Língua Portuguesa

Olavo Bilac (1865-1818)*

Última flor do Lácio, inculta e bela,

És, a um tempo, esplendor e sepultura:

Ouro nativo, que na ganga impura

A bruta mina entre os cascalhos vela.

 

Amo-te assim, desconhecida e obscura,

Tuba de alto clangor, lira singela,

Que tens o tom e o silvo da procela

E o arrolo da saudade e da ternura!

 

Amo o teu viço agreste e o teu aroma

De virgens selvas e de oceano largo!

Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

 

Em que da voz materna ouvi: “meu filho!”

E em que Camões chorou, no exílio amargo,

O gênio sem ventura e o amor sem brilho!

 

 

 

Via Láctea

Olavo Bilac*

Ora (direis) ouvir estrelas! Certo

Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto,

Que, para ouvi-las, muita vez desperto,

E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda a noite enquanto

A via láctea, como um pálio aberto,

Cintila. E ao vir do Sol, saudoso e em pranto

Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado-amigo!

Que conversas com elas? Que sentido

Têm o que dizem, quando estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!

Pois só quem pode ter ouvido

Capaz de ouvir e entender estrelas.”

* Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (1865-1918), Brazilian poet.

 

Adiós

Gabriela Mistral (1889-1957)**

En costa lejana

y en mar de Pasión,

dijimos adioses

sin decir adiós.

Y no fue verdad

la alucinación.

Ni tú la creíste

ni la creo yo,

«y es cierto y no es cierto»

como en la canción.

Que yendo hacia el Sur

diciendo iba yo:

«Vamos hacia el mar que devora al Sol».

Y yendo hacia el Norte

decía tu voz:

«Vamos a ver juntos

donde se hace el Sol».

Ni por juego digas

o exageración

que nos separaron

tierra y mar, que son

ella, sueño y el

alucinación.

No te digas solo

ni pida tu voz

albergue para uno

al albergador.

Echarás la sombra

que siempre se echó,

morderás la duna

con paso de dos…

Para que ninguno,

ni hombre ni dios,

nos llame partidos

como luna y sol;

para que ni roca

ni viento errador,

ni río con vado

ni árbol sombreador,

aprendan y digan

mentira o error

del Sur y del Norte,

del uno y del dos!

 

** Gabriela Mistral is the pseudonum of Lucila Maria del Perpetuo Socorro Godoy Alcayaga (1889-1957), Chillean poet.

Joaquina Pires-O’Brien

Book Review of Historia de la Lengua Española by Rafael Lapesa. Biblioteca Románica Hispánica/Editorial Gredos, Madrid. 1981, 9th ed. ISBN 84-249-0072-3.

Rafael Lapesa’s book Historia de la Lengua Española has been a major reference on the history of the Spanish language for nearly three decades, as can be deduced from its numerous editions and reprints since it was first published in 1981. It encompasses not just the major evolutionary phases of the Spanish language but also the cultural background behind it. Although the specialised readership can profit the most from this book, it has also a great deal of interesting things to amuse the non-specialised readership. One example is the clear and authoritative narrative of the historical backdrop that allowed the formation and the evolution of the Spanish language.

Spanish is one of the many Romance languages, together with Catalan, Portuguese, French, Italian, Romanian and many dialects. They all derived from the Vulgar Latin spoken by the Romans who occupied most of Europe and the Mediterranean from about one hundred years BCE (Before the Common Era) to the year 476, when the Visigoths’ last assault on Rome brought down the Western Roman Empire. However, Vulgar Latin was not the only origin of Spanish and Portuguese. The Ecclesiastical Latin introduced in the Iberian Peninsula by the first Christians during the second half of the occupation also left its mark, while the creation of Modern Latin in the 15th century facilitated the creation of the first Romance grammars.

Lapesa’s book starts before the Roman Empire and its occupation of the Iberian Peninsula. The latter was already occupied by other peoples including the Basques, whose descendants still live in the Pyrenees, on third and second centuries BCE. At that time Latin was just one among many other languages spoken in the regions of Italy and the Levant prior to the start of the Roman Empire. In the ancient Greek writing compiled by Herodotus (ca 480-430 BCE), there are many references to Iberia, such as the region in Huelva, Spain, which was occupied by Iberian settlers that came from Northern Africa. Another indication of the presence of pre-Roman occupiers in the Iberian Peninsula is the matching of place names from Huelva to the Pyrenees in Etruria and other Italian regions.

According with the ancient Greek writings, the region of modern Andalucía and Southern Portugal was inhabited by the Turdetans, which belonged to the Tartesia civilization. The Turdetans would have received their influences from the seafarers from the Far East and are thought to be linked to the Tysens of Lydia in Asia Minor, who originated the Tyrens and Ethruscs of Italy. The Spanish linguist Don Manuel Gómez-Moreno, decoded the Turdetan inscriptions found in Iberia and those from the original location, as well as most of the ancient inscriptions found in Iberia.

The Etruscans would also have settled in the Spanish coast from Levant to Mediodía (in the Pyrenees). The Phoenicians established themselves in the coast of Spain and founded the town of Gádir in 1100 BCE, in Gadir, now Cádiz. Another Phoenician colony is Malaga, in Andalusia, and Abdera (presently Adra), in Almeria. The city Cartagena was the New Carthage that the ancient Carthaginians founded in the region of Murcia.

There were also Greeks in the Iberian Peninsula before the Romans. Their settlements went from the South to the Levant region, where they spoke Lucent. Towards the middle and the West of Iberia there is archaeological evidence from cultivated fields and burial grounds suggesting the presence of Indo-European settlements from Central Europe, at about 1000 BCE.

Herodotus also refers to the presence of Celts in Portugal and in the Low Andalucía in the year 445 BCE, and further Celtic settlements are also thought to be likely. The Ligurian presence in Spain, which was also mentioned by other Greek historians, is supported by coincidences of place names in Spain and in the Liguria region of Italy. As recorded by the Greek geographer Estrabón, at the time of Augustus there was a great diversity of languages in the Hispanic Peninsula. After the arrival of the Romans, the whole of Iberia apart from the Basque region took up the language spoken by the Romans, by converting their vocabulary into Vulgar Latin. There is a long list of words from the Spanish vocabulary that cannot be traced to Latin or to other languages, as well as many suffixes that are clearly Pre-Roman.

The early Iberians gave up their language after the Roman occupation, partly due to the pressures from the Romans and partly as a trade off for the security that came with the Roman rule of law introduced in the provinces by the emperor Vespasian. In 212 the emperor Caracalla made the Hispanics citizens of the Roman Empire. The Roman conquest changed the Iberian society. The customs the Romans introduced included those of the Hellenic civilization incorporated in their own culture. After the arrival of Christianity, the introduction of ecclesiastical Latin, including the text of the New Testament, helped to complete the latinization of the Iberian language.

After the end of the Roman Empire, however, the provinces became separated from one another and the result of that was that their language fragmented into different languages and dialects. From the third century the Germanic Vandals began to invade the Iberian Peninsula, causing a lot of destruction along their path. In 409, they invaded it again in massive numbers, shortly before the Visigoth king Alaric carried out the first ransack of Rome.

The mark of the Germanic peoples in the Romance languages is widely discussed by Lapesa. The Romance languages were to receive further changes from the Arabs, which moved to Southern Iberia to spread the new religion of Islam, arriving in Iberia just as the German invaders had began to settle. The first primer to teach how to write Romance was published in 1532 by Bernabé Busto, a court tutor, and it was during the rule of Phillip II that school children began to learn the grammar of the vulgar language.

The Christian reconquest began slowly from the 9th century. The culture of the early Christian Iberians combined their old customs with violent Visigoth habits of bloody revenges and family feuds, while disputes were resolved by force rather than by a rule of law. From the 9th to the 11th century there were some Christian kingdoms in Iberia, with defined legal provinces and parishes.

Castilian, as the Spanish language was called, began to emerge at the end of the medieval period when Hispanic writers decided to emulate their Italian counterparts and to write in the vulgar language instead of Latin. The first texts, from the 12th century, were with epic poems evoking past heroes and glories ( Mío Cid, Roncesvalles and Los Infantes de Lara) while poems containing narratives (Alexandre and Apolonio) appeared later. In 1490 Alfonso de Palencia published the first vocabulary and in 1492 Antonio de Nebrija published the first grammar. After that, the first dictionary of Latin appears and the Bible is translated into vernacular. The Spanish prose finally came of age with the novels Cárcel de Amor (ca 1480), and La Celestina (1499) and Amadis (1508) which were translated into other languages.

The reverse of the Roman conquest occurred during a period after the discoveries when Portugal and Spain became powerful empires. Under Alfonso V, the Spanish empire gained control over Naples and from then on it was to exert a powerful influence over the entire Europe. This plus the rivalry between the Spanish and the English led the Spanish to publish Spanish dictionaries and Spanish grammars. Now it was the turn of Spain and its language to influence the rest of Europe. Examples of Hispanic influence include sforzato, sforzo, sussiego, grandioso, disinvoltura in Italian; brave, bravoure, désinvolte, grandiose, fanfarrron, in French. The Americanisms that entered in Europe did so via Spanish, with words such as potato, caiman, canoe, cochineal, hammock, hurricane, maize, pirogue and tobacco.

According to Lepesa, the raise of Castilian as a literary language coincided with the decline of Catalan and it was due to the use of Castilian at the court and to the need for unity in internal and external communication. The Castilian language was also spoken in Portugal. Lepesa mentions the bilingualism of the early classic Portuguese writers such as the authors of the Cancioneiro de Resende, Gil Vicente, Camões and Rodrigo Lobo e Melo.

The modern Romance languages came of age during the Renaissance. To Lapesa, this was not just due to the new fashion of reshaping them according to the Greeks and Roman classics, but also because of the new fashion in that period of exulting nature and spontaneity. One of the works of the period worthy of mention is Juan de Valdés 1535 book Diálogo de la Lengua. Just after the Renaissance period came the Golden Age of the Spanish literature, whose greatest work is undoubtly Don Quixote by Miguel de Cervantes, characterized by familiar dialogues and a realistic prose.

After examining the work of other writers of the Golden Age of the Spanish literature, Lapesa moves on to Modern Spanish and the creation of the Spanish Royal Academy in 1713. The latter fomented the Spanish language through the publication of reference books, the republication of various other books including a sumptuous edition of Don Quixote and the stirring of orthographic reforms. The Academy continues to guide the evolution of Modern Spanish especially after the introduction of innumerous Gallicisms and Anglicisms in the 20th century.

The last chapters deal with the variations of Spanish in Spain and in the Americas and the rest of the world. After discussing the archaisms preserved in the Spanish spoken by the Jewish-Spanish communities of Morocco and other parts of Northern Africa and Turkey, who settled in these regions after their expulsion from Spain, Lapesa moves on to the Spanish that was taken to America. He discusses the indigenous influences in the American Spanish and produces a map of Central and South America showing the various linguistic regions based on their preferences regarding and the ‘y-ism’ in the pronunciation of certain consonants.

The American Spanish that resembles most the Spanish of Andalucía is that spoken in the Caribbean and the Antilles, which Lapesa attributes to the migrations that took place in the 16th century and their continued relations with the Canaries. In relation to the continent, the speech of the mountains is closer to that of Castilian than that of the Llanos and the coastal zones. American Spanish shows a divide between the cultivated and the uncultivated form of speech, but so does the Iberian Spanish. In spite of all the differences that the linguists have catalogued there is still a unity in the Spanish language of Iberia and the New World. The increased cultural exchange and communication that appeared in the latter part of the 20th century has staved off the fear of language split.

_________________________________________________________________________

Citation:

LAPESA, R. Historia de la Lengua Española. Madrid, Biblioteca Románica Hispánica – Editorial Gredos, 9th ed., 11th rpt 2001. ISBN 84-249-0072-3. Review by: PIRES-O’BRIEN, J. (2010). The history of Spanish. PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com

 

Joaquina Pires-O’Brien

Book Review of The Horse the Wheel and Language: How Bronze-age Riders from the Eurasian Steppes Shaped the Modern World by David W. Anthony. Princeton University Press, Princeton and Oxford. 2007. ISBN 13:978-0-691-05887-0

David W. Anthony is a professor of anthropology at Harwick College, a small private college in Oneonta, NY, who has conducted extensive fieldwork in Ukraine, Russia and Kazakhstan. His book The Horse the Wheel and Language: How Bronze-age Riders from the Eurasian Steppes Shaped the Modern World, published in 2007, is a well organised synthesis of the theory that places the location of Proto-Indo-European in the steppes of southern Ukraine, Russia and Kazakhstan. He accompanied closely all the archaeological work being carried out in the Eurasian steppes as well as the research on the reconstruction of Proto-Indo-European by comparative linguists. His account swings backs and forth from linguistics to archaeology with his personal interpretation of the archaeological-anthropological cultures at the centre of the theory.

Although Europe and Asia form one super-continent, there is an extensive mountain chain separating them — The Urals, which spans in the north-south direction for more than 2,000 km; they are crossed by a seven thousand long belt of steppes that stretches from Eastern Europe on the west, between Odessa and Bucharest, to the Great Wall of China on the east. The Urals make east-west migration difficult but not impossible, except in the five year period just after the end of the last Ice Age, when the Black and the Caspian Seas on its West side, formed a huge body of water that isolated the inhabitants from either side of what is known as the Ural-Caspian frontier.

The region West of the Urals and north of the Black and the Caspian Seas, referred to as the Pontic-Caspian frontier due to the region above the Black Sea being known by the ancient Greeks as Pontus Euxeinos, is the supposed original place of Proto-Indo-European, the language that originated the 12 branches of the Indo-European language family which in turn originated the languages that originated Sanskrit, Greek and Latin. The precise area is that of the steppes that extend east ways from southern Ukraine and Russia to Kazakhstan. This theory is known as the Kurgan theory, in reference of the Kurgan culture that formed the original speakers of Proto-Indo-European. It surpassed the alternative Anatolian theory proposed by Sir Colin Renfrew, which links the expansion of language to the expansion of agriculture. There are two problems of the latter theory, which places the first separation between the parent Indo-Hittite language and Proto-Indo-European between 6,700 and 6,500, when the Anatolia farmers would have migrated to Greece. The first problem is that the presence of carts in Europe only appears in the archaeological record around 3,500 BCE (Before the Common Era). The second problem is that around that time when the first carts appeared, the Indo-European language should have been more diversified and rich for it would be over three thousand years old.

Anthony’s book contains a massive amount of evidence obtained from archaeology, comparative linguistics, anthropology and geography, including 24 pages of notes on the sources used in each chapter and 38 pages of references. He also took the painstaking job of cross-referencing a variety of sources to compile the tables and to prepare the illustrations he used to build his case. The illustrations include all sorts of maps, diagrams of excavation sites and settlements, ceramics, tools etc. One illustration I found interesting and gruesome compares the maces (large hammers used to crack heads of cattle) of Old Europe, Suvorovo Danube and Transylvania and the Pontic-Caspian steppes.

The big picture that Anthony so well manages to deliver includes the notion that archaeology is not just bones and fragments of objects. There are the thousands of old inscriptions in ceramic fragments which archaeological linguists must decipher, catalogue and compare. Dead languages are reconstructed by contrasting preserved scripts with living ‘fossils’ of live languages – recognised through their irregular forms. As Anthony explains, the process of discovery of the homeland of Proto-Indo-European started by seeking the earliest phase of Indo-European, that is, the oldest of the Indo-European languages. It is a complex process that involves examining the ancient vocabularies preserved in the archaeological record or reconstructed by some indirect means.

The oldest branch of Indo-European was Anatolian, from which stems three branches: Hittite, Luwian and Palaic, all of which extinct. Of these the best known is Hittite, which was spoken by the Hittite Empire. Central Anatolia, a region that comprises Kayseri, in modern Turkey, was occupied by the Hittites as early as 1900 BCE, although the Hittite empire there was created later, between 1650 and 1600 BCE. The dating of Proto-Anatolian was estimated at 3,400 BCA, based on the date when Luwian and Hittite would have separated. The next question was when did the root of the Anatolian branch separated from the rest of Proto-Indo-European.

In the ‘Old Europe’ that existed before the arrival of the Indo-Europeans, there were farming communities in the Danube valley which were “technologically advanced and aesthetically sophisticated”. In the Eurasian steppes just north of the Black Sea, lived a culture of Neolithic pioneer herders that arrived there at around 5,800 BCE and whose cattle could have originated from the Danube valley, through the Caucasus Mountains. The harsh environment of the Eurasian steppes “laid the foundation for the kinds of power politics and rituals that defined early Proto-Indo-European culture”. Their social organisation gradually became more complex and their culture prospered. They could convert grass, make textiles, tents and clothing and how to produce yogurt and cheese. They even composed poetry and valued it as a currency. In contrast to them, on the East side of the Urals, which had been cut off from the West side by the large sea that appeared after the last Ice Age, lived a much more primitive human society whose inhabitants rejected the domestication of cattle and remained foragers for the next few thousands of years. Both societies West and East of the Urals remained separated from the civilised world for thousands of years, until the society on the West acquired the habit of horseback ridding and created a corridor connecting themselves to the other civilizations.

Anthony’s account describes the construction of maps of the various regions of the ancient world showing where there were horses and carts, from bones (especially teeth) and wheel parts preserved in the archaeological record. After the peoples who lived west of the Urals developed the habit of horseback ridding, sometime before 4,200 BCE, a corridor of transcontinental communication was created putting an end to their isolation from the civilised world.

The oldest reconstructed Indo-European languages such as Imperial Hittite, Mycenaean Greek and the most ancient forms of Sanskrit (or Old Indic) allowed scholars to describe their cultures as “militaristic societies that seemed to erupt into the ancient world driving chariots pulled by swift horses”. The chariots empowered the Proto-Indo-European culture to penetrate into Old Europe at about 4,200 BCE and to spread themselves to the rest of the continent. The archaeological record shows that the old warfare was firstly based on chariots and that the cavalry of mounted archers only appeared around 800 BCE. It also shows that between 1700 and 700 BCE the chariots were the favoured weapons of pharaohs and kings throughout the ancient world, which in turn suggests that the Indo-European speakers could have been the first to have chariots.

Anthony’s account of the Kurgan theory that places the oldest speakers of Proto-Indo-European in the Eurasian steppes is fully documented by the archaeological record and is consistent with all other historical evidence. The association between man and his horse made all the difference not just in surviving but also for the development of the intellect. He shows how the same warriors in horse driven carriages who created havoc as they penetrated into Europe could also sing, give prayers to their gods and praise their past heroes in epic oral poems. Anthony’s narrative showing how the horse and the cart gave the inhabitants of the Pontic steppes the edge to survive and thrive is a well documented work of synthesis and one of the most fascinating reads that I have discovered in recent years.

__________________________________________________________________________

Citation:

ANTHONY, D. W. The horse the wheel and language: how Bronze-age riders from the Eurasian steppes shaped the Modern World. Princeton and Oxford, Princeton University Press, 2007. ISBN 13:978-0-691-05887-0. Review by: PIRES-O’BRIEN, J. (2010).The strategic partnership of man and his horse. PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/

Ricardo Schütz

The history of every language is unique, because each language is inherently bound to the thinking, nature, and spirit of a people, all of which are continuously altered by the twists and turns of events. (Crane, Yeager and Whitman. An Introduction to Linguistics)

INTRODUÇÃO
A língua inglesa é fruto de uma história complexa e enraizada num passado muito distante.

Há indícios de presença humana nas ilhas britânicas já antes da última era do gelo, quando as mesmas ainda não haviam se separado do continente europeu e antes dos oceanos formarem o Canal da Mancha. Esse recente fenômeno geológico que separou as ilhas britânicas do continente, ocorrido há cerca de 7.000 anos, também isolou os povos que lá viviam dos conturbados movimentos e do obscurantismo que caracterizaram os primórdios da Idade Média na Europa.

Sítios arqueológicos evidenciam que as terras úmidas que os romanos vieram a denominar de Britannia já abrigavam uma próspera cultura há 8.000 anos, embora pouco se saiba a respeito.

OS CELTAS
A história da Inglaterra inicia com os celtas.

Por volta de 1000 a.C., depois de muitas migrações, vários dialetos das línguas indo-européias tornam-se grupos de línguas distintos, sendo um desses grupos o celta. Os celtas se originaram presumivelmente de populações que já habitavam a Europa na Idade do Bronze. Durante cerca de 8 séculos, de 700 a.C. a 100 A.D., o povo celta habitou as regiões hoje conhecidas como Espanha, França, Alemanha e Inglaterra. O celta chegou a ser o principal grupo de línguas na Europa, antes de acabarem os povos celtas quase que totalmente assimilados pelo Império Romano.

A PRESENÇA ROMANA
Em 55 e 54 a.C. ocorrem as primeiras invasões romanas de reconhecimento, sob o comando pessoal de Júlio César. Em 44 A.D., à época do Imperador Claudius, ocorre a terceira invasão, quando então a principal ilha britânica é anexada ao Império Romano até os limites com a Caledônia (atual Escócia) e o latim começa a exercer influência na cultura celta-bretã. Três séculos e meio de presença das legiões romanas e seus mercadores, trouxeram profunda influência na estrutura econômica, política e social das tribos celtas que habitavam a Grã Bretanha. Palavras latinas naturalmente passaram a ser usadas para muitos dos novos conceitos.

OS ANGLO-SAXÕES
Devido às dificuldades em Roma enfrentadas pelo Império, as legiões romanas, em 410 A.D., se retiram da Britannia, deixando seus habitantes celtas à mercê de inimigos (Scots e Picts). Uma vez que Roma já não dispunha de forças militares para defendê-los, os celtas, em 449 A.D., recorrem às tribos germânicas (Jutes, Angles, Saxons e Frisians) para obter ajuda. Estes, entretanto, de forma oportunista, acabam tornando-se invasores, estabelecendo-se nas áreas mais férteis do sudeste da Grã-Bretanha, destruindo vilas e massacrando a população local. Os celtas-bretões sobreviventes refugiam-se no oeste. Prova da violência e do descaso dos invasores pela cultura local é o fato de que quase não ficaram traços da língua celta no inglês.

São os dialetos germânicos falados pelos anglos e pelos saxões que vão dar origem ao inglês. A palavra England, por exemplo, originou-se de Angle-land (terra dos anglos). A partir daí, a história da língua inglesa é dividida em três períodos: Old English, Middle English e Modern English. A segunda metade do século V, quando ocorreram as invasões germânicas, marca o início do período denominado Old English.

INTRODUÇÃO DO CRISTIANISMO
Em 432 A.D. St. Patrick inicia sua missão de levar o cristianismo à população celta da Irlanda. Em 597 A.D. a Igreja manda missionários liderados por Santo Agostinho para converter os anglo-saxões ao cristianismo. O processo de cristianização ocorre gradual e pacificamente, marcando o início da influência do latim sobre a língua germânica dos anglos-saxões, origem do inglês moderno. Esta influência ocorre de duas formas: introdução de vocabulário novo referente a religião e adaptação do vocabulário anglo-saxão para cobrir novas áreas de significado. A necessidade de reprodução de textos bíblicos representa também o início da literatura inglesa.

A introdução do cristianismo representou também a rejeição de elementos da cultura celta e associação dos mesmos a bruxaria. A observação ainda hoje de Halloween na noite de 31 de outubro é exemplo remanescente de cultura celta na visão do cristianismo.

Àquele período, a Inglaterra encontra-se dividida em sete reinos anglo-saxões e o Old English, então falado, na verdade não era uma única língua, mas sim uma variedade de diferentes dialetos.

Os dialetos do inglês antigo de antes do cristianismo eram línguas funcionais para descrever fatos concretos e atender necessidades de comunicação diária. O vocabulário de origem greco-latina introduzido pela cristianização expandiu a linguagem anglo-saxônica na direção de conceitos abstratos.

Ao final do século 8, iniciam os ataques dos Vikings contra a Inglaterra. Originários da Escandinávia, esses povos usavam de violência e seus ataques causaram destruição em muitas regiões da Europa. Os vikings que se estabeleceram na Inglaterra eram predominantemente provenientes da região hoje pertencente à Dinamarca e falavam Old Norse, ancestral do dinamarquês. Esses mais de 200 anos de presença de escandinavos na Inglaterra naturalmente exerceram influência sobre o Old English. Entretanto, devido à semelhança entre as duas línguas, torna-se difícil determinar esta influência com precisão.

OLD ENGLISH (500 – 1100 A.D.)
Old English, às vezes também também denominado Anglo-Saxon, comparado ao inglês moderno, é uma língua quase irreconhecível, tanto na pronúncia, quanto no vocabulário e na gramática. Para um falante nativo de inglês hoje, das 54 palavras do Pai Nosso em Old English, menos de 15% são reconhecíveis na escrita, e provavelmente nada seria reconhecido ao ser pronunciado. A correlação entre pronúncia e ortografia, entretanto, era muito mais próxima do que no inglês moderno. No plano gramatical, as diferenças também são substanciais. Em Old English, os substantivos declinam e têm gênero (masculino, feminino e neutro), e os verbos são conjugados.

A CONQUISTA DA INGLATERRA PELOS NORMANDOS NA BATALHA DE HASTINGS
A Batalha de Hastings em 1066, foi um evento histórico de grande importância na história da Inglaterra. Representou não só uma drástica reorganização política, mas também alterou os rumos da língua inglesa, marcando o início de uma nova era.

A batalha foi travada entre o exército normando, comandado por William, Duque da Normandia (norte da França), e o exército anglo-saxão liderado por King Harold, em 14 de outubro de 1066.

O predecessor de Harold havia tido fortes vínculos com a corte da Normandia e supostamente prometido o trono da Inglaterra para o Duque da Normandia. Após sua morte, entretanto, o conselho do reino apontou Harold como sucessor, levando William a apelar para a guerra como forma de impor seus pretensos direitos.

Veja como um artista do século 11 representou, em tapeçaria, a travessia do Canal da Mancha pelas tropas de William:

[…]

A sangrenta batalha só terminou ao fim do dia, com o Rei Harold e seus irmãos mortos e um saldo de 1500 a 2000 guerreiros mortos do lado normando e outros tantos ou mais, do lado inglês.

William havia conquistado em poucos dias uma vitória que romanos, saxões e dinamarqueses haviam lutado longa e duramente para alcançar. Ele havia conquistado um país de um milhão e meio de habitantes e provavelmente o mais rico da Europa, na época. Por esse feito ficou conhecido na história como William the Conqueror.

O regime que se instaurou a partir da conquista foi caracterizado pela centralização, pela força e, naturalmente, pela língua dos conquistadores: o dialeto francês denominado Norman French. O próprio William l não falava inglês e, por ocasião de sua morte em 1087, não havia uma única região da Inglaterra que não fosse controlada por um normando. Seus sucessores, William II (1087-1100) e Henry I (1100-1135), passaram cerca de metade de seus reinados na França e provavelmente possuíam pouco conhecimento de inglês.

Durante os 300 anos que se seguiram, principalmente nos 150 anos iniciais, a língua usada pela aristocracia na Inglaterra foi o francês. Falar francês tornou-se então condição para aqueles de origem anglo-saxônica em busca de ascensão social através da simpatia e dos favores da classe dominante.

MIDDLE ENGLISH (1100 – 1500)
O elemento mais importante do período que corresponde ao Middle English foi, sem dúvida, a forte presença e influência da língua francesa no inglês. Essa verdadeira transfusão de cultura franco-normanda na nação anglo-saxônica, que durou três séculos, resultou principalmente num aporte considerável de vocabulário. Isto demonstra que, por mais forte que possa ser a influência de uma língua sobre outra, esta influência normalmente não vai além de um enriquecimento de vocabulário, dificilmente afetando a pronúncia ou a estrutura gramatical.

O passar dos séculos e as disputas que acabaram ocorrendo entre os normandos das ilhas britânicas e os do continente, provocam o surgimento de um sentimento nacionalista e, pelo final do século 15, já se torna evidente que o inglês havia prevalecido. Até mesmo como linguagem escrita, o inglês já havia substituído o francês e o latim como língua oficial para documentos. Também começava a surgir uma literatura nacional.

Muito vocabulário novo foi incorporado com a introdução de novos conceitos administrativos, políticos e sociais, para os quais não havia equivalentes em inglês. Em alguns casos, entretanto, já existiam palavras de origem germânica, as quais, ou acabaram desaparecendo, ou passaram a coexistir com os equivalentes de origem francesa, em princípio como sinônimos, mas, com o tempo, adquirindo conotações diferentes. Exemplos:

 

·         Anglo-Saxão Francês Anglo-Saxão Francês Anglo-Saxão Francês
answer begin bill chicken clothe come end fair feed respond commence beak poultry dress arrive finish beautiful nourish folk freedom ghost happiness help hide house hunt kin people liberty phantom felicity aid conceal mansion chase relations kingly look pig sheep shut sight wish work yearly royal search pork mutton close vision desire labor annual

Pequenas diferenças dialetais resultantes desta simbiose entre diferentes grupos sociais e suas respectivas línguas podem ser observadas ainda atualmente. Nos meios intelectuais das classes mais privilegiadas dos países de língua inglesa existe até hoje uma tendência a um uso maior de palavras de origem latina. De acordo com o norte-americano Pat Brown, freqüentador do fórum de discussões deste site,

The split between the French-speaking Normans and peasant English-speaking Saxons still exists today in a curious fashion. The Normans, as the conquerors and rulers, became the upper-class of England and their speech metamorphosed into today’s well-educated English – composed primarily of Latin-based vocabulary. The common everyday speech of most modern English speakers however is still directly based on the Anglo-Saxon.

Além da influência do francês sobre seu vocabulário, o Middle English se caracterizou também pela gradual perda de declinações, pela neutralização e perda de vogais atônicas em final de palavra e pelo início do Great Vowel Shift.

 

THE GREAT VOWEL SHIFT
Uma acentuada mudança na pronúncia das vogais do inglês ocorreu principalmente durante os séculos 15 e 16. Praticamente todos os sons vogais, inclusive ditongos, sofreram alterações e algumas consoantes deixaram de ser pronunciadas. De uma forma geral, as mudanças das vogais corresponderam a um movimento na direção dos extremos do espectro de vogais, como representado no gráfico abaixo.

 

PRONÚNCIA ANTES DO SÉCULO 15 PRONÚNCIA MODERNA
fine /fi:ne/

hus /hu:s/

ded /de:d/, semelhante a dedo em português

fame /fa:me/, semelhante à atual pronúncia de father

so /só:/, semelhante à atual pronúncia de saw

to /to:/, semelhante à atual pronúncia de toe

  /fayn/

house /haws/ 

deed /diyd/

  /feym/

  /sow/

  /tuw/

O sistema de sons vogais da língua inglesa antes do século 15 era bastante semelhante ao das demais línguas da Europa ocidental, inclusive do português de hoje. Portanto, a atual falta de correlação entre ortografia e pronúncia do inglês moderno, que se observa principalmente nas vogais, é, em grande parte, conseqüência desta mudança ocorrida no século 15.

MODERN ENGLISH (a apartir de 1500)
Enquanto que o Middle English se caracterizou por uma acentuada diversidade de dialetos, o Modern English representou um período de padronização e unificação da língua. O advento da imprensa em 1475 e a criação de um sistema postal em 1516 possibilitaram a disseminação do dialeto de Londres – já então o centro político, social e econômico da Inglaterra. A disponibilidade de materiais impressos também deu impulso à educação, trazendo o alfabetismo ao alcance da classe média.

A reprodução e disseminação de uma ortografia finalmente padronizada, entretanto, coincidiu com o período em que ocorria ainda a Great Vowel Shift. As mudanças ocorridas na pronúncia a partir de então, não foram acompanhadas de reformas ortográficas, o que revela um caráter conservador da cultura inglesa. Temos aí a origem da atual falta de correlação entre pronúncia e ortografia no inglês moderno. D’Eugenio assim explica o que ocorreu:

O processo de padronização da língua inglesa iniciou em princípios do século 16 com o advento da litografia, e acabou fixando-se nas presentes formas ao longo do século 18, com a publicação dos dicionários de Samuel Johnson (figura ao lado) em 1755, Thomas Sheridan em 1780 e John Walker em 1791. Desde então, a ortografia do inglês mudou em apenas pequenos detalhes, enquanto que a sua pronúncia sofreu grandes transformações. O resultado disto é que hoje em dia temos um sistema ortográfico baseado na língua como ela era falada no século 18, sendo usado para representar a pronúncia da língua no século 20. (319, minha tradução)

Da mesma forma que os primeiros dicionários serviram para padronizar a ortografia, os primeiros trabalhos descrevendo a estrutura gramatical do inglês influenciaram o uso da língua, incorporando conceitos gramaticais das línguas latinas e trazendo uma uniformidade gramatical. Durante os séculos 16 e 17 ocorreu o surgimento e a incorporação definitiva do verbo auxiliar do para frases interrogativas e negativas. A partir do século 18 passou a ser considerado incorreto o uso de dupla negação numa mesma frase como, por exemplo: She didn’t go neither.

SHAKESPEARE
William Shakespeare (1564-1616), representou uma forte influência no desenvolvimento de uma linguagem literária. Sua imensa obra é caracterizada pelo uso criativo do vocabulário então existente, bem como pela criação de palavras novas. Substantivos transformados em verbos e verbos em adjetivos, bem como a livre adição de prefixos e sufixos e o uso de linguagem figurada são freqüentes nos trabalhos de Shakespeare.

Ao mesmo tempo em que a literatura se desenvolvia, o colonialismo britânico do século 19, levava a língua inglesa a áreas remotas do mundo, proporcionando contato com culturas diferentes e trazendo novo enriquecimento ao vocabulário do inglês.

Desde o início da era cristã até o século 19, seis idiomas chegaram a ser falados na Inglaterra: Celta, Latim, Old English, Norman French, Middle English e Modern English. Essa diversidade de influências explica o fato de ser o inglês uma língua menos sistemática e menos regular, quando comparado às línguas latinas e mesmo ao alemão. Poderia nos levar a concluir também que o inglês de hoje pode ser comparado a uma colcha feita de retalhos de tecidos de origem das mais diversas.

AMERICAN ENGLISH
A esperança de alcançar prosperidade e os anseios por liberdade de religião foram os fatores que determinaram a colonização da América do Norte. A chegada dos primeiros imigrantes ingleses em 1620, marca o início da presença da língua inglesa no Novo Mundo.

À época da independência dos Estados Unidos, em 1776, quando a população do país chegava perto de 4 milhões, o dialeto norte-americano já mostrava características distintas em relação aos dialetos das ilhas britânicas. O contato com a realidade de um novo ambiente, com as culturas indígenas nativas e com o espanhol das regiões adjacentes ao sul, colonizadas pela Espanha, provocou um desenvolvimento de vocabulário diverso do inglês britânico.

Hoje, entretanto, as diferenças entre os dialetos britânicos e norte-americanos estão basicamente na pronúncia, além de pequenas diferenças no vocabulário. Ao contrário do que aconteceu entre Brasil e Portugal, Estados Unidos da América e Inglaterra mantiveram fortes laços culturais, comerciais e políticos. Enquanto que o português ao longo de 4 séculos se desenvolveu em dois dialetos substancialmente diferentes em Portugal e no Brasil, as diferenças entre os dialetos britânico e norte-americano são menos significativas.

 O INGLÊS COMO LÍNGUA DO MUNDO
Fatos históricos recentes explicam o atual papel do inglês como língua do mundo.

Em primeiro lugar, temos o grande poderio econômico da Inglaterra nos séculos 18, 19 e 20, alavancado pela Revolução Industrial, e a conseqüente expansão do colonialismo britânico. Esse verdadeiro império de influência política e econômica atingiu seu ápice na primeira metade do século 20, com uma expansão territorial que alcançava 20% das terras do planeta. O British Empire chegou a ficar conhecido como “the empire where the sun never sets” devido à sua vasta abrangência geográfica, provocando uma igualmente vasta disseminação da língua inglesa.

Em segundo lugar, o poderio político-militar do EUA a partir da segunda guerra mundial e a marcante influência econômica e cultural resultante, acabaram por deslocar o francês como língua predominante nos meios diplomáticos e solidificar o inglês na posição de padrão das comunicacões internacionais. Simultaneamente, ocorre um rápido desenvolvimento do transporte aéreo e das tecnologias de telecomunicação. Surgem os conceitos de information superhighway e global village para caracterizar um mundo no qual uma linguagem comum de comunicação é imprescindível.

RESUMO CRONOLÓGICO

  • 10.000 – 6.000 a.C. – Sítios arqueológicos evidenciam a presença do homem nas terras que encontravam-se ainda unidas ao continente europeu e que os romanos posteriormente viriam a denominar de Britannia.
  • 1.200 – 600 a.C. – Celtas se estabelecem na Europa e ilhas britânicas, marcando a partir daí sua presença na Europa por cerca de 8 séculos, antes de sua quase completa assimilação pelo Império Romano.
  • 55 e 54 a.C. – Primeiras incursões romanas de reconhecimento, sob o comando de Júlio César.
  • 44 A.D. – Legiões romanas, à época do Imperador Claudius, invadem e anexam a principal ilha britânica.
  • 50 A.D. – Os romanos fundam Londinium às margens do Tâmisa.
  • 410 A.D. – Legiões romanas se retiram das ilhas britânicas para defender Roma de ataques dos bárbaros.
  • 432 A.D. – St. Patrick inicia sua missão de cristianizar a Irlanda.
  • 450 – 550 A.D. – Tribos germânicas (anglos e saxões) se estabelecem na Britannia após a saída das legiões romanas. Início do período Old English.
  • 500 – 1100 – Período que corresponde ao Old English.
  • 465 A.D. – Suposta data de nascimento do lendário Rei Artur.
  • 597 A.D. – Chegada de Santo Agostinho e seus missionários para converter os anglo-saxões ao cristianismo. Inicia o primeiro período de influência do latim na língua anglo-saxônica.
  • 600 A.D. – A Inglaterra encontra-se dividida em 7 reinos anglo-saxões.
  • 787 – 1000 A.D. – Ataques escandinavos (Vikings).
  • 871 A.D. – Coroação do King Alfred, rei dos saxões do oeste, reconhecido como rei da Inglaterra após ter expulsado os Vikings.
  • 1066 – Batalha de Hastings, em que os franceses normandos, liderados por William, derrotam Harold, conquistando a Inglaterra e dando início a um período de 350 anos de forte influência do francês sobre o inglês.
  • 1066-1087 – Reinado de William I (William the Conqueror), primeiro rei normando.
  • 1087-1100 – Reinado de William II, filho de William I e segundo rei normando.
  • 1100-1135 – Reinado de Henry I, também filho de William I, o terceiro rei normando e o primeiro a ter uma esposa britânica (Mathilda of Scotland). É provável que Henry I tivesse algum domínio sobre o inglês, e foi em seu reinado que as diferenças entre as sociedades anglo-saxônica e normanda começaram a lentamente diminuir.
  • 1100 – 1500 – Período que corresponde ao Middle English.
  • 1204 – King John, Rei da Inglaterra, entra em conflito com o Rei Philip da França, marcando o início de um novo período de valorização do sentimento nacionalista inglês.
  • 1300 – Robert of Gloucester faz referência à língua inglesa como sendo ainda uma língua falada na Inglaterra apenas por “low people“.
  • 1362 – Inglês é usado, pela primeira vez, na abertura do Parlamento Inglês.
  • 1400 – 1600 – Período em que ocorrem com mais intensidade as mudança de vogais (Great Vowel Shift).
  • 1475 – Advento da imprensa, dando início a uma padronização da ortografia e levando à disseminação da forma ortográfica do dialeto de Londres.
  • 1500 até hoje – Período correspondente ao Modern English.
  • 1516 – Henrique VIII cria o primeiro sistema postal da Inglaterra.
  • 1558 – Início do reinado de Elizabeth I (filha de Henrique VIII) e da era elisabetana, período caracterizado por um substancial aumento do vocabulário do inglês e pelas monumentais obras literárias de Spenser, Shakespeare e Jonson.
  • 1564 – Nascimento de William Shakespeare.
  • 1603 – Morte de Elizabeth I e fim do período elisabetano.
  • 1611 – A Igreja da Inglaterra publica a King James Bible, que exerceu grande influência na linguagem de então.
  • 1616 – Falecimento de William Shakespeare.
  • 1620 – Os Pilgrims chegam à America do Norte e estabelecem a Colônia de Plymouth.
  • 1755 – Samuel Johnson publica A Dictionary of the English Language, trazendo estabilidade à língua inglesa.
  • 1762 – Bishop Robert Lowth publica Short Introduction to English Grammar, a primeira gramática influente da língua inglesa.
  • 1776 – Declaração da independência dos Estados Unidos.
  • 1700 – 1900 – Revolução Industrial, a qual alavancou o poderio econômico da Inglaterra, permitindo a expansão do colonialismo britânico e conseqüentemente da língua inglesa no século 19.
  • 1806 – Ano de publicação do primeiro dicionário de Noah Webster: A Compendious Dictionary of the English Language.
  • 1890 – 1920 – Apogeu do Império Britânico.
  • 1928 – Ano de publicação da primeira edição do Oxford English Dictionary (OED), em 12 volumes e contendo cerca de 415 mil entradas.
  • 1945 – Fim da segunda guerra mundial, marca o início de um período de influência político-militar dos EUA e uma conseqüente influência econômica e cultural decisiva para o papel do inglês como língua internacional nos dias de hoje.
  • 1989 – Ano de publicação da segunda edição do Oxford English Dictionary (OED), em 20 volumes e em CD-ROM, contendo mais de 500 mil entradas.
  • 1985 – 1995 – Surgimento da Internet.
  • BIBLIOGRAFIA
  • Cambridge, Corpus Christi College 140 [WSCp], Lord’s Prayer – a translation of the Gospels written in Bath in the first half of the 11th century; edited by Liuzza (1994). Read by Cathy Ball (Department of Linguistics, Georgetown University) for Edward Vanetten’s Sunday School class. <http://www.georgetown.edu/faculty/ballc/oe/paternoster-oe.html>. Online Oct 21, 2003.Crack, Glen Ray. Battle of Hastings 1066 <http://battle1066.com/>. Online. June 27, 2001.Crane, L. Ben, Edward Yeager and Randal L. Whitman. An Introduction to Linguistics. Boston: Little, Brown & Co., 1981.Crystal, David. The Cambridge Encyclopedia of the English Language. Cambridge University Press, 1999.D’Eugenio, Antonio. Major Problems of English Phonology. Foggia, Italy: Atlantica, 1982.Encarta 97 Encyclopedia. Microsoft, 1997.

    McArthur, Tom. The Oxford Companion to the English Language. Oxford, 1992.

    Norton-Taylor, Duncan. The Celts. Time Inc, 1974.

    Wallbank, T. Walter, Alastair M. Taylor and Nels M. Bailkey. Civilization Past and Present. Scott, Foresman & Co., 1962.

  • ______________________________________________________________________
  • (Atualizado em 28 de março de 2008)
  • Ricardo Schütz is a Director of the Schütz & Kanomata Idiomas, a language school and based at Santa Cruz do Sul, RS, Brazil, specialised in Portuguese for foreigners as well as immersion courses of English and Japanese. In addition to teaching he is also a translator, language consultant and writerNota: Para a versão original ilustrada, visitar: www.sk.com.br/sk.html#menu

Joaquina Pires-O’Brien

A ligação asiática
Até pouco mais de dois séculos atrás se pensava que as línguas europeias modernas e antigas haviam se originado na própria Europa. O que mudou tal visão eurocêntrica foi a descoberta, anunciada em 1786 na Sociedade Asiática de Bengala, de que o sânscrito, a língua empregada nos textos védicos sagrados e na legislação hindu tinha uma origem comum com o grego e latim. O descobridor, Sir William Jones, era um juiz do supremo tribunal da Índia. Jones era também um especialista no persa falado pelos reis, e ao chegar a Calcutá, ele estudou com afinco o sânscrito antigo e seus derivativos modernos como o hindi e o urdu. Após a descoberta de Jones, muitas outras conexões foram descobertas entre as línguas europeias modernas e antigas e as línguas do subcontinente Indiano (Índia e Paquistão). O linguista Thomas Young (1773-1829), o mesmo que havia colaborado com o colega francês Jean-François Champollion (1790-1832) na descodificação dos hieróglifos egípcios, deu o nome de indo-europeu à língua mãe das línguas europeias mais o sânscrito e seus derivativos.

Um dos primeiros filólogos a confirmar a descoberta de Jones foi o alemão Jacob Grimm (1785-1863), um dos irmãos Grimm que compilaram os contos do folclore germânico. Para os seus estudos comparativos Grimm optou por palavras que contêm uma pesada conotação cultural, como por exemplo, a palavra rei (e rainha). Rei é raj em sânscrito, rex em latim, ri no irlandês antigo, roi em Francês, rey em Espanhol e royal em Inglês. A palavra homem é outro exemplo, que tanto em inglês quanto em português assemelha-se ao cognato manu-s do sânscrito, o qual veio do indo-europeu manus ou monus. No glossário sânscrito a palavra manu significa literalmente ‘o contemplador de estrelas’ ou ‘a criatura pensante’. A mesma palavra possui cognata tanto dentro quando fora do indo-europeu. O poeta brasileiro Olavo Bilac (1865-1918) mostra, inadvertidamente, a universalidade do interesse humano pelo firmamento, em seu poema Via Láctea que mostramos em PoetryCafé, nesta edição de PortVitoria.

Até o final da era vitoriana, enquanto certos linguistas procuraram compreender melhor o sânscrito, outros se ocupavam em descobrir o local na Europa onde o indo-europeu havia se fixado originalmente. O sânscrito dos textos sagrados hindus é bastante antigo, sendo conhecido como sânscrito-védico, para distinguir daquele mais recente utilizado nos textos legais. Os Vedas, cujo nome significa conhecimento ou sabedoria, formam os textos sagrados hindus, sendo o mais antigo o Rig Veda. Os autores desses últimos, a elite religiosa formada pelos brâmanes designava-se arianos, palavra derivada de arya, que significa nobre ou senhor. Como os arianos do Rig Veda viviam no leste do Irã na direção do Afeganistão-Paquistão-Índia, o termo ariano só é correto como referência ao ramo indo-iraniano do indo-europeu.

A influência do movimento romântico
O movimento romântico dos séculos dezoito e dezenove, que preconizava o retorno aos valores autênticos ligados à natureza, dentre os quais o conceito de pátria (homeland, no inglês), atrelou mirabolantes extrapolações de cunho nacionalista às descobertas sobre o indo-europeu. Em 1916 Madison Grant, um antropólogo americano que era favorável à ideia eugenista de higiene racial, publicou um livro sugerindo que tais tribos germânicas primitivas seriam os caucasianos puros, uma raça superior formada por indivíduos altos, de cabelos loiros e olhos azuis, que descendiam dos Arianos. Seu livro era um alerta racista para a deterioração racial do povo americano devido à imigração de poloneses, tchecos, italianos e judeus. As ideias de Madison Grant agravaram o nacionalismo germânico que o partido do Nacional Socialismo (Nazismo) adotou, incluindo o antissemitismo; e o resto é história. Entretanto, o conceito de ‘raça’ que o movimento Romântico sublinhou não se encaixa nas afirmações científicas devido à falta de barreiras separatórias. Além de a chamada raça ariana ser uma ficção, a chamada raça caucasiana é bastante diversa, apresentando cor de pele que varia desde a mais clara até a mais escura. Dessa forma, a sugestão de que os povos germânicos tinham qualquer associação com a chamada raça ariana não só é desprovida de lógica mas é também anticientífica.

O proto-indoeuropeu
Por volta de 1900, alguns linguistas históricos propuseram que as relações naturais dentro das línguas europeias sugeriam a existência de uma língua mãe antecedente àquela descoberta por Jones, que deu origem às línguas da Índia continental (Índia e Paquistão) e da Europa. Tal língua foi designada proto-indoeuropeu (PIE).

A próxima parte do quebra-cabeça dos linguistas históricos foi encontrar o local onde o PIE se originou. Inicialmente os linguistas se mostraram céticos com relação à possibilidade de encontrar qualquer indício palpável sobre o PIE. O que dissolveu tal ceticismo foi o legado do linguista Joseph Harold Greenberg (1915-2001), um estudioso das línguas da África, das Américas e da Austrália bem como de outras partes do mundo.

Inicialmente Greenberg estabeleceu os seguintes princípios básicos da classificação genética das línguas: i) exclusão de aspectos tipológicos (propriedades puramente de forma ou significado); ii) exclusão de evidências não linguísticas; iii) comparação multilateral (a comparação simultânea de todas as línguas e formas relativas à área estudada). Na década de 1950, Greenberg modificou a linguística tipológica ao introduzir a importância das similaridades linguísticas, quando o normal era basear-se em dissimilaridades. Finalmente, um artigo seu sobre universais linguísticos não só alterou o curso da tipologia linguística mas também influenciou estudos que mais tarde iriam mudar todo o paradigma das ciências sociais.

Teorias sobre o berço geográfico do proto-indoeuropeu
Existem duas teorias sobre o berço geográfico do Proto-indoeuropeu. A primeira teoria é a da Anatólia, defendida especialmente pelo arqueólogo Sir Colin Renfrew, a qual afirma que o indo-hitita (uma língua pré-PIE) era falado pelos agricultores ao sul e oeste da Anatólia (atual Turquia), nos locais dos sítios arqueológicos como os Çatal Höyük, datados de 7.000 a.C. Eles teriam se dispersado pela Europa e Ásia a partir de 7.000 a.C., logo após o início da agricultura na região do Crescente Fértil (que inclui o vale do Nilo, a planície do Tigre e do Eufrates e pela faixa mediterrânea que os liga entre si).

A segunda teoria, conhecida como ‘Kurgan’ (palavra russa que significa túmulo), afirma que o PIE era originalmente a língua da cultura kurgan, formada por pastores que a partir de 5800 a.C. habitaram as estepes pônticas, assim chamadas porque o local era conhecido pelos antigos gregos como ‘Pontus Euxinus’, que significa local do Mar Euxinus, como o Mar Negro era chamado. Após adquirirem o hábito da montaria eles disseminaram o PIE entre 4000 e 2000 a.C., quando migraram em levas em suas carruagens puxadas por cavalos, para o sul, na direção do vale do Indu (atual Paquistão) e para o oeste, na direção da Europa.

As evidências
Com base em evidência linguística preservada nos fragmentos de escritos do registro arqueológico nas línguas hitita, grego Miceniano e Alemão arcaico, mais de mil e quinhentos radicais do PIE já foram reconstituídos pelos linguistas. Trata-se de um substancial vocabulário que permite reconstituir valores, relações familiares, crenças religiosas e outras preocupações de seus falantes. Estudos comparativos das línguas filhas permitiram que os linguistas reconstituíssem o PIE bem como as famílias linguísticas que derivaram do mesmo, como o Proto-Germânico falado ao Norte da Europa por volta do primeiro milênio a.C.

Um excelente resumo do processo de descoberta do PIE, apresentando as evidências obtidas pelos mais diversos grupos de pesquisas, encontra-se no livro The Horse the Wheel and Language: How Bronze-age Riders from the Eurasian Steppes Shaped the Modern World (O cavalo, a roda e a língua: como os cavaleiros das estepes eurasianas da idade do bronze fizeram o mundo moderno), de David W. Anthony, publicado em 2007 pela Princeton University Press. (Ver a resenha do livro de Anthony nesta edição de PortVitoria). Anthony é professor de antropologia no Harwick College, no estado de Nova Iorque, e também conduziu diversas pesquisas na Ucrânia, Rússia e Kazaquistão. Seu livro é uma excelente síntese das evidências existentes sobre o PIE e as culturas associadas ao mesmo, reorganizadas em tabelas e ilustrações comparativas. Anthony consegue mostrar que arqueologia não é apenas sobre ossos e fragmentos de objetos, mas também sobre as centenas de inscrições que precisam ser decifradas, catalogadas e comparadas. Línguas mortas são recriadas contrastando as inscrições preservadas no registro arqueológico com outras informações antropológicas-arqueológicas bem como com os ‘fósseis’ preservados em línguas vivas – as formas ‘irregulares’ dessas últimas.

Recapitulando, de acordo com a teoria Kurgan, os primeiros falantes de PIE eram pastores neolíticos pioneiros, que por volta de 5.800 a.C., se assentaram e ocuparam as estepes pônticas eurasianas. Aos poucos a organização social desses pioneiros se tornou mais complexa e sua cultura prosperou. O vocabulário reconstituído do PIE mostra que eles sabiam transformar a forragem vegetal em tecidos, tendas e roupas, bem como produzir queijo e iogurte. Eles também sabiam fazer poemas e usavam os mesmos como uma forma de moeda. Após terem desenvolvido o hábito de montar o cavalo adquiriram a roda e a carruagem coberta, e com essa última criaram um corredor de comunicação com o resto do mundo civilizado. Por volta de 4.200 a.C., eles penetraram na Europa, embora em seu trajeto eles exterminaram os agricultores do vale do Danúbio, os habitantes da Europa Velha.

Crítica às teorias
A teoria da Anatólia, de Sir Colin Renfrew, ligou a expansão da fronteira agrícola à expansão da língua PIE. Segundo Anthony o problema desta teoria é que ela exige que a primeira separação entre o progenitor indo-hitita e o PIE tenha ocorrido entre 6.700 e 6.500 a.C., quando os agricultores da Anatólia teriam migrado para a Grécia. Entretanto, as primeiras carruagens da Europa só aparecem no registro arqueológico por volta de 3500 a.C. Outro problema da teoria de Sir Colin Renfrew é que nessa época, a família da língua indo-europeia deveria ser bem mais rica e mais ramificada, pois já contaria com três mil anos de idade.

Ainda segundo Anthony a teoria Kurgan é compatível com as datações das línguas derivadas do PIE. A última língua do PIE é que o proto-anatoliano, da Anatólia Central, a língua que deu origem ao hitita tenha sido a última língua do PIE. O hitita, língua mais ou menos da mesma idade do grego, apareceu bem depois da data prevista na teoria de Sir Colin Renfrew. Os hititas ocupavam a região em 1.900 a.C. e seu império surgiu três séculos depois, entre 1650 e 1600 a.C.

Conforme sublinhado no livro de Anthony, o cavalo teve um papel central no desenvolvimento da civilização moderna, não só como meio de transporte mas também pela vantagem militar das carruagens a cavalo. É interessante lembrar que também na Roma antiga o cavalo teve um papel marcante na estratificação social, onde os cidadãos eram separados em cavaleiros e plebeus. Os cavaleiros deram origem aos patrícios enquanto que os plebeus faziam parte da massa popular ou plebe. Na militarização do império Romano essa estratificação foi mantida, com os patrícios tornando-se oficiais e os plebeus ocupando os postos militares inferiores.

As doze ramificações do indo-europeu
Retornando ao tema do PIE, as estepes pônticas onde este se originou foram o crisol da Civilização Ocidental. Entre 2.400 e 2.200 a.C. o PIE deixou de existir, tendo deixado pelo menos doze ramos, classificados com base nas suas escritas. São eles: anatoliano, indo-iraniano, grego, frígio, itálico, celta, germânico, armênio, tocariano, eslávico, báltico e o albanês.

Dos doze ramos acima, pelo menos três apresentam afinidade com o grego: o indo-iraniano, o frígio e o armênio. O ramo itálico separou-se em dois, o latino-faliscano e o osco-umbriano, cada um dos quais se separaram em dois grupos. O latim originou o romeno, o reto-romance, o Italiano, o francês, o provençal, o catalão, o espanhol e o português. O ramo celta teve também duas sub-ramificações, o goidélico ou gaélico, que deu origem ao gálico escocês, gálico irlandês e manês, e, o ‘bretânico’, que deu origem ao galês, cornualês, bretão e galês. O ramo germânico teve três sub-ramificações que continuaram a se subdividir, dando origem ao norueguês, sueco, Inglês, neerlandês e a diversas outras línguas.

Conclusão
Na busca da resposta à pergunta contida no título deste artigo aprendemos outra lição: a história universal não é feita de fronteiras políticas mas de sistemas mundiais. Os doze ramos do PIE não deram só as línguas europeias (embora ainda não se saiba ao certo as origens do basco, do finlandês, do estônio e do magiar ou húngaro) mas também muitas línguas do Irã, Paquistão e Índia. Dos seis bilhões de pessoas do nosso planeta mais de quatro bilhões falam línguas que descenderam do proto-indo-europeu.

__________________________________________________________________________

Citação:

Pires-O’Brien, J. De onde surgiram as línguas europeias? PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/

LATIN ENGLISH ROMANIAN ITALIAN FRENCH SPANISH CATALAN PORTUGUESE
advocatus diaboli devil’s advocate avocatul diavolului fautuore del diavolo l’avocat de diable abogado del diablo avocat del diable advogado do diabo
alibi elsewhere altundeva alibi alibi alibí àlibi álibi
amor love dragoste amore amour amor amor amor
annus mirabilis remarkable year un an remarcabil un anno notevole un année remarquable un año notable un any notable um ano maravilhoso
annus horribilis horrible year un an oribil un anno horrible un année horrible un año horrible un any horrible um ano horrível
bellum war război guerra guerre guerra guerra guerra
bona fide in good faith bună credinţă in buona fede en bonne foi de buena fé de bona fe de boa fé
caritas charity caritate carità charité caridad caritat caridade
carpe diem seize the day trăieşte clipa grippare il giorno saisir le jour agarre el día agafi el dia agarre o dia
catena chain lanţ catena cadena canena cadena cadeia
causa sine qua non a necessary condition o condiţie necesară una condizione necessaria une condition nécessaire una causa necesaria una causa necessària condição necessária
cave canem beware of the dog atenţie la câine guardar da del cane prende darde du chien cuidado con el perro cura amb el gos cuidado com o cão
circa about circa circa acerca acerca circa cerca
consensus agreement accord / consens accordo consensus consenso consens consenso
cui bono who stands to gain cine câştigă? si leva in piedi adagnare io se tient pour gagner quién gana qui guanya quem ganha
cum laude with praise cu elogii con elogio avec distinction con elogio amb elogi com louvor
de novo anew din nou di nuovo à nouvau de nuevo de nou de novo
deo gratias thanks to god Dumnezeu ringraziamenti al dio merci à dieu gracias a dios gràcies a déu graças a deus
digitus finger / digit deget /digital barretta / digitale doigt / digital dedo /digital dit / digital dedo /dígito
divide et impera divide and rule separă şi domină divider e regolare divisier et régner dividir para gobernar dividir per governar dividir para governar
erratum error erroare errore erreur error error erro
ex cathedra from the chair de la catedră dalla sadia de la chaise de cátedra de càtedra de cátedra
feria holiday vacation vacanza vacances vacaciones vacances férias
fugit hora time flies timpul zboară il tempo vola le temps vole el tiempo vuela el temps vola o tempo voa
furor madness nebunie follia foile locura bogeria loucura
dictionarium dictionary dictionar dizionario dictionnaire diccionario diccionari dicionário
honoris causa honorary onorific onorario honorofique honorario honorari honorário
in absentia in one’s absence în absenţa cuiva in sua assenza en son absence en la ausencia en l’absència na ausência
in dubio in doubt în dubiu in dubbio dans le doute en duda en dubte em dúvida
in toto entirely totalmente interamente totalement totalmente totalment totalmente
labor work lucru lavoro travail trabajo treball trabalho
lingua tongue / language limbă linguetta langue lengua llengua língua
machina machine aşină macchina machine máquina màquina máquina
magna cum laude with great praise cu mari elogii con elogio grande avec la grande éloge con grandes alabanzas amb gram lloança com grande louvor
mea culpa by my fault din vina mea del mio difetto par mon défaut culpa mía culpa meva minha culpa
non obstante notwithstanding în ciuda nonostante malgré no obstante no obstant não obstante
odium hatred ură odio haine odio odi ódio
pauperus pauper sărac pauper indigent pobre pobre pobre
pax peace pace pace paix paz pau paz
per mensem monthly lunar mensile mensuel mensualmente mensualment mensalmente
prima facie at first sight la prima vedere a prima vista à premiere vue a primera vista a primera vista à primeira vista
qualitas quality calitate qualità qualité calidad qualitat qualidade
rara avis rare bird o pasăre rară un ucello raro un oiseau rare una ave rara una au rara uma ave rara
regina queen regină regina reine reina reina rainha
salve hail salve la grandine grêle salve salve salve
summa cum laude with greatest praise cu cele mai mari elogii avec la grande éloge con la mayor alab amb la major lloança com o máximo louvor
vade in pace go in peace mergi în pace andare nella pace entrez dans la paix vaya en paz vagi en pau vá em paz
velocitas velocity viteză velocità vitesse velocidad velocitat velocidade
veni, vidi, vici I came, I saw, I conquered am venit, am văzut, am învins sono venuto, ho visto, ho conquistato Je suis venu, j’ai vu, j’ai conquis vine, vi, vencí vaig venir, vaig veure, vaig vèncer vim, vi e venci
versatile versatile versatil versatile souple versatilidad versatilitat versatilidade
volente deo god willing cu voia domnului volere del dio disposé de dieu si dios quiere si déu vol se deus quiser

 

Joaquina Pires-O’Brien

Introdução
Pelo menos até o século quinze a história do espanhol e do português é apenas uma. Dessa forma, a história da língua portuguesa também está contida no livro Historia de la Lengua Española, do linguista Rafael Lapesa, publicado inicialmente em 1981, pela Biblioteca Tománica Hispánica & Editorial Gredos, Madrid, e já na sua nona edição. Embora uma boa parte do artigo a seguir tenha sido extraída do livro de Lapesa, outras fontes também foram utilizadas. Uma resenha do livro de Lapesa encontra-se na seção Review da presente edição de PortVitoria.

O espanhol e o português são línguas derivadas do latim vulgar, a língua dos conquistadores romanos que ocuparam a Península Ibérica no período que vai de cerca de cem anos antes de Cristo até o ano de 476, quando uma última investida dos visigodos contra Roma pôs fim ao Império Romano ocidental. Foi devido à expansão do Império Romano que o latim espalhou-se pelo Mediterrâneo e por quase toda a Europa Ocidental, dando origem às chamadas línguas românicas como: italiano, sardenho, romeno, francês, espanhol, catalão e português.

Como é de se esperar para qualquer grupo de línguas de uma mesma estirpe, há muitas semelhanças entre as línguas românicas. A Tabela 1 compara diversas palavras e expressões latinas com as românicas equivalentes. Na mesma tabela, o português foi colocado na última coluna por ser a mais nova das suas irmãs românicas, conforme frisou o poeta brasileiro Olavo Bilac no seu famoso poema Língua Portuguesa (veja em PoetryCafé, nesta edição).

A influência pré-românica
Diversas línguas pré-românicas também contribuíram indiretamente para a formação do espanhol e do português. Conforme relatado por Lapesa, os antigos escritores gregos deixaram diversas referências sobre a Península Ibérica, assim denominada devidos ao assentamento na região de Huelva, Espanha, de povos Iberos, originários do norte da África. A toponímia é outra fonte de evidência da ocupação pré-romana na Ibéria. Por exemplo, na Espanha, nomes de diversos lugares que se estendem de Huelva até os Pirineus, coincidem com topônimos da Etrúria e outras regiões da Itália.

Segundo narra Lapesa, os autores gregos registraram que a região onde fica a Andaluzia e o Sul de Portugal foi habitada pelos Turdetanos, pertencentes à civilização da Tardésia, os quais seriam relacionados aos Tisenos da Lídia, na Ásia Menor, que deram origem aos tirenos e etruscos da Itália. Os etruscos assentaram-se na costa da Espanha da região do Levante (Mediterrâneo oriental) até o Mediodía (cidade dos Pirineus). Os fenícios também se estabeleceram na costa da Espanha, tendo fundado a cidade de Gádir (Cádis) em 1100 a.C. Outra colônia fenícia é Málaga, na Andaluzia e Abdera (atualmente Adra), em Almeria. A cidade Cartagena na região da Múrcia, trata-se da antiga Nova Cartago fundada pelos Cartagineses. Os Helenos, oriundos de Hellas, sociedade grega que viveu entre 350 e 336 a.C. sob o domínio macedônico, também se estabeleceram na Península Ibérica antes dos romanos. Após terem sido expulsos do extremo sul eles seguiram para Lucento, Alicante. Na região do centro e do oeste da Ibéria, há evidências arqueológicas de campos cultivados e de cemitérios de assentamentos Indo-Europeus, oriundos da Europa Central, por volta do ano 1000 a.C. Os escritores Gregos também mencionaram a presença dos celtas em Portugal e na Baixa Andaluzia, no ano 445 a.C., o que sugere a possibilidade de outros assentamentos celtas.

Conforme registrado pelo geógrafo grego Estrabão, na época do Imperador Augusto, havia na Península Ibérica uma enorme variedade de línguas. Após a ocupação Romana, com exceção da região basca, toda a Ibéria assimilou a língua dos romanos, fazendo com que seus vocabulários convergissem para o latim vulgar. Há no espanhol uma enorme quantidade de palavras cujas origens não podem ser atribuídas nem ao latim e nem a outras línguas conhecidas, bem como uma boa quantidade de sufixos que são claramente pré-romanos.

A ocupação romana mudou completamente a sociedade ibérica. Durante a mesma os ibéricos abriram mão de suas línguas, convergindo seus vocabulários para o latim vulgar. Segundo os historiadores, isso se deu não só devido às pressões dos romanos mas também em troca da segurança proveniente do direito romano, que o imperador Vespasiano havia introduzido nas províncias. Os costumes que os romanos introduziram na Ibéria incluíam aqueles da civilização helênica, que os primeiros haviam incorporado. A integração pode ser ainda deduzida pelo fato de que, em 212, o imperador Caracala tornou os hispânicos cidadãos do Império Romano. Após a chegada da cristandade na Ibéria, o latim eclesiástico foi introduzido, incluindo o texto do Novo Testamento, o que ajudou a completar a latinização da língua Ibérica.

A influência germânica
A partir do terceiro século, os bárbaros germânicos – suevos, vândalos, alanos e visigodos – começaram a invadir a Península Ibérica, causando bastante destruição. Em 409 os visigodos tornaram a invadir Península Ibérica, e em 410 eles saquearam Roma pelo líder Alarico (outros dois saques ocorreriam posteriormente). Através do pacto de 411 eles ganharam o controle da Galícia, Luzitânia e da província cartaginense. A influência germânica nas línguas românicas encontra-se muito bem documentada. Por exemplo, do celta: bico (beak, bill), brio (pride), broa (loaf), brixa (witch), camisa (shirt), carro (car, cart), légua (league), peça (piece), penedo (cliff), picar (top prick), tranca (latch); do germânico: barão (baron), branco (blank), guerra (war, wirro), alvergue ou albergue (haribergo), estaca (stakka), guia (wida), Marta (Marthus), tampa (tappa), trégua (trigvo), banco (banka) etc.

Após a queda do império Romano, quando cessou a ocupação romana, as províncias ibéricas acabaram por se separar umas das outras, o que fez com que as variedades da língua Romance se separassem, resultando os diversos dialetos que mais tarde iriam formar as línguas românicas modernas.

A influência mouro-arábica
Dos séculos VIII ao XII, os Mongóis e os Otomanos formaram os dois grandes poderes do mundo muçulmano ou mouro. Os árabes recem islamizados que a partir do século oito ocuparam uma boa parte da África, Turquia e Ásia central, norte da Índia e a parte sul da Península Ibérica também influenciaram as línguas indígenas. Embora nem todos os ocupantes muçulmanos falassem o árabe, seus idiomas sofreram a influência árabe devido à necessidade de assimilação do direito Sharia, este dividido em cinco diferentes escolas. Na Península Ibérica, a linha divisória da ocupação moura passava pela bacia do rio Mondego, em Portugal, de onde continuava na direção da Espanha. Dentre os legados dos muçulmanos, os mais importantes são a bússola e a numeração árabe.

A reconquista cristã
A reconquista cristã da Península Ibérica começou com a rebelião de Pelayo, por volta de 718, tendo sido concluída em 1492. Os primeiros núcleos de resistência cristã se limitavam às zonas ainda despovoadas, como a parte norte do vale do Douro, em Portugal, durante a hegemonia Al-Andalus. No ano 722, um grupo de astúrios nativos liderados por um nobre visigodo derrotou um exército muçulmano e deu início ao reino de Astúrias e ao reinado da dinastia Alfonso. Em 910 o reino asturiano já havia se expandido até a linha do Douro. Em seguida estabeleceu-se o núcleo Navarro, nos pireneus ocidentais, entre o país dos francos e a Al-Andalus, cujo apogeu ocorreu no reinado de Sancho III, o Maior, que foi o rei de Navarra entre os anos 1000 e 1035, e cujo poderio se estendeu até os reinos de Aragão e Castela. Após a primeira fase de resistência, seguiram-se outras três. No avanço da reconquista, ao final da quarta fase de resistência, Castela separou-se de Leão, Portugal separou-se de Galícia e Aragão se expandiu até o sul. Em 1230 Castela e Leão tornaram a se unir de forma definitiva, sob o reinado de Fernando III.

O castelhano
Um dos primeiros reinos cristãos foi o reino de Castela, cuja língua principal, o castelhano, começou a tomar forma no final do período medieval, quando os escritores hispânicos, acompanhando a tendência marcada pelos seus pares italianos, passaram a escrever no vernáculo vulgar ao invés do latim. Os primeiros textos, surgidos a partir do século doze são poemas épicos sobre heróis passados e suas vitórias, como o Mío Cid, Roncesvalles e Los Infantes de Lara, e narrativas em forma de poemas como Alexandre e Apolonio. O primeiro dicionário, de Alfonso de Palencia foi publicado em 1490, enquanto que a primeira gramática, de Antonio de Nebrija, foi publicada em 1492. Logo a seguir foi também publicado o primeiro dicionário de latim e uma versão da Bíblia no vernáculo. O romance Don Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes, marca a época de ouro da literatura espanhola. A completa história do castelhano pode ser encontrada no excelente livro do linguista Rafael Lapesa Historia de la Lengua Española.

Os primórdios de Portugal
O condado Portucale foi doado pelos reis de Leão e Castela a D. Afonso, um nobre cavalheiro franco que os haviam ajudado a derrotar os muçulmanos. D. Afonso casou-se com D. Teresa, filha do rei de Castela. O filho do casal, D. Afonso Henriques, lutou contra Castela para tornar o seu reino independente, o que ocorreu na Conferência de Zamora, em 1143, quando se tornou o primeiro rei de Portugal. Em 1147 D. Afonso conseguiu expandir o seu reino até a fronteira do Tejo, tomando o castelo dos mouros e incorporando Lisboa, então a cidade mais populosa da Península Ibérica.

A cultura dos primeiros cristãos ibéricos incluía alguns costumes violentos dos visigodos como o hábito do uso da força para resolver disputas ao invés da lei. Entre os séculos nove e onze já havia na Ibéria alguns reinos cristãos, com distritos legais e delimitações paroquiais.

Com as descobertas marítimas Portugal e Espanha tornaram-se poderosos impérios, e mais tarde fizeram com que a língua portuguesa e espanhola se fixasse nas suas províncias ao redor do mundo. Em Portugal também se falava o castelhano como segunda língua. Em seu livro, Lapesa sublinha o bilingualismo dos escritores portugueses como Gil Vicente, Camões e Rodrigo Lobo e Melo.

Do galaico-português ao português
Segundo os linguistas o português é irmão gêmeo do galaico ou galego. Após a queda do império romano, a parte noroeste da península Ibérica, onde fica a moderna Galícia e o norte de Portugal, foi invadida pelos suevos germânicos. Embora se saiba muito pouco sobre esses últimos, os suevos fazem parte da ancestralidade de galegos e portugueses do norte. Palavras portuguesas que parecem ter se originado do suevo incluem ‘britar’, que significa quebrar, ou brita, que significa pedra quebrada.

Durante o período islâmico, o dialeto romano falado em Portugal era o mozarábico. Entretanto, a influência que a língua árabe deixou no mesmo também influenciou o galaico ou galego em ascendência. A partir do século 14 o galaico e o português se separaram embora resquícios do primeiro ainda existam nos dialetos portugueses da região da Galícia.

Uma das primeiras obras em português foi o livro Décadas da Ásia, de João de Barros, cujo nome é baseado nas dez divisões da história romana escrita por Tito Lívio. Entretanto a obra-prima da época é Os Lusíadas, o poema épico de Luís de Camões, narrando a histórica viagem de Vasco da Gama. Abaixo um trecho de os Lusíadas:

Os Lusíadas, Canto II

Dai velas (disse) dai ao largo vento,
Que o Céu nos favorece e Deus o manda;
Que um mensageiro vi do claro Assento,
Que só em favor de nossos passos anda.»
Alevanta-se nisto o movimento
Dos marinheiros, de uma e de outra banda;
Levam gritando as âncoras acima,
Mostrando a ruda força que se estima.

Após as ‘descobertas’ marítimas portuguesas ainda levou algum tempo até que o português passasse a ser utilizado como língua oficial nas colônias. Por exemplo, no Brasil, a língua mais falada era o tupi. A Lei do Directório, promulgada em 1757 pelo Marquês de Pombal, não só fez o português como língua oficial do Brasil mas também proibiu que fossem falados o tupi e outras línguas indígenas. Aos poucos o português passou a ser uma das línguas europeias mais difundidas mundialmente. Os países lusófonos mantiveram características próprias decorrentes da contribuição das línguas indígenas. Em certos locais desenvolveu-se ainda dialetos crioulo-portugueses formados pela mistura do português com a língua indígena, como ocorre no arquipélago de Cabo Verde, na Guiné Bissau e na região de Macau. O português falado no Brasil apresenta enormes variações de norte a sul, mas essas não chegam a abalar a unidade linguística. Em termos mundiais o português é hoje a quinta língua mais falada, vindo atrás do inglês, chinês, espanhol e japonês.

__________________________________________________________________________

Citação:

Pires-O’Brien, J. De onde surgiram o Espanhol e o Português? PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/

Ricardo Cuadros

En conmemoración de los 50 años del fallecimiento de la poeta chilena Gabriela Mistral, el 10 de enero de 1957.

En Menos cóndor y más huemul, un breve ensayo publicado en el diario El Mercurio el año 1925, Gabriela Mistral reflexiona sobre los dos animales que representan el carácter de los chilenos en el escudo nacional: el cóndor y el huemul.

El primero es el gran pájaro de los cielos cordilleranos, casi siempre visto en vuelo, majestuoso y distante. El segundo es un ciervo pequeño que apenas se deja ver, habitante de los bosques del sur, casi extinguido. Fuerza del cóndor, gracia del huemul, dice Gabriela Mistral, y agrega: “ambos dotados de excelencia y que forman una proposición difícil para el espíritu”. Esta dificultad es la propia del equilibro inestable de los contrarios, “el sol y la luna en algunas teogonías, o la tierra y el mar”, dice la poeta, el muy antiguo yin y/o yang de los chinos: es interesante ver cómo Gabriela Mistral plantea el tema de los contrarios como “dificultad”, es decir como desafío.

Ella ve, a comienzos del siglo XX, que los símbolos que predominan en la cultura chilena son los de la fuerza, y con ellos la reverencia ante los poderosos. “El cóndor significa el dominio de una raza fuerte; enseña el dominio justo del fuerte. Su vuelo es una de las cosas más felices de la tierra”: así es como aprenden heráldica los niños en la escuela, dice Gabriela Mistral, y poco o nada oyen del huemul, como si la sensibilidad y el pacífico retiro en los bosques fueran más bien defectos. “Yo confieso mi escaso amor del cóndor” agrega la poeta, “que, al fin, es solamente un hermoso buitre”. Ella lo ha visto planear sobre las alturas cordilleranas, pero también ha sentido el quiebre de su emoción al reconocer “que su gran parábola no tiene más causa que la carroña tendida en una quebrada”.

Las palabras de Gabriela Mistral para honrar al huemul son poesía: “El huemul es una bestezuela sensible y menuda; tiene parentesco con la gacela, lo cual es estar emparentado con lo perfecto”. Y cuando lo compara con el cóndor, vuelve a hacer poesía: “Mejor es el ojo emocionado que observa detrás de las cañas, que el ojo sanguinoso que domina sólo desde arriba”. Pero la poeta no cae en el reclamo del reemplazo del símbolo duro del cóndor por el otro, casi indefenso, del huemul: a lo que alude es a la revaloración de las virtudes simbólicas de este último; “el oído delicado, el ojo de agua atenta, el olfato agudo”.

En esta intención complementaria, en este llamado a la recuperación del equilibrio Gabriela Mistral devela su mirada, su comprensión del mundo. La poeta es mujer, es huemul, es gracia: el mundo en el que vive está dominado por la fuerza brutal del cóndor. Y dirá con ironía sutil: “Tanto ha abusado la heráldica de las aves rapaces, hay tanta águila, tanto milano en divisas de guerra, que ya dice poco, a fuerza de repetición, el pico ganchudo y la garra metálica”. Para Gabriela Mistral, en los inicios del siglo XX, era hora de mirar hacia la aparente debilidad del huemul, no porque fuera hora de mostrarse débil sino más bien por inteligencia para vencer mejor: “El huemul quiere decir la sensibilidad de una raza: sentidos finos, inteligencia vigilante, gracia. Y todo eso es defensa, espolones invisibles, pero eficaces, del Espíritu”.

La historia, la memoria colectiva ordenada en el relato histórico, sigue siendo una escuela cruel: desde que la poeta chilena escribió estas líneas han pasado poco más de ochenta años y sí, hubo un momento, crucial, en el que – llamémoslas así –  las fuerzas del huemul se mostraron en el esplendor de la rebelión hippie, los primeros 10 años de la Revolución Cubana, Mayo del 68, la Primavera de Praga, la Unidad Pupular. Pero duró menos que un suspiro: ya a mediados de la década del setenta estaba nuevamente claro que el dominio del mundo, y valga la perogrullada de que Chile está en el mundo, se decide entre cóndores, águilas y milanos.

La inteligencia de Gabriela Mistral la llevaba a ver y proponer la solución con el mismo ánimo redentor, didáctico, constructor de Estados, que animaba a tantos poetas y políticos latinoamericanos de su época como José Martí, Alfonso Reyes, Rubén Darío: “Tal vez el símbolo fuera demasiado femenino si quedara reducido al huemul, y no sirviera, por unilateral, para expresión de un pueblo. Pero, en este caso, que el huemul sea como el primer plano de nuestro espíritu, como nuestro pulso natural, y que el otro sea el latido de la urgencia. Pacíficos de toda paz en los buenos días, suaves de semblante, de palabra y de pensamiento, y cóndores solamente para volar, sobre el despeñadero del gran peligro”.

La voz de Gabriela Mistral parece un clamor en el desierto, hoy, después de las décadas dictatoriales en Latinoamérica y la solución neoliberal, después de la caída del Muro de Berlín, del 11/9 en Estados Unidos y la invasión a Irak. “La predilección del cóndor sobre el huemul acaso nos haya hecho mucho daño. Costará sobreponer una cosa a la otra, pero eso se irá logrando poco a poco”, decía la poeta. Nos ha causado daño y mucho, y no se ve cómo se podría “sobreponer una cosa a la otra”. Pero ahí están y siguen vibrando sus palabras, como el rayo de un faro en la noche: “menos cóndor y más huemul”.

__________________________________________________________________________

Citación:

Cuadros, R. Elogio de la bestia fina. PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236,

Norman Berdichevsky

Scandinavia and Iberia are the two maritime peninsulas fronting on the Atlantic Ocean and respectively guarding the entrances to Europe’s two great inland seas–the Baltic and the Mediterranean. Each of these regions has witnessed both a struggle between a unifying cultural-linguistic and religious heritage, and a bitter national envy and rivalry that for a time encompassed union and threatened absorption of the “lesser” or “younger” sibling. This was followed by a renewed independence and sense of distinct identity and the identification of the “older” or “greater” rival with imperialist ambitions, and indelibly stamped as an arrogant and hypocritical usurper. In both peninsulas, the originally unified and ascendant powers of Denmark and Portugal achieved independence as a distinct nation-state, regional hegemony and a far flung overseas empire–only to lose out and suffer a long period of hurt feelings of inferiority vis-à-vis the newly dominant rival “big brother” (Sweden and Spain).

Psychiatrists use the term “sibling rivalry” to denote the frequent sense of competitiveness of siblings for the love of their parents, the affection of friends and relations and the relative success in their chosen careers and personal lives. The same characteristics and traits may be found among closely related nations that have had a long intertwined history, have often been united for a time in a long-lasting union, and speak closely related languages or regional dialects. Such pairs of nations that exhibit feelings of competitiveness, jealously and alternating phases of superiority and inferiority complexes are The “minor siblings” (Denmark and Portugal) increasingly relied upon their Atlantic coasts and overseas orientation to establish vast colonial empires in the mid-Atlantic (the Azores, Madeira, Brazil) and the North Atlantic (the Faeroes, Iceland and Greenland, and the Virgin Islands), and even further in Africa, India and Asia. One of the most fascinating and as yet incomplete studies of an episode in the history of exploration is the brief but fertile period of Portuguese-Danish cooperation (1425-1476).

It was the Portuguese who first achieved independence by expelling the Moors and achieving national unity, and then established a far-flung colonial empire, only to lose out later in large part to Spain. The result was a prolonged feeling towards the neighbor as an upstart and arrogant “big brother.” As late as the sixteenth century, Portugal’s greatest national poet, Luis De Camões, could still reflect on the two lands’ common heritage embracing all peoples of the Iberian Peninsula. In his epic poem, Os Lusiadas, he referred to the Portuguese as “Uma gente fortíssima de Espanha” (Canto I, verse 31). He used Espanha in the traditional geographic sense of the entire Iberian peninsular.

It was however the great successes of Portugal’s heroic explorers, seamen and cartographers that made such achievements in the Age of Discovery, and cemented the essential feeling of national character that made separation from Spain a mater of national pride rather than regional distinctiveness. The Portuguese love to reassert their imperial past that outlasted Spain’s, even though the final remnants eventually disappeared after World War II (Mozambique, Angola, Cape Verde islands, Goa, East Timor and Macao). Quite a few Portuguese, while bemoaning the loss of empire, at least have the satisfaction knowing that there are almost as many speakers of Portuguese as Spanish. Some were therefore recently dismayed to learn that Brazil, the largest Portuguese-speaking nation, adopted a new educational curriculum making Castilian Spanish a required subject (as the obligatory first foreign language studied in all schools).

Spanish Role as the “Big Brother”
Observers point out that the Portuguese national character is more sentimental, ironic, mild, and even more melancholic (as can be hear so clearly in the lilting strains of Fado music). These characteristics are often held up as the opposite of Castilian culture. Intense Spanish pressure and forced dynastic marriage compelled the Portuguese to follow the Spanish example of expelling the Jews in 1497, a step that deprived Portugal of many of its best merchants, diplomats, mathematicians, geographers, astronomers and cartographers. Feelings of resentment were aggravated by Spanish attempts to absorb Portugal, which temporarily succeeded from 1580-1640 (a period known as “The Spanish Captivity”). It was a political mistake that only encouraged a strong and proud reaction that cemented the identity of an independent Portuguese nation, a separate state and culture. Imagine what problems Spain would face today, if, on top of the current separatist agitation in the Basque country and Catalonia, Portugal was another antagonistic region.

Similar resentment against the Swedes
The popular press in Denmark delights in playful teasing and taunting the older brother rival – Sweden in much the same way. Although educated people regard this pandering to old prejudices as the cheapest form of sensationalism, its continued emotional long-term appeal cannot be doubted. A favorite part of this teasing is the double-meanings employed in manipulating the two closely related languages. Danes and Swedes will often prefer to converse in English rather than speak their own languages with each other. The written form is sufficiently similar so that the general meaning of texts can be generally understand but differences in intonation, pronunciation and the distinct different meanings of closely sounding words provide an endless form of humor. Swedes have a special “Sj” sound and most Danes use a pronounced glottal stop that is difficult for non-natives to imitate. All this may seem like making a mountain out of a molehill for many foreign observers who imagine that the Scandinavian peoples are so similar they should have long ago buried the hatchet. Indeed, all the Scandinavian states remain among the most stable in the world politically. They cooperate in many economic and social areas such as the joint SAS airline and are culturally, socially and linguistically similar, but maintain a distinct sense of political separateness.

‘The case of Sweden’ (Tilfældet Sverige) by the Danish journalist, Mogen Berendt became a popular best seller in Denmark during the 1980s. He analyzed renewed Danish-Swedish policies and popular prejudices that have contributed irritating, albeit minor, disagreements. These included the proximity of the Swedish nuclear power plant in Barsebeck facing the Danish coast of Zealand and Copenhagen, Swedish import regulations affecting the sale of Danish pork products, differences in policies over taxation, the sale of alcoholic beverages, differences in adoption laws and a border dispute over the island of Hesselø, an island with a handful of inhabitants.

The Swedes are often the target of jokes and satire that picture them as arrogant, snobbish, overly formal and fond of titles. A victory by the Danish team over its Swedish rival in international competition is still considered the most emotionally satisfying for Danish football fans. Well known Danish psychologist Per Christensen, commenting on the underlying reasons for the appeal of the book had this to say:

The Swedes have typical narcissistic traits. They feed on an ingrown imaginary greatness. The Swedes are full of megalomanic impressions and are clearly tied to their own traits and achievements. The Danes, can on the other hand, be described as chronic depressives with a lack of self-confidence and a tendency to exaggerated skepticism of highflying plans and ideas. The Swedish attitude towards Denmark easily becomes commandeering, arrogant and nonchalant.

Overseas expansion of the two Atlantic powers: Portugal and Denmark
One of the most fascinating but as yet unanswered questions regarding the controversy over “Who Discovered America” is the role played by joint Portuguese-Danish ventures and cooperation (1425-1476). Why did two distant and unrelated nations maintain such ties for a period of over fifty years?

Prince Henry the Navigator had been in touch with the Danish court through his brother Don Pedro who had fought together with the Danish King Erik VII and visited him in 1426. The following Danish king, Christopher III sent several Danes to study at Prince Henry’s school in Sagres. The Portuguese then invited a Danish noblemen (whose name was turned into the Portuguese sounding Vallarte) to lead one of these expeditions in 1448 (the only foreigner to be accorded such an honor) as the Portuguese slowly made progress sailing further South along the coasts of West Africa.  This “Vallarte” was sent to negotiate with the natives of the Cape Verde Islands whose king was thought to be a Christian. Vallarte was either killed or captured which must have dampened the eagerness of Danish noblemen to sail with the Portuguese.

Only a few decades earlier, the last Norwegian-Danish contacts had been made with the old dwindling Viking colony on Greenland. King Christian I of Denmark sent an unsuccessful expedition to explore the shores of the Arctic Ocean with the hope of finding a Northwest Passage to China and India sometime between 1470 and 1472. The fact that both the Danes and Portuguese were making efforts to reach India and eventually China resulted in this cooperation along with the common strategy of outflanking their rivals at home – Spain and Sweden.

Two daring Danish (or German) sea captains, Hans Pothorst and Didrik Pining were appointed by King Christian I to discover new islands and lands in the northern seas sometime in the 1470s. What is in dispute is to whether or not the Danish voyage to the West was accompanied by João Vaz Corte Real, the personal envoy of the Portuguese king and if this expedition reached Greenland.

Samuel Eliot Morison, the leading authority on pre-Columbian voyages of exploration and discovery doubts the authenticity of the claim that a voyage involving Pothorst, Pining and Core Real reached North America. He finds it unlikely for a host of reasons – meteorological, unsubstantiated source material and the simple “lack of a motive”  The motive could well have been the mutual benefit derived from Portuguese advances in cartography and navigation combined with the Viking daring and familiarity with previous voyages to Greenland and North America. The two kings must have well been aware sixteen years prior to the first voyage of Columbus, that the world was round and that it would be possible to reach  India and China by sailing West. From the Danes, the Portuguese had learned that there was no tenable “Northwest Passage” and that Greenland was so barren and inhospitable that the old Viking settlement had been unable to survive and so little wonder that the Portuguese refused Columbus’  initial request for support to reach “The Indies”.

The Portuguese thus continued their steady attempts by Vasco da Gama to circumnavigate Africa and eventually succeeded in 1497. A mosaic memorial on the Avenida da Liberdade in Lisbon, states that João Corte Real was the real discoverer of America and even the two volume authoritative history of Denmark by Bent Rying, published by the Royal Danish Ministry of Foreign Affairs accepts the accounts of Pothorst’s voyage to Labrador in 1476. Rying adds that Pothorst confessed his “Depredations in Vinland” at Christmas mass in the priory church at Elsinore in 1484.

There has been considerable recent speculation (or wishful thinking?) that Columbus was really a Portuguese spy bent on misleading the Spanish throne throughout his four voyages and pretending  that he had indeed landed in Asia rather than a “New World”. If this is so, it will undoubtedly be recorded as the greatest double-cross in history. See the well documented case in The Portuguese Columbus; Secret Agent of King john III by Mascarenhas Barreto  Macmillan, 1972; in English 1992) that Columbus was originally a Portuguese Jew.  None of his written records were made in any form of Italian. They bare all the hallmarks and errors of a Portuguese speaker who has learned Spanish!

One might even go further and suspect a world-wide Portuguese conspiracy when Fernando de Magalhães (Magellan), a Portuguese seaman, volunteered his services to the Spanish crown to discover a “Southwest Passage” Magellan’s route westward around South America’s southern tip in the first circumnavigation of the world but it was a much more perilous and longer route than the well established Portuguese routes to India and China by rounding Africa and sailing eastward.  This enabled the Portuguese to dominate trade with Africa and Asia for a fifty year period, 1470-1520, while the Spaniards were occupied in ventures sailing westward. The Portuguese jealously guarded their maps and records of all voyages. The death penalty was prescribed for misappropriation of maps and sailing charts. Log books were often frequently falsified with misleading recordings of longitude to ensure that Portugal’s trade with the East was undisturbed.

What is true no matter what the actual historical record is that there is a deep reluctance on the part of many Danes and Portuguese to simply defer to Spanish and Swedish claims that assert their role as the Big Brother.

There is great resentment too that Portugal during the period of the Spanish Captivity was drained of its resources and forced to provide much of the timber, a substantial number of ships and crews and its nautical expertise as part of the doomed “Invincible Armada” in the foolhardy attempt by Spain to invade England in 1588 and restore the Catholic faith there as the state religion.

The Portuguese often sadly reflect that their loss of empire was the result of attempts to seize control of much of Morocco and North Africa from its base in Ceuta. There they faced a numerically superior enemy armed with equivalent firearms, while the Spaniards obtained much of their great empire in the Canary Islands, Mexico, Peru, the Americas and the Philippines by fighting people who possessed a Stone Age technology.

_________________________________________________________________________

Citation:

Berdichevsky, N. Sibling rivalry and the discovery of America. Was a Portuguese-Danish cooperation involved? PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236, https://portvitoria.com/

Joaquina Pires-O’Brien

Welcome to PortVitoria, a Big Picture magazine providing reviews and informed articles on a wide range of topics for the worldwide Lusophono and Hispanic language communities. The planning for PortVitoria started before I registered the domain with 1&1 four years ago. In the various blue prints that the process required one thing did not change: the idea that PortVitoria should be a space for Lusophone and Hispanic writers.

The idea that well informed individuals make the best citizens is widely recognised in the democratic world. However, many issues which are highly relevant to society are so complex that the discussions around them are mostly restricted to the academic journals. Good reviews of the relevant topics would allow laypersons to grasp the big picture and to become better informed. The writer of reviews need not be an expert but simply someone with the skills to digest a complex topic and to write a clear summary of it.

PortVitoria’s mission is to be a global medium for the Portuguese and Hispanic cultures worldwide, providing relevant, objective and unbiased information on a wide range of topics such as language, literature, history, geography, political science and science & technology.

In this first issue the article by the American geographer, historian and linguist Norman Berdichevsky provides a different and quite interesting insight on the ‘rediscovery’ of America, where he ponders on the possibility that the voyage of Christopher Columbus was a in fact a mission of espionage by the Portuguese and the Danish, whose alliance goes back to the time when Don Pedro, brother of Prince Henry the Navigator, fought alongside the Danish king Erik VII and visited him in 1426. According to Berdichevsky, the other motive of the Danish-Portuguese cooperation was the sibling nations’ rivalry that took place in the two peninsulas that guard the entrance of Europe: Portugal with Spain and Denmark with Sweden.

There are still two other special contributions for the present issue. One is an illustrated article on the history of the English language by Ricardo Schütz, reprinted from the internet site English Made in Brazil (www.sk.com.br). The other is an article commemorating the 50 years since the death of Gabriela Mistral, the Chilean poet and Nobel laureate who died on 10 January 1957, reprinted from the Chilean e-magazine Critica.cl. We are grateful to Norman Berdichevsky, Ricardo Schütz and Ricardo Cuadros for their contributions.

We hope that PortVitoria will be a useful resource to secondary teachers, learners of foreign languages, cultural tourists and anyone with an inquisitive mind. In subsequent issues we will address wider concerns than those presented in this first issue.

July 2010


Pires-O’Brien. Welcome to PortVitoria! Editorial. PortVitoria, UK, v. 1, Jul-Dec, 2011. ISSN 2044-8236.