquia constitucionalista instituída após 1822. A participação de Dom Pedro I como líder da Grande Oriente do Brasil durou pouco pois esta foi suspensa devido às disputas políticas. O livro de Gomes traz mais informações pormenorizadas sobre a Maçonaria na Independência do Brasil.

Embora a historiografia da maçonaria na América Latina faça referências à loja maçônica La Gran Reunión Americana, que teria sido fundada em 1797 por Francisco de Miranda y Rodriguez (1750-1816), na Fritzroy Square, perto de Piccadilly Circus, em Londres, e subordinada a Grande Loja de Londres, em seu livro ‘The Freemasons’ publicado em 1999, Jasper Ridley nega a existência de qualquer evidencia concreta sobre tal. Como suporte extra Ridley reitera o caráter não político da maçonaria inglesa e o fato de que nas maçonarias americanas e francesas havia membros que eram tanto a favor quanto contra as revoluções de libertação nesses países.

Como se pode esperar, qualquer sociedade unida em torno de uma causa tem uma grande capacidade de persuasão devido à psicologia de grupo. No caso da maçonaria tal causa era o ideário iluminista sobre liberdades individuais e direitos humanos. A maçonaria teve um importante papel na independência tanto da América hispânica quanto do Brasil, mas o seu papel foi indireto pois não tomava nenhuma decisão de ordem política.

Apesar do engajamento de Bolívar com o ideário Iluminista ser bem evidente nos seus escritos, Bolívar nunca se engajou confortavelmente no seio da maçonaria da maneira como fizeram os outros libertadores. Numa carta de 21 de outubro de 1825 que Bolívar escreveu ao general Santander, seu desafeto, ele desancou por atacado os membros da maçonaria chamando-os de malditos e charlatães. Cerca de um mês e treze dias depois do atentado que sofreu em 1828, Bolívar aprovou um decreto proibindo todas as sociedades secretas da Colômbia, incluindo a maçonaria.

Conclusão
Embora a maçonaria seja apresentada como uma mola propulsora dos movimentos de libertação nas Américas, tal reputação deve-se ao elevado numero de patriotas revolucionários que eram maçons e não à atuação direta da maçonaria. A maçonaria moderna inglesa, que deu origem a todas as demais, era apolítica apesar de ser um veiculo de divulgação das ideias iluministas. Entretanto, não há nenhuma prova de que a Gran Reunión Americana, a sociedade fundada em Londres por Miranda, estivesse ligada oficialmente à maçonaria inglesa. A maçonaria teve sim um papel nos movimentos de independência das Américas, mas tal papel foi sempre indireto, e apenas como veículo disseminador das ideias do Iluminismo. Apesar dos altos e baixos nos cenários interno e externo, a história dos primeiros cem anos das novas republicas hispânicas mostra um saldo positivo no legado iluminista introduzido pelos libertadores.

Nota: Veja na parte II deste artigo uma crítica ao conflito ideológico da América Latina.
_________________________________________________________________________

Citação:
Pires-O’Brien, J. O bicentenário da independência da América Latina I. O processo da independência e os seus personagens. PortVitoria, UK, v. 2, Jan-Jun, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/

Norman Berdichevsky

Vale la pena extenderse un poco a fondo en la historia cubana, sin ningún motivo mayor que cualquier otro, es tan evidente y está tan cerca, tanto por su situación geográfica en cuanto a distancia a las costas Americanas como por la presencia de más de un millón de individuos que residen en este momento en los Estados Unidos y que al haber estado envueltos personalmente en la revolución cubana conocen cómo ésta llegó al poder. Es de gran importancia revelar la verdad desnuda del episodio cubano que ha situado a Fidel Castro y al Ché Guevara durante los últimos cincuenta años como iconos internacionales al mismo nivel que las estrellas del pop. El número de adolescentes, reales y virtuales, que llevan camisetas del Ché o de Fidel probablemente supera el del número de adolescentes que llevan camisetas con otros emblemas con la posible excepción de la cruz (que probablemente se usa más como un adorno cosmético que como un símbolo religioso).

Naturalmente todo es cuestión de una simple investigación disponible en miles de documentos y fuentes de primera mano, pero los jóvenes de todas las partes del mundo continúan exhibiendo sus camisetas con la hipnosis auto inducida de que la oposición de Castro a los Estados Unidos y el apoyo que ha recibido por parte de la Unión Soviética y el bloque comunista así como sus cincuenta años en el poder y sus miles de horas de discursos aseguran que el régimen cubano merezca el apoyo de la IZQUIERDA sin más motivo que Castro se opuso al imperialismo de los Estados Unidos y derrocó a un dictador y por lo tanto – como en el libro de Orwell La Granja de los Animales (¡dos patas mal, cuatro patas bien!), es decir los comunistas estaban, están y siempre estuvieron al lado del “pueblo”.

El ciego apoyo del la política de izquierda tanto americana como europea hacia los “líderes revolucionarios” ha preferido durante los últimos noventa años ignorar o “explicar” las enormes contradicciones entre los regímenes y los líderes que han apoyado como “progresistas” y la jerga reconocida del discurso de ciencia política que Derecha significa reaccionario, “conservador” y/o ultranacionalista, así como religioso mientras que Izquierda significa iluminado, beneficioso para la clase trabajadora, “liberal”, secular e internacionalista.

Sin embargo había muchos refugiados cubanos en los Estados Unidos antes de que Castro llegara al poder. Habían abandonado la isla para escapar no sólo del gobierno dictador y corrupto de Fulgencio Batista sino también de la influencia comunista de su gobierno y el dominio sobre varios sindicatos cubanos. ¡Qué pregunten los adolescentes de hoy a sus abuelos! Ciertamente, todos los que tenemos 65 años o más recordamos como Desi Arnaz, el marido de la estrella Lucille Ball de “I love Lucy Show”, explicó a una audiencia americana que los chocantes titulares de la prensa sensacionalista acusando a su esposa de tener simpatías comunistas (LUCY BALL CON TINTA ROJA, LUCY BALL EN LA LISTA ROJA) eran puro libelo y juego sucio de los periodistas de la prensa amarilla. Sobre la supuesta simpatía comunista de Lucy, Desi la definió sucintamente—“lo único rojo que tiene Lucy es el pelo e incluso eso es falso”.

Desi tenía poderosas razones para intentar desvincular a su compañera de tales acusaciones, hechas en los años cincuenta y en la cúspide de la era McCarthy. Muchas carreras de Hollywood se habían visto arruinadas por acusaciones similares. Él mismo había revelado al público americano cómo había llegado a los Estados Unidos sin dinero y que incluso tuvo que limpiar jaulas de canarios para ganar dinero antes de convertirse en actor, y que se había visto obligado a abandonar Cuba por negarse a ir a remolque de los sindicatos cubanos dominados por el comunismo. Mientras la imagen de Desi Arnaz era un ejemplo de la conquista del sueño americano, negros nubarrones amenazaban la imagen de Lucy Ball. Según los archivos de la Secretaría de Estado de California, cuando Ball se registró para votar en 1936, se puso en la lista de afiliación al partido comunista. Además, para apoyar al candidato del partido comunista de la Asamblea Estatal de California representando al distrito número 57, había firmado la siguiente declaración: ´Estoy registrada como miembro del partido comunista´. Aunque Ball tuvo que presentarse ante la casa del Comité de Actividades no-americanas (HUAC) para testificar sobre su involucración en actividades subversivas, salió limpia ya que su implicación con el partido comunista había sido durante los años treinta, mucho antes del inicio de la Guerra Fría, cuando la implicación con partidos políticos de la izquierda radical no se veía como una actividad subversiva sino simplemente como un ejercicio de libertad de expresión garantizado por la Constitución.

Batista y otros presidentes títeres bajo su control se habían ganado el apoyo del partido comunista cubano porque se presentaban como “revolucionarios” y “anti americanos”. Otros líderes latinoamericanos como el dictador argentino, el general Juan Perón y hoy en día Hugo Chávez de Venezuela también mostraron las mismas herramientas de apelación presentándose como figuras populares anti americanas, carismáticas con fuerte apoyo de los sindicatos laborales controlados por el gobierno. La histórica obediencia a Moscú que caracteriza a la mayoría de los partidos comunistas latinoamericanos desde su creación en los años veinte y treinta está detrás de la complicada relación que caracterizó la actitud inicial de Fidel Castro hacia el comunismo y el papel que el viejo partido comunista jugó antes de su llegada al poder en Enero de 1959.

Aunque muchos Afro-americanos fueron engañados por la propaganda castrista sobre la revolución cubana creando “igualdad racial” para la población de la isla por primera vez, no fue otro sino el dictador Fulgencio Batista, “de sangre mezclada”, descendiente de italianos, españoles, chinos y africanos quien había sido víctima de discriminación racial. Debido a su mestizaje no pudo ser socio del Yatch Club de La Habana, factor que explotó ya que concentraba la atención en el carácter elitista del gobierno cubano y en su herencia colonial de prejuicios raciales. Estos prejuicios eran compartidos ni más ni menos que por el propio padre de Fidel, un rico terrateniente con una plantación de azúcar que había apoyado al gobierno español contra los revolucionarios cubanos en 1890.

PARTIDO INICIAL, 1920-1954
Sorprendentemente, el Partido Comunista Cubano tiene raíces profundas en Cuba que van desde el triunfo de la revolución rusa y la ascensión de Lenin al poder. Las futuras semillas de desconfianza entre los viejos comunistas cubanos y Fidel Castro se sembraron muchos años antes de que Castro se transformara en una importante figura política en Cuba. El partido se creó en La Habana en Agosto de 1920 por un puñado de admiradores de la revolución rusa y en la década de 1930 se había transformado en una poderosa fuerza en varios sindicatos laborales, un logro que no se había alcanzado en ningún otro país de Latinoamérica. Sus fundadores eran un grupo particularmente diverso de individuos como Julio Antonio Mella, un estudiante activista, Carlos Baliño que había sido uno de los seguidores del héroe nacionalista cubano José Martí y Fabio Grobart, un inmigrante judío que trabajaba como sastre y que se había refugiado en Cuba tras la guerra civil que había irrumpido en Polonia.

Los comunistas desempeñaron un pequeño papel en la revolución popular de 1933 que depuso al dictador cubano Gerardo Machado (1925-1931). Fue durante este episodio cuando el “hombre fuerte”, Fulgencio Batista, con apoyo comunista, apareció en la escena política. Los líderes de los partidos comunistas latinoamericanos tuvieron una conferencia en Moscú a finales de 1934 presidida por Dimitri Manuilsky que había sido el presidente de Cominterm por muchos años y era uno de los amigos más íntimos de Stalin.

El partido comunista cubano estaba presidido por aquel entonces por Blas Roca, su Secretario General. Las decisiones se tomaban con la aprobación de Stalin y apoyaron la insurrección en Brasil, un frente popular en Chile, favorecieron un programa nacionalista extremadamente anti americano en Méjico y la formación de una alianza encabezada por el líder nacionalista radical Batista en Cuba. La coalición Cubana se denominó Unión Revolucionaria.

En Septiembre de 1934 Batista emitió un comunicado en el que declaraba que “el partido comunista de acuerdo con sus propios estatutos, es un partido democrático que persigue sus objetivos dentro del margen del régimen capitalista y denuncia la violencia como medio de acción política y por consiguiente tiene los mismos derechos que cualquier otro partido de Cuba”.

Batista gobernó la nación a través de un presidente marioneta en 1937 y dio su consentimiento a la creación del partido de Unión Revolucionaria. En 1938 permitió la publicación del (todavía clandestino) periódico oficial del partido comunista cubano “Hoy” editado por Aníbal Escalante. Los líderes comunistas cubanos Blas Roca y Joaquín Ordoquí se reunieron con el coronel Batista y emitieron las resoluciones que debían ser cumplidas para que el partido adoptara una actitud positiva hacia el coronel Batista “teniendo en cuenta que Batista era un defensor de la democracia”.

A finales de la década de 1930, Batista y los comunistas trabajaron juntos para permitir “elecciones libres” que les permitieran continuar en control del gobierno, formar una asamblea constitutiva para crear una nueva constitución y legitimar el poder del presidente marioneta Federico Laredo Bru.

EL CASO ST. LOUIS
En Mayo de 1939, 937 refugiados judíos a bordo del barco de pasajeros alemán St. Louis, vieron denegada su entrada a la isla debido a la revocación de sus visas por el presidente Bru. Aparentemente, el único motivo para este acto inhumano fue el deseo de Bru de obtener una propina aún mayor de la que le habían prometido, este movimiento fue apoyado por muchos cubanos bajo la escusa de proteger a los “trabajadores cubanos” que temían que más refugiados judíos pudiesen recibir asilo político o asistencia económica en la época de Depresión. Esta era la política de envidia tan cuidadosamente cultivada por los nazis y los comunistas que sólo unos meses más tarde celebrarían su alianza en el Pacto Molotov-Ribbentrop de No Agresión entre la Unión Soviética y Alemania.

El caso St. Louis fue una terrible mancha en la conciencia de todos los que se oponían a la amenaza nazista y a su política anti semita. También posaba incómodamente en el régimen de Castro que requería una versión de la “historia cubana”. En vez de admitir que el totalmente corrupto gobierno del Presidente Bru (en cuyas alas se sentaba Batista y cuyos asuntos eran controlados con el apoyo comunista) había sido el responsable de negar el permiso para que los refugiados judíos a bordo del St. Louis buscasen la seguridad, la versión que enseñan en los colegios cubanos hoy en día (y repetida por las marionetas del régimen de Castro en varios portales de internet sobre el caso St. Louis), es que la administración de Roosevelt ordenó al gobierno de Bru que rechazara el derecho de los pasajeros a desembarcar en La Habana a pesar de estar en posesión de visados de inmigración cubanos y permiso de desembarque.

El Partido Comunista Cubano no hizo ningún movimiento para demandar la aceptación de los refugiados. Esto es incluso más reprensible y repugnante si tenemos en cuenta que una generación anterior de refugiados judíos que había llegado a la isla a principios de la década de 1920 apoyó desproporcionalmente al Partido Comunista considerando su minúscula representación en la sociedad cubana. La gran mayoría de los judíos cubanos, formada por no comunistas, organizó un comité para conversar con el Presidente Bru con la esperanza de que los refugiados fuesen aceptados en otras localidades pero apelaciones a media docena de países latinoamericanos y a los Estados Unidos para que aceptaran a los pasajeros del St. Louis cayeron en oídos sordos y se les ordenó que regresaran a Hamburgo. A última hora Gran Bretaña, Holanda y Bélgica acordaron aceptar a los pasajeros. La Segunda Guerra Mundial comenzó apenas dos meses más tarde y al menos el 90% de los pasajeros fueron asesinados en el Holocausto.

Los Estados Unidos no tienen nada de que estar orgullosos de esta historia ya que los barcos de la Guarda Costera Americana acompañaron al St. Louis para asegurarse de que no se produjera ninguna tentativa de desembarcar a los “inmigrantes ilegales” en la costa americana. No obstante, la absurda tentativa del gobierno cubano de transferir la culpa a los Estados Unidos es típica de los casi cincuenta años del régimen de Castro.

Federico Laredo Bru – un nombre que ‘permanecerá en la infamia’- estuvo motivado por la avaricia y por la total desconsideración por cualquier preocupación humanitaria. A pesar de haber sido colocado en el poder por Batista, él también quería demostrar que no era simplemente un insignificante fantoche y que podía demostrar su poder y su orgullo desafiando al Ministro del Interior, designado por Batista, que había concedido las visas a los pasajeros del St. Louis.

LA VICTORIA DE BATISTA CON EL APOYO COMUNISTA
En las elecciones de 1940, aunque los comunistas dominaban la mayoría de los sindicatos laborales, los candidatos que se oponían a Batista ganaron 41 de los 76 asientos recibiendo 225.223 votos, mientras que Batista y los comunistas ganaron apenas 35 asientos con 97.944 votos. A pesar de haber sido rechazado por decisión popular, el Partido Comunista Cubano impulsó que se continuara el apoyo a Batista que con esta ayuda consiguió ser elegido presidente a pesar de los pobres resultados electorales para su partido.

Batista resignó de su cargo militar como Jefe de las Fuerzas Armadas y anunció su candidatura para las elecciones presidenciales de 1940. Esta vez fueron honestas y ganó con total apoyo comunista prometiendo un control parcial por parte del Estado en las industrias de azúcar, tabaco y minería así como una reforma agraria. Batista hizo también declaraciones anti americanistas para ganarse la simpatía de la clase trabajadora cubana que veía a los Estados Unidos con envidia y desconfianza a pesar de la intervención americana que ayudó a Cuba a ganar su independencia de España.

Dos asociados próximos a Batista llegaron a ser más tarde miembros comunistas de alto nivel del gobierno de Fidel Castro: Juan Marinello (que más tarde perteneció al círculo íntimo de Castro) que perdió la oportunidad de ganar el puesto de alcalde de La Habana en las elecciones de 1940 y Carlos Rafael Rodríguez (que terminó siendo Vicepresidente de Castro).

La popularidad de Batista aumentó durante los años de la guerra, en su segundo mandato de 1940 a 1944, debido al aumento de prosperidad causado por la demanda de azúcar, níquel y manganeso por parte de los Aliados. A mediados de 1944 Batista organizó una charada fingiendo que se había “apartado” del poder como un verdadero demócrata. De esa manera ganaría apoyo adicional de buena voluntad de los Estados Unidos que tenía la desconfianza por sus vínculos con los comunistas.

Como presidente, Batista fue un fuerte “líder democrático” pero tuvo que suprimir un intento de golpe por parte de su jefe de gabinete. Expandió los derechos a la seguridad social para los trabajadores rurales, declaró la guerra contra los Poderes de los países del Eje el nueve de Diciembre de1941y reconoció a la Unión Soviética en 1943. Durante la guerra, Cuba se benefició de la ayuda de los Estados Unidos y del alto precio del azúcar, fijado en 2,65 centavos de dólar por libra (453 gramos). Esto ayudó a moderar el tono anti americanista de Batista.

Sin embargo, una vez más, unas elecciones razonablemente honestas disuadieron a los Batistianos y a los comunistas. En 1944, el doctor Ramón San Martin Grau, un ex profesor de la universidad con gran apoyo por parte de los estudiantes y con la promesa de un régimen más honesto ganó las elecciones presidenciales con el voto popular y sirvió al país hasta 1948. A pesar de su popularidad inicial, acusaciones de corrupción mancharon su imagen de administrador y una buena parte de los cubanos empezaron a desconfiar de él.

Batista, que había amasado una fortuna de veinte millones de dólares como consecuencia de haber sido el hombre realmente al cargo del gobierno de Cuba desde 1933, parecía que estaba desaparecido pero aún así los líderes comunistas Carlos Rafael Rodriguez y Blas Roca escribieron en su libro “En Defensa del Pueblo” publicado en 1945, que el ídolo del pueblo (Batista), el gran hombre de nuestra política nacional, no se ha ido para siempre. A pesar de que el dictador gozaba del apoyo que el partido comunista confería a los más de de veinte años de su despótica administración, el 99.99% de los universitarios de izquierda así como muchos periodistas norteamericanos que llevaban orgullosos sus camisetas con la imagen del Ché, aseguraban categóricamente que los Estados Unidos de América siempre apoyaron a dictadores corruptos como Batista en Cuba. Durante varios años, entre 1945 y 1948 Batista vivió en Florida, en Daytona Beach, donde hay un museo de arte cubano que contiene obras de arte que él había ´tomado prestadas´.

La clase más rica de Cuba entendió que no había por qué temer a Batista quien fue un político astuto que gozó de la confianza y el apoyo de las clases medias al mismo tiempo que cultivaba a la izquierda. A medida que se hacía más rico se volvía cada vez más conservador. En este respecto, en varias ocasiones en Cuba, el intentó mostrar su popular línea anti americanista, como en la campaña contra la partición de Palestina.

LA LINEA DE POLITICA EXTERIOR DE BATISTA DESAFÍA A LOS ESTADOS UNIDOS
Cuba era el único país no musulmán que votaba contra la propuesta de establecer un estado judío (Israel) acentuando de esta manera su línea independiente de política externa. Por increíble que parezca, varios comunistas judíos cubanos apoyaron enteramente la decisión simplemente por el hecho de que la misma ayudaba a cimentar la imagen ´anti imperialista´ del partido. Los dos países de América latina que al principio de la guerra tenían fuertes vínculos con los países del Eje y fuertes inclinaciones pro-germánicas, eran Chile y Argentina los cuales se abstuvieron. Méjico también siguió una política ´neutra´ para mostrar su independencia de los Estados Unidos.

Cuba usó la cuestión de la partición de Palestina para intentar ganar apoyo entre los países latinoamericanos para ofrecer un contrapeso a los Estados Unidos e instigar a los países árabes a formar un bloque fuerte de pequeñas naciones. El partido comunista cubano se encontró ante un incómodo dilema y desengranado. El partido no podía atacar a la línea ´popular´ anti americana del gobierno de política exterior en cuanto a la cuestión de Palestina a pesar de que la Unión Soviética y sus satélites del Este de Europa apoyaban el Plan de Partición de Palestina.

El cuartel general de Comintern1 en América latina se trasladó desde Méjico a Cuba en 1940 y los comunistas tenían una fuerte presencia en la Federación Nacional Cubana. Entre 1947 y 1948 hubo huelgas y graves disturbios laborales. Revueltas de estudiantes (incluyendo a Fidel Castro), gansterismo en las calles, bandas armadas en el campo y asesinatos políticos causaron tumulto. El desencadenante del activismo político de Castro fue Eduardo Chibas que, al igual que Castro, procedía de una familia rica de origen gallego de Guantánamo en la provincia de Oriente. Al igual que Castro había sido educado por los Jesuítas y era miembro de la élite cubana y profundamente religioso aunque fuese un comunista implacable.

En 1948, Carlos Prío Socarrás, otro fantoche de Batista, fue elegido presidente aunque por una minoría, mientras que los comunistas perdieron tres asientos en el Senado. Ominosamente, olvidando toda su anterior retórica anti americana, Batista dirigió su campaña desde Florida y fue elegido Senador. Castro, en ese momento, era una figura política destacada en La Habana y un protegido de Chibas. En respuesta a estos acontecimientos, el partido comunista cubano criticó a Castro y a los demás estudiantes activistas por haber participado en un tumulto callejero contra el gobierno durante una conferencia internacional en Bogotá, Colombia.

Durante los acontecimientos colombianos, un miembro del partido comunista de Argentina, Ernesto Ché Guevara, que estaba presente en la conferencia de Bogotá, nunca salió de su habitación durante los disturbios. Eddy Chibas se suicidó en 1951, durante un discurso público a la nación para llamar la atención a lo que él consideraba ser una campaña promovida por políticos corruptos para negarle las elecciones, creando de esta manera un vacío político en Cuba que condujo a la reaparición de Batista en la política cubana. Pocas semanas después del suicidio de Chibas, Castro se reunió con el entonces Senador Batista y pasó varias horas con él en el rancho de Batista. No se sabe sobre qué discutieron pero en Marzo de 1952, Batista usurpó el control del gobierno en un golpe sin sangre con lo que se cumplieron los peores temores expresados por Chibas antes de su muerte.
Al día siguiente, como jefe de estado proclamado, Batista se mudó al palacio presidencial. La oposición más radical a la toma del poder por parte de Batista venía de la rica y racista élite cubana que ya le detestaba debido a su ´mestizaje´. De 1948 a 1952 el partido comunista cubano perdió el control de los sindicatos y se encontraba dividido sobre si prestar su apoyo una vez más. Batista suprimió todos los periódicos de la oposición pero permitió que el diario comunista ´Hoy´ continuase abierto, obviamente una artimaña para ganarse la continuación del apoyo comunista.

EL PUTSCH DE CASTRO
Cuando Fidel Castro fundó su ´Movimiento Revolucionario´, los comunistas fueron automáticamente excluidos de unirse a él y el partido denunció el ataque de Castro al cuartel de Moncada el 26 de Julio de 1953, en Santiago de Cuba. El diario comunista americano ´The Daily Worker´, describió el ataque liderado por Castro como un ´método putchista´ característico de las acciones políticas burguesas.

Cuando Castro finalmente tuvo éxito, tanto él como los comunistas sabían que estaban hechos el uno para el otro a pesar del pasado. Para Fidel suponía el apoyo y la disciplina de una fuerza internacional dirigida contra el ´imperialismo americano´ y capaz de proporcionarle un enorme apoyo económico, diplomático y militar. Para los comunistas se trataba simplemente de suplir un ´ídolo del pueblo´ por otro. El lector que quiera buscar la página web oficial del partido comunista cubano en internet, en la sección marcada como ´Historia´ en español, verá que no hay una sola palabra sobre el partido desde su fundación hasta el 1 de Enero de 1959. Esta es la típica manera de resolver las contradicciones internacionales por parte de los regímenes totalitarios.

Desde entonces mucha agua ha corrido por debajo del puente. Parte de las falsas ilusiones de aquellos que se identificaban como ´progresistas ´o de muchos de los liberales hoy es su reacción instintiva y casi siempre equivocada de que las ´masas´ deben tener razón cuando responden de manera emocional a la retórica anti-occidente y especialmente anti americana (e incluso más irracionalmente anti- Israel, anti-cristiano y anti-judío).

Para la IZQUIERDA Marxista y muchos de los que hoy se declaran ´liberales´, no existe un mejor indicador de lo que hoy se considera ´políticamente correcto´ que la envidia del pobre y del oprimido, una fuerza poderosa y manipulable. Independientemente de cuan fanáticos, corruptos, degenerados y ciegos a cualquier consideración humanitaria fueran los personajes infames como Batista y Bru, o Perón y más tarde Castro, Nasser Arafat, Ahmadinejad, Mao Tse Tung, el Aiatolá Khomeini o Saddam Hussein, son todos considerados como portavoces del ´pueblo´, de la ´nación´, de los ´trabajadores´, los ´desposeídos´, los ´pobres´, los ´desarrapados´, los ´refugiados´, etc. La dolencia crónica de una considerable parte de la IZQUIERDA política es justamente el fallo a darse cuenta que sus líderes son tanto un síntoma como la causa fundamental de los problemas en sus países.
________________________________________________________________________________________

Título Original: Communist Party Support for Castro and Batista
© Dr. Norman Berdichevsky
Cortesía de: NB
Data de Publicación (version en español) en PortVitoria: mayo 2011;

1. Comintern. Abreviatura de ‘Internacional Comunista’, designación del partido comunista internacional fundado en Moscú en Marzo de 1919, también conocido como ´Tercera Internacional´. Su objetivo era luchar ´con todos los medios disponibles, incluyendo la fuerza armada, para derribar a la burguesía internacional y para la creación de una república soviética internacional como práctica de transición hasta conseguir la completa abolición del Estado´.

Traductora: Mónica Racero (Ipswich, UK)

Berdichevsky, N. El apoyo del Partido Comunista Cubano a Castro y a Batista. PortVitoria, UK, v. 2, Jan-Jun, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com

Norman Berdichevsky

Vale à pena estender-se minuciosamente na história cubana, se por nenhum outro motivo maior que qualquer outro, pelo fato de ser tão patente e tão perto de nós, tanto geograficamente – em termos da distância da costa americana – quanto pela presença de mais de um milhão de cubanos residentes nos Estados Unidos, que devido ao seu envolvimento pessoal com a Revolução Cubana, têm ciência de como esta chegou ao poder. É ainda mais importante revelar a verdade nua e crua do cenário cubano que nos últimos cinquenta anos transformou Fidel Castro e Che Guevara em ícones internacionais do nível das estrelas pop. O número de adolescentes reais e virtuais que vestem camisetas de Che ou de Fidel provavelmente excede o daqueles que vestem camisetas com qualquer outro emblema, com a possível exceção da cruz (que provavelmente é usada mais como um adorno cosmético do que como um símbolo da real fé religiosa).

Naturalmente que tudo isso é uma simples questão de pesquisar os milhares de documentos e fontes primárias disponíveis, mas o fato é que os jovens de todo o mundo continuam a exibir suas camisetas numa hipnose auto-induzida de que a oposição aos Estados Unidos por Castro e o suporte dado a ele pela União Soviética e pelo bloco comunista, assim como os seus cinquenta anos no poder e as suas milhares de horas de discursos, tudo isso assegura que o regime cubano merece o apoio da ESQUERDA. E se por nenhum outro motivo, pelo fato de Castro ter-se oposto ao imperialismo dos Estados Unidos e ter deposto um ditador. Conforme os dizeres no livro de Orwell A Revolução dos Bichos, ‘duas patas ruim; quatro patas bom!’. Trocando em miúdos, ‘os comunistas estavam/estão/sempre estiveram ao lado do ‘povo’.

Nos últimos noventa anos o apoio irrefletido da esquerda política americana e européia a ‘líderes revolucionários’ radicais tem preferido ignorar as enormes contradições entre esses regimes e os líderes que apóiam na condição de ‘progressistas’. A esquerda tem também ‘explicado’ essas contradições por um jargão especial do discurso da ciência política, segundo o qual ‘direita’ significa reacionário, conservador, ultranacionalista e/ou ultrarreligioso, enquanto que ‘esquerda’ quer dizer iluminado, benéfico à classe trabalhadora, ‘liberal’, secular e internacionalista.

Entretanto, mesmo antes de Castro subir ao poder, já havia nos Estados Unidos muitos refugiados cubanos. Eles haviam fugido da ilha para escapar não só do regime ditatorial e corrupto de Fulgêncio Batista, mas também da influência comunista no seu governo, bem como da dominação dos diversos sindicatos laborais cubanos. Os adolescentes de hoje que perguntem a seus avós! Aqueles dentre nós com mais de 65 anos de idade com certeza se lembrarão de como Desi Arnaz, o marido-estrela de Lucille Ball na comédia de televisão ‘I Love Lucy Show’, explicou a uma audiência americana as chocantes manchetes dos tablóides acusando sua esposa de ter simpatias comunistas (LUCY BALL ENVOLVIDA NA CONEXÃO VERMELHA, LUCILLE BALL NA LISTA VERMELHA) como sendo pura difamação e truques sujos de jornalistas exploradores. No tocante a tais acusações, Desi explicou sucintamente —‘a única coisa vermelha em Lucy é o cabelo dela e até isso é falso’.

Desi tinha fortes motivos para tentar desassociar a sua parceira de tais acusações, feitas na década de cinquenta e em pleno McCartismo. Muitas carreiras de Hollywood já haviam sido arruinadas devido a semelhantes acusações. Ele próprio já havia contado ao público americano como foi a sua chegada aos Estados Unidos sem nenhum tostão, quando ele chegou a limpar gaiolas para ganhar dinheiro antes de se tornar ator, e que havia sido forçado a fugir Cuba por recusar-se a rezar pela cartilha comunista dos sindicatos laborais. Enquanto que a imagem de Desi Arnaz era um exemplo da conquista do sonho americano, pesadas nuvens ameaçavam a imagem de Lucy Ball. De acordo com os registros da Secretaria de Segurança da Califórnia (Califórnia Secretary of State), quando Ball registrou-se para votar em 1936, ela listou a sua afiliação partidária como sendo ‘Comunista’. Além disso, a fim de patrocinar o candidato do Partido Comunista para a Câmara o Estado da Califórnia, representando o Distrito 57 ela tinha assinado a seguinte declaração: ‘Eu sou registrada como uma afiliada do Partido Comunista’. Apesar de que Ball teve que comparecer perante a Comissão HUAC (House Un-American Activities Committee) para depor sobre as suas atividades subversivas, ela foi inocentada, pois o seu envolvimento com o Partido Comunista havia ocorrido na década de trinta, bem antes do início da Guerra Fria, quando o envolvimento com partidos políticos da esquerda radical não era visto como atividade subversiva, mas simplesmente como um exercício da liberdade de expressão garantida pela Constituição.

Batista e os diversos outros presidentes marionetes sob o seu controle havia ‘ganho’ o apoio do Partido Comunista de Cuba porque aparentavam ser ‘revolucionários’ e ‘antiamericanos’. Outros líderes latino-americanos tais como o ditador da Argentina, o General Juan Perón e o atual Hugo Chávez, da Venezuela, também usaram as mesmas ferramentas de apelação, apresentando-se como figuras populares, antiamericanistas, carismáticas, e com forte apoio dos sindicatos laborais controlados pelo governo. A histórica obediência a Moscou que caracterizou a maior parte dos partidos comunistas latino-americanos desde as suas criações nas décadas de vinte e de trinta, está detrás do difícil relacionamento que caracterizou a atitude inicial de Fidel Castro para com o comunismo e com o papel desempenhado pelo velho Partido Comunista Cubano, antes de Castro chegar ao poder em janeiro de 1959.

Embora muitos afro-americanos tenham sido levados no bico pela propaganda de Castro de que a Revolução Cubana tinha trazido pela primeira vez ‘igualdade racial’ para a população da ilha, não foi outro senão o ditador Fulgêncio Batista, homem de ‘sangue misturado’, com ancestrais de descendência italiana, espanhola, chinesa e africana, quem havia sido vítima da discriminação racial. Devido à sua mestiçagem ele não pôde se associar ao Yacht Club de Havana, fato que ele explorou a fim de atrair atenção para o caráter elitista do governo Cubano e sua antiga herança colonial de preconceitos raciais. Esses preconceitos eram compartilhados por não outro que o próprio pai de Fidel Castro, um abastado proprietário de terra e de plantações de cana, que nos idos de 1890 havia apoiado o governo espanhol contra os revolucionários cubanos.

O partido inicial de 1920 a 1954
Surpreendentemente, o Partido Comunista Cubano tem raízes profundas em Cuba que vão até a vitória da Revolução Russa e a ascensão de Lenine ao poder. As futuras sementes da desconfiança que havia entre os antigos comunistas cubanos e Fidel Castro foram semeadas muitos anos antes de Castro se tornar uma figura importante na política cubana. O partido havia sido fundado em Havana, em Agosto de 1920, por um punhado de admiradores da revolução Russa, e na década de 1930 já havia se tornado uma poderosa força em diversos sindicatos laborais, um feito ímpar em toda a América Latina. Os seus fundadores consistiam de um grupo particularmente diversificado de indivíduos como Julio Antonio Mella, um ativista estudantil, Carlos Baliño, que havia sido um dos seguidores do herói nacionalista cubano José Marti, e Fabio Grobart, um imigrante judeu que trabalhava como alfaiate e que havia conseguido refugiar-se em Cuba após ter sido apanhado no meio da Guerra Civil que havia irrompido na Polônia.

Os comunistas desempenharam apenas um papel menor na revolução popular de 1933 que depôs o ditador cubano Gerardo Machado (1925-1931). Foi durante esse episódio que o ‘homem forte’ Fulgêncio Batista emergiu com o apoio comunista no cenário político nacional. No final de 1934 líderes dos partidos comunistas da América Latina tiveram uma conferência em Moscou presidida por Dimitri Manuilsky, que por muitos anos foi o chefe do Comintern1 e um dos amigos mais chegados de Stalin.

Naquela ocasião o partido comunista cubano era chefiado por Blas Roca, seu Secretário Geral. Resoluções foram tomadas com as bênçãos de Stalin, no sentido de dar apoio a uma insurreição no Brasil e a uma frente popular no Chile, favorecer um programa nacionalista extremamente antiamericano no México, e à formação de uma eventual aliança com o grupo de comando chefiado pelo líder ‘nacionalista radical’ Batista, em Cuba. Tal coalizão cubana foi chamada ‘União Revolucionária’.
Em setembro de 1934, Batista emitiu um comunicado declarando que ‘O Partido Comunista, de acordo com o próprio estatuto, tratava-se de um partido democrático que perseguia os seus objetivos à margem do regime capitalista e que denunciava a violência como meio de ação política, e, por conseguinte, tinha direito ao mesmo tratamento que qualquer outro partido de Cuba’.

Batista comandou a nação através de um presidente-marionete e em 1937 ele deu o seu integral consentimento para a criação do Partido União Revolucionária. Em 1938 ele permitiu a publicação do (ainda clandestino) jornal oficial do partido Comunista Cubano, Hoy, editado por Aníbal Escalante. Os líderes comunistas cubanos Blas Roca e Joaquin Ordoquí, reuniram-se com o Coronel Batista e emitiram as resoluções a ser cumpridas, com a ressalva que o Partido precisava adotar uma atitude positiva para com o Coronel Batista ‘tendo em vista que Batista era um defensor da democracia’.
Já no final da década de 1930, Batista e os comunistas trabalharam como mão e luva para permitir ‘eleições livres’ a fim de continuar seus controles no governo, formar uma assembléia constituinte voltada a produzir uma nova constituição e legitimar o poder do presidente marionete, Frederico Laredo Bru.

O affair St. Louis
Em maio de 1939, 937 refugiados judeus que se encontravam a bordo do navio de passageiros alemão St. Louis foram negados a entrar em Cuba devido à revogação de seus vistos pelo presidente Bru. Ao que parece, a única motivação para esse ato desumano foi o desejo de Bru de ganhar uma propina ainda maior do que aquela que lhe havia sido prometida, mas a manobra também auferiu o apoio de muitos cubanos sob o disfarce de proteger ‘os trabalhadores de Cuba’, os quais temiam que mais refugiados judeus fossem receber asilo ou assistência econômica durante a época da Depressão. Essa era a mesma política de inveja tão cuidadosamente cultivada pelos nazistas e comunistas que poucos meses depois iriam comemorar sua aliança no Pacto Molotov-Ribbentrop de Não-Agressão, entre a União Soviética e a Alemanha.

O caso St. Louis foi uma terrível mancha na consciência de todos os que se opunham à ameaça do nazismo e às suas políticas anti-semíticas. O mesmo também pousa desconfortavelmente no regime de Castro, o que requereu uma versão revisionista da ‘história cubana’. Ao invés de admitir que o governo totalmente corrupto do presidente Bru – em cujas asas sentava-se Batista e cujos assuntos eram controlados com o apoio comunista – havia sido o responsável por negar a permissão para que os judeus refugiados abordo do St. Louis buscassem segurança, a versão ensinada nas escolas cubanas de hoje (e regurgitada pelos paspalhões do regime de Castro nos seus textos sobre o caso St Louis espalhados em diversos portais da internet), é que a administração de Roosevelt havia ordenado ao governo de Bru que rejeitasse o direito dos passageiros de desembarcar em Havana, apesar de eles terem vistos de imigração de Cuba e permissões de desembarque.

O Partido Comunista Cubano não moveu uma palha para demandar o aceite dos refugiados. O caso ficou ainda mais repreensível e repugnante devido à existência de uma leva anterior de refugiados judeus que havia chegado à ilha no início da década de 1920 e que apoiava o Partido Comunista Cubano desproporcionalmente à sua minúscula representatividade na sociedade cubana. A grande maioria dos judeus cubanos, formada por não comunistas, organizou um comitê para conversar com o presidente Bru na expectativa de que os refugiados fossem aceitos noutra localidade, mas os apelos feitos a meia dúzia de países latino-americanos e aos Estados Unidos para que aceitassem os passageiros do St. Louis caíram em ouvidos surdos e eles foram ordenados a retornar a Hamburgo. Na última hora, a Grã-Bretanha, a Holanda (Neerlândia) e a Bélgica concordaram em aceitar os passageiros. A Segunda Guerra Mundial começou apenas dois meses depois e pelo menos noventa por cento dos mesmos foram mortos no Holocausto.

Os Estados Unidos não têm nada a se orgulhar dessa história, já que os barcos da Guarda Costeira Americana acompanharam o St. Louis para assegurar que nenhuma tentativa fosse feita para desembarcar os ‘imigrantes ilegais’ na costa americana. Não obstante, a tentativa absurda do governo cubano de jogar a culpa nos Estados Unidos é típica dos cinquenta anos do regime de Castro.

Frederico Laredo Bru – um nome que ‘permanecerá na infâmia’ – havia sido motivado pela avareza e pela total desconsideração por qualquer preocupação humanitária. Apesar de ter sido colocado no poder por Batista, ele também queria demonstrar que não era apenas um insignificante fantoche e que podia demonstrar seu poder e orgulho desafiando o Ministro do Interior, o indicado de Batista que havia concedido os vistos dos passageiros do St. Louis.

A vitória de Batista com o apoio comunista
Na eleição de 1940, embora os comunistas dominassem a maioria dos sindicatos laborais, os candidatos contrários a Batista ganharam 41 dos 76 lugares, recebendo 225.223 votos, enquanto que Batista e os comunistas ganharam apenas 35 lugares e 97.944 votos. A despeito de ter sido rejeitado pelo mandato popular, o Partido Comunista Cubano encorajou a continuação do apoio a Batista, que com tal ajuda conseguiu se eleger presidente, a despeito do pífio saldo da eleição para o partido.
Na ocasião da eleição presidencial de 1940 Batista afastou-se do seu cargo militar como Chefe das Forças Armadas e anunciou a sua candidatura. Essa última foi honesta e ele a venceu com o total apoio comunista, prometendo um controle parcial do estado sobre as indústrias do açúcar, tabaco e minério assim como reforma agrária. Batista também fez declarações antiamericanistas para tornar-se simpático junto à classe trabalhadora Cubana, que via os Estados Unidos com inveja e desconfiança apesar da intervenção americana que ajudou Cuba a ganhar a sua independência da Espanha.
Dois associados próximos de Batista mais tarde tornar-se-iam membros comunistas do alto escalão do governo de Fidel Castro: Juan Marinello (que mais tarde tornou-se membro do Grupo Íntimo de Castro), que perdeu a tentativa de ganhar o posto de prefeito de Havana nas eleições de 1940 e Carlos Rafael Rodriguez (que eventualmente tornou-se o vice-presidente de Castro).

A popularidade de Batista aumentou durante os anos da guerra, no seu segundo termo presidencial de 1940 a 1944, devido ao aumento de prosperidade causada pela demanda dos Aliados por açúcar, níquel e manganês. Em meados de 1944 Batista encenou uma charada, fingindo que havia ‘se afastado’ do poder como um verdadeiro democrata. Dessa forma, ele ganharia adicional apoio da boa vontade dos Estados Unidos, que tinha ansiedades quanto às suas ligações com os comunistas.
Como presidente, Batista foi um forte ‘líder democrático’, mas teve que conter uma tentativa de golpe por parte do seu chefe de gabinete. Ele estendeu direitos de seguridade social para os trabalhadores rurais, declarou guerra contra os Poderes do Eixo em nove de dezembro de 1941 e em 1943 reconheceu a União Soviética. Durante a guerra, Cuba beneficiou-se da ajuda dos Estados Unidos e do alto preço do açúcar, fixado em 2,65 centavos de dólar por libra (453 g). Isso ajudou a moderar o discurso antiamericanista de Batista.

Mais uma vez, entretanto, uma eleição razoavelmente honesta demoveu Batistanos e Comunistas. Em 1944, o Dr. Ramon San Martin Grau era um ex- professor universitário com substancial apoio dos estudantes e com promessas de um regime mais honesto. Tendo vencido a eleição presidencial pelo voto popular, ele serviu até 1948. A despeito de sua popularidade inicial, acusações de corrupção mancharam a sua imagem de administrador, e uma boa parte dos Cubanos começaram a desconfiar do mesmo.

Batista, que havia amealhado uma fortuna de vinte milhões de dólares em decorrência de ter sido o verdadeiro encarregado do governo de Cuba desde 1933, parecia que estava sumindo da cena. Ainda assim os líderes comunistas Carlos Rafael Rodriguez e Blas Roca escreveram em seu livro En Defensa del Pueblo (Em defesa do Povo), publicado em 1945, que ‘o ídolo do povo (Batista), o grande homem da nossa política nacional’ não tinha partido para sempre. Apesar de o ditador ter gozado do apoio que o Partido Comunista conferiu aos mais de vinte anos de sua despótica administração, 99,99% dos universitários esquerdistas assim como os diversos jornalistas norte-americanos que vestem orgulhosamente as suas camisetas com a imagem de Che, lhe assegurarão categoricamente que ‘os Estados Unidos da América sempre apoiou ditadores corruptos como Batista em Cuba’. Durante um período de diversos anos, entre 1945 e 1948 Batista transferiu-se para a Florida, tendo morado em Daytona Beach, onde há um museu de arte cubana contendo obras de arte que ele havia ‘tomado emprestado’.
Conquanto que a classe mais abastada de Cuba havia entendido que não era preciso temê-lo, Batista foi um político astuto que gozou da confiança e do apoio das classes proprietárias ao mesmo tempo em que cultivava a Esquerda. À medida que enriquecia ele se tornava cada vez mais conservador. Enquanto isso, em diversas ocasiões em Cuba, ele procurou dar mostra da sua ‘popular’ linha antiamericanista, como na campanha contra a partição da Palestina.

A política externa de Batista desafia os Estados Unidos
Cuba foi o único país não-mulçumano a votar contra a proposta de estabelecer um estado judeu (Israel), acentuando dessa forma a sua linha ‘independente’ de política externa. Por incrível que pareça, diversos comunistas cubanos judeus apoiaram inteiramente a decisão simplesmente pelo fato de que a mesma ajudava a cimentar a imagem ‘anti-imperialista’ do Partido. Os dois estados da América Latina que no início da guerra tinham ligações firmes com o Eixo e fortes inclinações pró-germânicas, o Chile e a Argentina, abstiveram-se. O México também seguiu uma política ‘neutra’ para mostrar a sua independência dos Estados Unidos.

Cuba usou a questão da partição da Palestina para tentar angariar apoio entre os países Latino Americanos para oferecer um contrapeso aos Estados Unidos e aliciar os países Árabes a formar um bloco forte de pequenas nações. Nessa questão o Partido Comunista Cubano encontrou-se num desconfortável dilema e desentrosado. O partido não podia atacar a linha ‘popular’ anti-americana do governo na política externa relativa à questão da Palestina mesmo tendo a URSS e os seus satélites do Leste Europeu sido todos favoráveis ao Plano de Partição da Palestina.

O quartel-general do Comintern na América Latina mudou-se do México para Cuba em 1940 e os comunistas tinham uma forte presença na Federação Laboral Cubana. Entre 1947 e 1948 houve recorrentes greves e disputas trabalhistas. Estudantes arruaceiros (incluindo Fidel Castro), gangsterismo urbano, bandos errantes armados no campo e assassinatos políticos, tudo causava tumulto. O estopim do ativismo político de Castro foi Eduardo Chibas, que como Castro, tinha vindo de uma abastada família Galiciana de Guantánamo, na província Oriente. Assim como Castro, ele havia sido educado por Jesuítas, era membro da elite Cubana e profundamente religioso, embora fosse um anticomunista implacável.

Em 1948, Carlos Prío Socarrás, outro fantoche de Batista, foi eleito Presidente, embora por uma minoria, enquanto que os Comunistas perderam três cadeiras no Senado. Ominosamente, e esquecendo toda a prévia retórica anti-americana, Batista geriu a sua campanha da Florida e elegeu-se Senador. Castro, na ocasião, era uma figura proeminente na política de Havana e um protegido de Chibas. Em resposta a esses eventos, o Partido Comunista Cubano criticou Castro e os outros estudantes ativistas por terem participado de um tumulto de rua anti-governo durante uma conferência internacional em Bogotá, na Colômbia.

Na mesma ocasião e local dos eventos colombianos, um membro do Partido Comunista da Argentina, Ernesto Che Guevara, que estava presente na conferência de Bogotá, não saiu do seu alojamento durante os distúrbios. Eddy Chibas suicidou-se em 1951, durante um discurso público à nação para chamar atenção àquilo que ele acreditava ser uma campanha movida por políticos corruptos para lhe negar a eleição, criando assim um vácuo político em Cuba, que levou à re-emergência de Batista na política cubana. Poucas semanas depois do suicídio de Chibas, Castro encontrou-se com o então Senador Batista e teve com o mesmo diversas horas em discussões no rancho de Batista. O que eles discutiram não se é sabido, mas em 10 de Março de 1952, Batista usurpou o controle do governo num golpe sem sangue que fez cumprir o maior temor expressado por Chibas antes da sua morte.

No dia seguinte, como chefe de estado proclamado, Batista mudou-se para o palácio presidencial. A oposição mais radical à tomada de poder de Batista veio da rica e racista elite cubana, que já o detestava devido à sua ‘mestiçagem’. De 1948 a 1952 o Partido Comunista Cubano perdeu o controle dos sindicatos e encontrava-se dividido na questão de apoiá-lo ou não mais uma vez. Batista suprimiu todos os jornais de oposição, mas permitiu que o diário comunista ‘Hoy’ continuasse aberto, numa artimanha óbvia para ganhar a continuação do apoio comunista.

O Putsch de Castro
Quando Fidel Castro fundou o seu ‘Movimento Revolucionário’, os comunistas eram automaticamente excluídos de se juntar ao mesmo e o Partido denunciou o ataque de Castro ao quartel de Moncada em 26 de julho de 1953, em Santiago de Cuba. O diário comunista americano ‘The Daily Worker’, descreveu o ataque liderado por Castro como um ‘método ‘putschista’ peculiar às facções políticas burguesas.’

Quando Castro finalmente teve êxito, tanto ele quanto os comunistas sabiam que haviam sido feitos um para o outro, a despeito do passado. Para Fidel, havia o apoio e a disciplina e de uma força internacional direcionada contra o ‘imperialismo americano’ e capaz de lhe dar um enorme apoio econômico, diplomático e militar. Para os comunistas tratava-se de uma simples mudança de um ‘ídolo do povo’ para outro. O leitor que buscar no portal oficial do Partido Comunista Cubano na internet, e ler a seção marcada como ‘História’, em espanhol, verá que não há uma só palavra sobre o partido desde a sua fundação até 1o de janeiro de 1959. É assim que as contradições internas são tipicamente resolvidas pelos regimes totalitários.
Desde então muita água já passou por debaixo da ponte. Parte das auto-ilusões daqueles que se identificavam como ‘progressistas’ ou de muitos dos liberais de hoje é a sua reação instintiva e quase sempre errada de que as ‘massas’ devem estar certas quando respondem emocionalmente à retórica e ao jargão anti-Ocidente e especialmente anti-americano (e ainda mais irracionalmente anti-Israel, anti-Cristão e anti-Judeu).

Para a ESQUERDA Marxista e muitos dos que hoje se declaram ‘liberais’, não existe um melhor indicador daquilo que é hoje designado como ‘politicamente correto’ do que a inveja do pobre e do oprimido, uma poderosa e manipulável força. Independente de quão fanático, corrupto, degenerado e cego a qualquer consideração humanitária foram os personagens infames como Batista e Bru, ou Perón, e mais tarde Castro, Nasser, Arafat, Ahmadinejad, Mao Tse Tung, o Aiatolá Khomeini ou Saddam Hussein, eles são tidos como porta-vozes ‘do povo’, ‘da nação’, dos ‘trabalhadores’, dos ‘despossuídos’, dos ‘pobres’, dos ‘desabrigados ‘, dos refugiados’ e assim por diante. A doença crônica de uma considerável parte da ESQUERDA política é justamente a falha em perceber que tais líderes são tanto um sintoma quanto a causa básica dos problemas de seus países.


Título Original: Communist Party support for Castro and Batista
© Dr. Norman Berdichevsky
Cortesia de: NB
Data da Publicação em PortVitoria: 01 janeiro 2011;
Tradução de: Joaquina Pires-O’Brien

1.Comintern. Abreviatura de ‘Internacional Comunista’, designação do partido comunista internacional fundado em Moscou em março de 1919, e também conhecido como ‘Terceira Internacional’. Seu objetivo era lutar ‘com todos os meios disponíveis, incluindo a força armada, pela derrubada da burguesia internacional e pela criação de uma república Soviética internacional como um estágio de transição até a abolição completa do Estado’.

Tradutora: Joaquina Pires-O’Brien (UK)
Citação:
Berdichevsky, N. O apoio do Partido Comunista a Castro e Batista. PortVitoria, UK, v. 2, Jan-Jun, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com

Norman Berdichevsky

Scandinavia and Iberia are the two maritime peninsulas fronting on the Atlantic Ocean and respectively guarding the entrances to Europe’s two great inland seas–the Baltic and the Mediterranean. Each of these regions has witnessed both a struggle between a unifying cultural-linguistic and religious heritage, and a bitter national envy and rivalry that for a time encompassed union and threatened absorption of the “lesser” or “younger” sibling. This was followed by a renewed independence and sense of distinct identity and the identification of the “older” or “greater” rival with imperialist ambitions, and indelibly stamped as an arrogant and hypocritical usurper. In both peninsulas, the originally unified and ascendant powers of Denmark and Portugal achieved independence as a distinct nation-state, regional hegemony and a far flung overseas empire–only to lose out and suffer a long period of hurt feelings of inferiority vis-à-vis the newly dominant rival “big brother” (Sweden and Spain).

Psychiatrists use the term “sibling rivalry” to denote the frequent sense of competitiveness of siblings for the love of their parents, the affection of friends and relations and the relative success in their chosen careers and personal lives. The same characteristics and traits may be found among closely related nations that have had a long intertwined history, have often been united for a time in a long-lasting union, and speak closely related languages or regional dialects. Such pairs of nations that exhibit feelings of competitiveness, jealously and alternating phases of superiority and inferiority complexes are The “minor siblings” (Denmark and Portugal) increasingly relied upon their Atlantic coasts and overseas orientation to establish vast colonial empires in the mid-Atlantic (the Azores, Madeira, Brazil) and the North Atlantic (the Faeroes, Iceland and Greenland, and the Virgin Islands), and even further in Africa, India and Asia. One of the most fascinating and as yet incomplete studies of an episode in the history of exploration is the brief but fertile period of Portuguese-Danish cooperation (1425-1476).

It was the Portuguese who first achieved independence by expelling the Moors and achieving national unity, and then established a far-flung colonial empire, only to lose out later in large part to Spain. The result was a prolonged feeling towards the neighbor as an upstart and arrogant “big brother.” As late as the sixteenth century, Portugal’s greatest national poet, Luis De Camões, could still reflect on the two lands’ common heritage embracing all peoples of the Iberian Peninsula. In his epic poem, Os Lusiadas, he referred to the Portuguese as “Uma gente fortíssima de Espanha” (Canto I, verse 31). He used Espanha in the traditional geographic sense of the entire Iberian peninsular.

It was however the great successes of Portugal’s heroic explorers, seamen and cartographers that made such achievements in the Age of Discovery, and cemented the essential feeling of national character that made separation from Spain a mater of national pride rather than regional distinctiveness. The Portuguese love to reassert their imperial past that outlasted Spain’s, even though the final remnants eventually disappeared after World War II (Mozambique, Angola, Cape Verde islands, Goa, East Timor and Macao). Quite a few Portuguese, while bemoaning the loss of empire, at least have the satisfaction knowing that there are almost as many speakers of Portuguese as Spanish. Some were therefore recently dismayed to learn that Brazil, the largest Portuguese-speaking nation, adopted a new educational curriculum making Castilian Spanish a required subject (as the obligatory first foreign language studied in all schools).

Spanish Role as the “Big Brother”
Observers point out that the Portuguese national character is more sentimental, ironic, mild, and even more melancholic (as can be hear so clearly in the lilting strains of Fado music). These characteristics are often held up as the opposite of Castilian culture. Intense Spanish pressure and forced dynastic marriage compelled the Portuguese to follow the Spanish example of expelling the Jews in 1497, a step that deprived Portugal of many of its best merchants, diplomats, mathematicians, geographers, astronomers and cartographers. Feelings of resentment were aggravated by Spanish attempts to absorb Portugal, which temporarily succeeded from 1580-1640 (a period known as “The Spanish Captivity”). It was a political mistake that only encouraged a strong and proud reaction that cemented the identity of an independent Portuguese nation, a separate state and culture. Imagine what problems Spain would face today, if, on top of the current separatist agitation in the Basque country and Catalonia, Portugal was another antagonistic region.

Similar resentment against the Swedes
The popular press in Denmark delights in playful teasing and taunting the older brother rival – Sweden in much the same way. Although educated people regard this pandering to old prejudices as the cheapest form of sensationalism, its continued emotional long-term appeal cannot be doubted. A favorite part of this teasing is the double-meanings employed in manipulating the two closely related languages. Danes and Swedes will often prefer to converse in English rather than speak their own languages with each other. The written form is sufficiently similar so that the general meaning of texts can be generally understand but differences in intonation, pronunciation and the distinct different meanings of closely sounding words provide an endless form of humor. Swedes have a special “Sj” sound and most Danes use a pronounced glottal stop that is difficult for non-natives to imitate. All this may seem like making a mountain out of a molehill for many foreign observers who imagine that the Scandinavian peoples are so similar they should have long ago buried the hatchet. Indeed, all the Scandinavian states remain among the most stable in the world politically. They cooperate in many economic and social areas such as the joint SAS airline and are culturally, socially and linguistically similar, but maintain a distinct sense of political separateness.

‘The case of Sweden’ (Tilfældet Sverige) by the Danish journalist, Mogen Berendt became a popular best seller in Denmark during the 1980s. He analyzed renewed Danish-Swedish policies and popular prejudices that have contributed irritating, albeit minor, disagreements. These included the proximity of the Swedish nuclear power plant in Barsebeck facing the Danish coast of Zealand and Copenhagen, Swedish import regulations affecting the sale of Danish pork products, differences in policies over taxation, the sale of alcoholic beverages, differences in adoption laws and a border dispute over the island of Hesselø, an island with a handful of inhabitants.

The Swedes are often the target of jokes and satire that picture them as arrogant, snobbish, overly formal and fond of titles. A victory by the Danish team over its Swedish rival in international competition is still considered the most emotionally satisfying for Danish football fans. Well known Danish psychologist Per Christensen, commenting on the underlying reasons for the appeal of the book had this to say:

The Swedes have typical narcissistic traits. They feed on an ingrown imaginary greatness. The Swedes are full of megalomanic impressions and are clearly tied to their own traits and achievements. The Danes, can on the other hand, be described as chronic depressives with a lack of self-confidence and a tendency to exaggerated skepticism of highflying plans and ideas. The Swedish attitude towards Denmark easily becomes commandeering, arrogant and nonchalant.

Overseas expansion of the two Atlantic powers: Portugal and Denmark
One of the most fascinating but as yet unanswered questions regarding the controversy over “Who Discovered America” is the role played by joint Portuguese-Danish ventures and cooperation (1425-1476). Why did two distant and unrelated nations maintain such ties for a period of over fifty years?

Prince Henry the Navigator had been in touch with the Danish court through his brother Don Pedro who had fought together with the Danish King Erik VII and visited him in 1426. The following Danish king, Christopher III sent several Danes to study at Prince Henry’s school in Sagres. The Portuguese then invited a Danish noblemen (whose name was turned into the Portuguese sounding Vallarte) to lead one of these expeditions in 1448 (the only foreigner to be accorded such an honor) as the Portuguese slowly made progress sailing further South along the coasts of West Africa.  This “Vallarte” was sent to negotiate with the natives of the Cape Verde Islands whose king was thought to be a Christian. Vallarte was either killed or captured which must have dampened the eagerness of Danish noblemen to sail with the Portuguese.

Only a few decades earlier, the last Norwegian-Danish contacts had been made with the old dwindling Viking colony on Greenland. King Christian I of Denmark sent an unsuccessful expedition to explore the shores of the Arctic Ocean with the hope of finding a Northwest Passage to China and India sometime between 1470 and 1472. The fact that both the Danes and Portuguese were making efforts to reach India and eventually China resulted in this cooperation along with the common strategy of outflanking their rivals at home – Spain and Sweden.

Two daring Danish (or German) sea captains, Hans Pothorst and Didrik Pining were appointed by King Christian I to discover new islands and lands in the northern seas sometime in the 1470s. What is in dispute is to whether or not the Danish voyage to the West was accompanied by João Vaz Corte Real, the personal envoy of the Portuguese king and if this expedition reached Greenland.

Samuel Eliot Morison, the leading authority on pre-Columbian voyages of exploration and discovery doubts the authenticity of the claim that a voyage involving Pothorst, Pining and Core Real reached North America. He finds it unlikely for a host of reasons – meteorological, unsubstantiated source material and the simple “lack of a motive”  The motive could well have been the mutual benefit derived from Portuguese advances in cartography and navigation combined with the Viking daring and familiarity with previous voyages to Greenland and North America. The two kings must have well been aware sixteen years prior to the first voyage of Columbus, that the world was round and that it would be possible to reach  India and China by sailing West. From the Danes, the Portuguese had learned that there was no tenable “Northwest Passage” and that Greenland was so barren and inhospitable that the old Viking settlement had been unable to survive and so little wonder that the Portuguese refused Columbus’  initial request for support to reach “The Indies”.

The Portuguese thus continued their steady attempts by Vasco da Gama to circumnavigate Africa and eventually succeeded in 1497. A mosaic memorial on the Avenida da Liberdade in Lisbon, states that João Corte Real was the real discoverer of America and even the two volume authoritative history of Denmark by Bent Rying, published by the Royal Danish Ministry of Foreign Affairs accepts the accounts of Pothorst’s voyage to Labrador in 1476. Rying adds that Pothorst confessed his “Depredations in Vinland” at Christmas mass in the priory church at Elsinore in 1484.

There has been considerable recent speculation (or wishful thinking?) that Columbus was really a Portuguese spy bent on misleading the Spanish throne throughout his four voyages and pretending  that he had indeed landed in Asia rather than a “New World”. If this is so, it will undoubtedly be recorded as the greatest double-cross in history. See the well documented case in The Portuguese Columbus; Secret Agent of King john III by Mascarenhas Barreto  Macmillan, 1972; in English 1992) that Columbus was originally a Portuguese Jew.  None of his written records were made in any form of Italian. They bare all the hallmarks and errors of a Portuguese speaker who has learned Spanish!

One might even go further and suspect a world-wide Portuguese conspiracy when Fernando de Magalhães (Magellan), a Portuguese seaman, volunteered his services to the Spanish crown to discover a “Southwest Passage” Magellan’s route westward around South America’s southern tip in the first circumnavigation of the world but it was a much more perilous and longer route than the well established Portuguese routes to India and China by rounding Africa and sailing eastward.  This enabled the Portuguese to dominate trade with Africa and Asia for a fifty year period, 1470-1520, while the Spaniards were occupied in ventures sailing westward. The Portuguese jealously guarded their maps and records of all voyages. The death penalty was prescribed for misappropriation of maps and sailing charts. Log books were often frequently falsified with misleading recordings of longitude to ensure that Portugal’s trade with the East was undisturbed.

What is true no matter what the actual historical record is that there is a deep reluctance on the part of many Danes and Portuguese to simply defer to Spanish and Swedish claims that assert their role as the Big Brother.

There is great resentment too that Portugal during the period of the Spanish Captivity was drained of its resources and forced to provide much of the timber, a substantial number of ships and crews and its nautical expertise as part of the doomed “Invincible Armada” in the foolhardy attempt by Spain to invade England in 1588 and restore the Catholic faith there as the state religion.

The Portuguese often sadly reflect that their loss of empire was the result of attempts to seize control of much of Morocco and North Africa from its base in Ceuta. There they faced a numerically superior enemy armed with equivalent firearms, while the Spaniards obtained much of their great empire in the Canary Islands, Mexico, Peru, the Americas and the Philippines by fighting people who possessed a Stone Age technology.

_________________________________________________________________________

Citation:

Berdichevsky, N. Sibling rivalry and the discovery of America. Was a Portuguese-Danish cooperation involved? PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/